Ir para conteúdo
psg1

RoboCop com Zé Padilha - I ed209

Posts Recomendados

Não entendi, Madraço.

Eu quis dizer que discordo de quem disse que o filme é uma porcaria. Achei longe disso. Achei o filme bom. Mas também não achei nenhuma obra-prima (leia-se, filmes com nota 9 pra cima)

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Leiam está critica sobre o filme Robocop só o titulo desta critica já da para saber que Jose Padilha detonou  ao dirigir este filme, ele é gênio eu sempre confiei no seu talento, está é  a melhor critica que foi feita sobre o filme simplesmente sensacional, ele vai  ser a revelação como diretor em  Hollywood vai abrir caminho para varios outros diretores e atores brasileiros conseguirem mostrar seus talentos em Hollywood.. Eu ainda não vi o filme do Robocop mas estou ansioso para assistir mas pelo jeito acho que Jose Padilha vai fazer o segundo filme.hahahaahahahahahaahh

 

Por está critica parece que Jose Padilha fez uma obra prima e só com o tempo os criticos de cinema e cinéfilos reconhecerão sua obra prima.

 

 

 

"RoboCop" de José Padilha tem mais política e emoção do que o filme original

Por Luísa Pécora , iG São Paulo 

18/02/2014 14:11 - Atualizada às  18/02/2014 15:01
Texto

  •  
     

Diretor de "Tropa de Elite" estreia em Hollywood com remake do clássico de 1987 e consegue ir além da cópia

 

Não era fácil a missão do diretor brasileiro José Padilha em sua estreia em Hollywood: fazer um remake de "RoboCop", filme do holandês Paul Verhoeven que adquiriu status de cult desde o lançamento, em 1987.

 

Em meio às inevitáveis comparações e à pressão dos fãs quanto aos mínimos detalhes, o cineasta de "Tropa de Elite" conseguiu fazer um blockbuster cheio de ideias e ir além da mera cópia. Para o bem ou para o mal, o "RoboCop" de Padilha tem mais emoção e questões políticas e menos humor e violência.

 

Embora a trama básica continue a mesma, vários detalhes foram modificados. Alex Murphy (o ator sueco Joel Kinnaman) é um policial que investiga um poderoso criminoso de Detroit. Uma explosão criada para impedi-lo de avançar no caso o deixa à beira da morte e faz dele o candidato ideal para um inovador e polêmico projeto da megacorporação OmniCorp: transformar um policial comum em robô.

 

Chefiada por Raymond Sellars (Michael Keaton), a empresa já produz os chamados "drones" para atuar em território estrangeiro, evitando que soldados arrisquem suas vidas. Mas para entrar no lucrativo mercado doméstico, Sellars precisa convencer a "robofóbica" população norte-americana de que RoboCop consegue unir a eficiência da máquina com a capacidade humana de julgar o que é certo e errado.

 

No filme de Padilha, Murphy está ciente do que aconteceu com ele (e em uma das melhores cenas, olha horrorizado para o que restou de si mesmo: o rosto, parte do cérebro, a traqueia, os pulmões e uma das mãos). Mas conforme o elemento humano ameaça atrapalhar os planos da OmniCorp, cientistas fazem o possível para reduzi-lo cada vez mais a um robô. É o amor pela mulher e o filho (Abbie Cornish e John Paul Ruttan, em papéis que ganham destaque muito maior no remake) que vai tirar Murphy do torpor desejado pela corporação.

 

O novo "RoboCop" não apenas retoma vários temas discutidos no original - a ganância das corporações capitalistas, os perigos da tecnologia e de substituir pessoas por máquinas, os riscos da privatização da segurança pública - como torna a sátira política e midiática bem mais declarada e menos sutil.

 

Para criticar e ironizar a política de segurança norte-americana, em especial o uso de drones (hoje, aviões não-tripulados atuam em áreas como Paquistão e Afeganistão), Padilha e o roteirista Joshua Zetumer contam principalmente com o apresentador de televisão Pat Novak (Samuel L. Jackson), um misto de Bill O'Reilly e José Luiz Datena que não mede esforços e sensacionalismo para defender a entrada de robôs na América.

