Ir para conteúdo
Strife

Ação, plataformas, Metroidvanias, RPGs e afins em 2D / 2.5D

Posts Recomendados

PQP, fiquei uma semana fora e quando volto surge um dos melhores tópicos do ano.

 

Curto muito o estilo, praticamente tudo que joguei dele já foi comentado aqui, sempre pego dicas de jogos desse estilo com Sonic X-Treme e Reirom.

 

Da lista do tópico, eu senti falta de dois jogos nacionais.

 

Celeste e Dandara, ambos foram lançados esse ano, muito próximos inclusive, Celeste é um jogo mais voltado para plataforma com um alto grau de desafio e um minimo grau de frustração, achei excelente.

 

Já Dandara é um game no estilo Metroidvania com uma jogabilidade bem peculiar, não me lembro de ter jogado nada com um gameplay parecido com ele, vale muito a pena para quem curte esse estilo.

 

No mais também recomendo Unepic que o Sonic X-Treme colocou acima, foi o jogo que fez eu começar a dar atenção para esses indies, um game com jogabilidade simples, um alto grau de dificuldade e uma infinidade de itens, bom demais.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Coloquei mais alguns jogos chapas, tanto de recomendações quanto de outros que ainda tavam na lista pendente aqui. Obrigado pelas sugestões, estou anotando todas para eventualmente ir fazendo as imagens e jogando no tópico. Pode dar trabalho mas já descobri muito mais jogo aqui do que usando a porcaria da ferramenta de busca da Steam :lolmor:

 

Abyss Odyssey

Anew: The Distant Light

Aquaria

Assault Suit Leynos (2016)

Blasphemous

Broforce

Bunny must Die! Chelsea and the 7 Devils

Bushiden

Celeste

Chariot

Chronicles of Teddy: Harmony of Exidus

Cryep

Cuphead

Dad Quest

DuckTales: Remastered

Escape from Tethys

Environmental Station Alpha

Fez

Forgotten Anne

The King’s Bird

La-Mulana 1 & 2

The Last Night

Monster Boy and the Cursed Kingdom

Muramasa: The Demon Blade

NightSky

Oddworld: New ‘n’ Tasty

Odin Sphere: Leitfhrasir

Planet Alpha

Spelunky

SteamWorld Heist

Touhou Luna Lights

 

Lembrando que está tudo em ordem alfabética para procurar seus jogos de interesse.

 

 

Os caras emulam bem os gráficos da era 16 bits

Agora falta emular a qualidade de composições daquela época. Tipo ninja Gaiden, contra

 

Nem todo indie tem o luxo de ter um Uematsu, Mitsuda, Sakimoto ou Koshiro por trás, mas vários tem ótimas trilhas sonoras, mas não que vc tenha jogado né? Não sei se tem no Youtube, mas procure pela OST de Axiom Verge, curti bastante essa e é bem no estilão 16-bit.

 

 

Não dá pra mergir da maneira correta mesmo, e não tem outra solução. Eu aumentei o número de imagens por post, testa aí se funciona, mas de qualquer forma é um palitivo.

 

Valeu JC, por enquanto aguentou a nova atualização.

 

 

Seria um tópico perfeito se Strife não tivesse praticamente descartado os melhores jogos de toda essa lista: Ori, Guacamelee (os dois), Hollow Knight, Dust: an Elysian Tail, Rayman (os dois) e a série Shantae. Mas foi bom porque concordei com ele sobre alguns jogos que decepcionaram, como Apotheon, que não aguentei ir até o fim, Owl Boy, que concordo ser um bom jogo, mas esperava bem mais, e Valdis Story: Abyssal City, que fica muito apelativo mesmo no final, sua jogabilidade um pouco lenta não ajuda mesmo, e o personagem só pode ir até o level 20 ou 25, nem me lembro mais, eu evoluí até o máximo na época, mas mesmo assim não consegui terminar.

 

Vou comentar sobre alguns jogos da lista e dar sugestões de outros:

 

Assassin's Creed Chronicles: China - É praticamente um jogo de stealth como Mark of the Ninja. Gostei muito, fiz 100%, mas não tive vontade de comprar os outros dois porque parecem mais do mesmo. Não sou tão fã assim de stealth, mas Mark of the Ninja é o melhor que já vi do estilo, se brincar melhor até que os jogos 3D também.

 

Bleed - Só joguei o primeiro. Legalzinho, terminei, mas não tive a menor vontade de comprar o 2, sequer botei na lista de desejos quando apareceu "em breve" no Steam.

 

Ori, Dust e Shantae dei bastante chance, realmente não curti mesmo. Rayman nem posso opinar mas não me atrai. Porém, ainda vou dar outra chance para Hollow Knight e Guacamelee.