 

A inserção de temas políticos ajuda "RoboCop" a se distanciar da média dos blockbusters e ser um filme de ação com ideias. O problema é que elas são muitas, e acabam sendo abordadas de forma superficial. Não há tempo para desenvolver totalmente as questões levantadas porque elas precisam ceder espaço para tiros, perseguições e explosões.

cqled0j1fdnfbr42l49o83pk1.jpgDivulgação
José Padilha no set de 'RoboCop'

Padilha conduz muito bem as cenas de ação, e é possível notar suas digitais mesmo num produto tão norte-americano. Como em "Tropa de Elite", o brasileiro faz de "RoboCop" um filme veloz e cheio de movimento, marcado por câmera frenética e edição rápida. Os efeitos visuais e sonoros são bem inseridos, com cada passo do robô sendo ouvido pelo público.

 

O elenco tem mais talento do que o original, ainda que o rosto pouco expressivo de Kinnaman combine mais com a fase zumbi do RoboCop do que com os momentos dramáticos de Alex Murphy. Cornish derruba muitas lágrimas, mas o papel pouco desenvolvido a impede de ser mais do que apenas a mulher do protagonista.

 

Os destaques são os coadjuvantes, incluindo Keaton e Jackson, mas principalmente Gary Oldman, excelente como o cientista Dennet Norton, responsável pela transformação do RoboCop e dividido entre seus próprios princípios éticos e os interesses da corporação para a qual trabalha.

 

O personagem, inexistente no primeiro filme, também colabora para o tom mais sério e emotivo do remake. Quem for ao cinema esperando o mesmo humor e "gore" do "RoboCop" original deve se decepcionar: há muitos combates, mas eles são mais grandiosos, pouco pessoais e muito menos sangrentos do que os do original.

 

Se o filme de Verhoeven ganhou censura 17 anos nos EUA, o de Padilha recebeu o selo PG13, dado a filmes com conteúdo inadequado para menores de 13 anos. Na indústria cinematográfica de 2014, mais do que na de 1987, alcançar o maior público possível é crucial para pagar um blockbuster de US$ 100 milhões (R$ 239,7 milhões, quase oito vezes mais do que o orçamento do original). Tanto para RoboCop quanto para Hollywood, o tempo passou.

 

link da noticia: http://ultimosegundo.ig.com.br/cultura/cinema/2014-02-18/robocop-de-jose-padilha-tem-mais-politica-e-emocao-do-que-o-filme-original.html

Editado por Max Cavalera

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Não entendi, Madraço.

 

Eu quis dizer que discordo de quem disse que o filme é uma porcaria. Achei longe disso. Achei o filme bom. Mas também não achei nenhuma obra-prima (leia-se, filmes com nota 9 pra cima)

 

AH TÁ, 

 

VC COLOCOU 7;5/8, PENSEI QUE SUA NOTA FOI SETE E MEIO DE UM TOCTAL DE OITO PONTOS

 

AÍ ESTRANHEI ESSA NOTA PRA QUEM ACHOU O FILME MEIA BOCA

 

APRENDE A DAR NOTAS IMBECIL

 

ALIÁS, APRENDE A ESCREVER DIREITO AS NOTAS QUE VC DÁR

 

ENFIM, TÓPICO SEGUE......................................................................................

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

 

Os destaques são os coadjuvantes, incluindo Keaton e Jackson, mas principalmente Gary Oldman, excelente como o cientista Dennet Norton, responsável pela transformação do RoboCop e dividido entre seus próprios princípios éticos e os interesses da corporação para a qual trabalha.

O personagem, inexistente no primeiro filme, também colabora para o tom mais sério e emotivo do remake.

 

A menos que tenha havido um erro crasso de contexto, acredito que o tal personagem inexistente no primeiro filme, seja o Norton.

 

new-robocop-character-portrait-09.jpg

 

O Norton no original é esse da direita. Também idealizador do Robocop.

 

rkSoH5N1DJ.png

 

 

Enfim, teria sido muito melhor se tivesse ficado com a cor original.

 

robocop_promoitonalstills36_1020_large_v

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Pior que não vi propósito em deixar a cor preta. O Keaton fala "vamos deixar mais táctico" mas o que exatamente isso significa? Porque a única coisa que posso pensar é que fazia o Robocop tomar mais tiro, era uma roupagem mais resistente. Camuflagem o sujeito praticamente não utilizou, oras.

 

A primeira armadura tava muito legal, pois remetia à original mas ainda assim a modernizava.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Só não teve muito destaque porque o ator é um zé ruela. Mas o personagem esteve presente em várias cenas marcantes, inclusive a que manda arrancarem o braço do Murphy.


@Char De qualquer forma...

 

 

no final do primeiro, Robocop aparece com a armadura prateada.

 

 

Se houver um 2 certamente teremos o Robocop classicão que queremos. Mas se a mídia continuar detonando o filme, não haverá continuação.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

O q se passou na mente do padilha pra fazer uma porcaria dessa.

 

Cade o tema das drogas? Cade a violência urbana?

 

Cade aquele guri q era o rei do nuke? Postem fotos.

 

AH mas a classificação pg 13 blablabla

 

N teve pulso pra chegar na produtora e dizer ou +18 ou declino o convite, obrigado.

 

Ae faz um dramalhao generico

 

O cara usa um teaser

 

Robocop gay dos mamonas

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

 

 

 

O preto está diretamente relacionado com sua fase robótica. Quando ele recobra a consciência, volta à cor original.

 

Leona está certa. Se houver um 2 (o que não deve acontecer, o filme foi mal nas bilheterias), deve ser com as cores originais de volta.

 

 

 

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

 

Cade aquele guri q era o rei do nuke? Postem fotos.

 

 

tu tar confundindo co 2 já

 

 

 

acho q pode ter um 2 sim, PACIFIC RIM  q foi um fracasso de critica e publico alem de ser uma BOOOOOOSTA de filme vai ter continuaçao

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Pior que não vi propósito em deixar a cor preta. O Keaton fala "vamos deixar mais táctico" mas o que exatamente isso significa? Porque a única coisa que posso pensar é que fazia o Robocop tomar mais tiro, era uma roupagem mais resistente. Camuflagem o sujeito praticamente não utilizou, oras.

 

A primeira armadura tava muito legal, pois remetia à original mas ainda assim a modernizava.

 

a ideia era mostrar que o executivo e o marketeiro cagaram no design do designer/cientista etc e tal...

 

imho o principal problema do filme é o desenvolvimento... quando tu pensa que ele vai engrenar e ficar fodastico, o robocop muda o alvo e acaba o filme naquele anti climax lindo :(

 

ps: comparar o bob morton cheirador e fdp com esse cientista agua de salsicha... :lolmor:

esse do gary oldman ta mais para a dr.lazarus do robocop 3

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Eu até que gostei desse filme. Não gostei muito desse Joel Kinnaman como o Robocop, deveriam ter escolhido um outro ator. E como os outros chapas, prefiro a corzona original. Mas quem foi sensacional nesse filme foi o Samuca L. Jackson. Acho que é um filme 6.5 ou 7/10.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Quem tá dando nota baixa, tá vendo o filme pela perspectiva de um remake. Esse é o problema.

 

Muitos críticos dizem que o filme é bom, mas não passa o que o antigo tinha de especial. A única coisa que o antigo tinha de especial era ser velho, como um vinho envelhecido hoje. Mas era um filme bem ruinzinho cheio de gore e piadas que não funcionariam hoje.

 

O cara do jornal: Notícias chegam agora alertando para o acidente na usina nuclear na Amazônia, causando chuva ácida e matando toda a fauna local.

 

:huahua:

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

A única coisa que o antigo tinha de especial era ser velho, como um vinho envelhecido hoje. Mas era um filme bem ruinzinho cheio de gore e piadas que não funcionariam hoje.

 

não... simplesmente nao

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Quem tá dando nota baixa, tá vendo o filme pela perspectiva de um remake. Esse é o problema.

 

Muitos críticos dizem que o filme é bom, mas não passa o que o antigo tinha de especial. A única coisa que o antigo tinha de especial era ser velho, como um vinho envelhecido hoje. Mas era um filme bem ruinzinho cheio de gore e piadas que não funcionariam hoje.

 

O cara do jornal: Notícias chegam agora alertando para o acidente na usina nuclear na Amazônia, causando chuva ácida e matando toda a fauna local.

 

:huahua:

O filme é chato. Esse é o problema. De ação passou a ser um drama do homem q virou robô. Oh q comoção.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

É que eu sou fã do personagem. Não como uns e outros que alegam ser fãs nº 1 e acham esse novo uma bosta. Para o que se propôs ele é ótimo. Povo queria as mesmíssimas cenas com gráficos next-gen ai é de lascar até o Padilha. As críticas seriam:

 

Robocop do Padilha peca em inovação e nada mais é que um copy pasta com cgis atuais.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar Agora

×

Informação Importante

Ao utilizar este site, você está automaticamente concordando com os nossos Termos de Uso e regras..