 

E Mark of the Ninja é melhor que a maioria dos stealth 3D mesmo. Realmente fico na dúvida se é o melhor jogo stealth e pronto, de tão bem executado que é, mas ainda tenho fanboyzice por Tenchu e MGS3.

 

Bleed, se não gostou tanto do primeiro, realmente não vale a pena pegar a continuação (apesar de ser bem baratinho). Eu adorei o jogo, mesmo, então foi ótimo quando peguei ambos numa promoção.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Você colocou Aquaria, isso me fez lembrar de Song of the Deep, que achei um ótimo metroidvania aquático, melhor que o próprio Aquaria, que é muito elogiado, mas achei confuso e overrated, até cheguei longe, mas nem aguentei terminar. Mesmo caso do Apotheon. Em SotD fiz tudo, inclusive todas as conquistas. Publicado pela Insomniac e provavelmente bem supervisionado por ela o desenvolvimento, por isso é tão bom! Porém, roda a 30 fps nos consoles, até mesmo no Xbox One X, então se você é acostumado à fluidez do PC como eu, só vale a pena jogar nele.

 

Dos que ainda não joguei, mas espero MUITO:

 

Giga Wrecker (metroidvania do pessoal do Tembo: the Badass Elephant e Pokemon, já lançado)
Monster Boy and the Cursed Kingdom (sai ano que vem no Steam, vai ser jogão aqui sem dúvida alguma)
Iconoclasts (parece ser um excelente metroidvania também, já lançado)
Aggelos (estilo Wonderboy, e faz muito tempo que estava em desenvolvimento. Saiu esse ano)
Rabi-Ribi (Tem uma das maiores porcentagens de avaliações positivas do Steam entre meus jogos da lista de desejos, deve ser muito bom metroidvania)
Planet Alpha (muito bonito e publicado pelo Team 17, de Worms. Deve ser ótimo)
Mega Man 11 (sou fã da série clássica, mais até do que a série X ou Zero ou ZX que vieram depois)

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Graças a esse topico fechei o steamworld dig que estava encalhado no steam a um tempão.

 

Tenham uma boa tarde

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Continuity num é aquele browser game?

 

É legal, mas eu canso rápido igual todos esses jogos de challenges tipo meatboy ou dust force, por exemplo.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Isso, é browse mas acho que também tem na loja de apps dos celulares, não sei se saiu na steam também. Mas foi premiado na época e eu gostei do quanto se pode explorar um conceito simples. As possibilidades são muitas e os primeiros estágios são todos bobinhos só pra te apresentar as regras do jogo organicamente, sem tutoriais. Você aprende fazendo.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Outro jogo ainda não lançado que eu estou curioso é o Noita, que está sendo feito pelo estúdio formado pelos criadores do The Swapper e Environmental Station Alpha.

 

 

E o estúdio brasileiro do Oniken e Odallus está fazendo um clone do Contra chamado Blazing Chrome: https://youtu.be/RMA3yg5GmtU

 

ps.: o Wonder Boy e o Monster Boy são de estúdios diferentes.

 

 

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Esse Noita está bem legal mesmo, pena que é procedural, apesar que hj em dia eu pelo menos dou chance a isso, antes era só ler procedural, random, roguelike que eu nem chegava perto.

 

Fiz a correção lá do Monster Boy e anotei as novas sugestões.

 

Tb testei o Continuity, mas assim como o Lucs, esse tipo de jogo me cansa rápido, ainda que o conceito seja interessante.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Segue texto que Reirom me passou e pediu para postar.

 

Amigos e amigas eu sou maior especialista no gênero metroidvania no Brasil .. tópico lindo atualmente só jogos Indies e jogos antigos no emulador .. strife caras burro demais , cara falou mal de ori dos 2 guacAmeles Hass melhores do gênero caras.. sabe nada volta pro RPG strife desse género tu e neófito. Bem alguns jogos que Zerei não citados .. awas awakening jogo 2d estilo nes metroidvania . Bom jogo .. monster tale jogão nds caras Hass burros alien infestaction nds.. timespinner tou jogando da surra no imundo chasm Lucs sabe nada Hass strife falou mAl dos shantaes Hass série linda que cara leigo .. sundered e jogão recomendo papangus .. Joguem também um ótimo fan Made game castlevania levard cronichles 2 muito bom estilo clastevAnia clAssicos . Robót nAme fight bom jogo .. aguardem heart forth alicia será jogão .. aguardem ghost song cenotegame ambrosia feudal aloy faeland super cAtboy plague huntress furwind lost fortress eu sou especialista nesse gênero Zerei quase todos que existem não deem ouvidos a strife sabe nada ,ori guacamelee 12 e serie shantae são tops do gênero e como falar mal de zelda caras .. enfim e minha contribuição até Sônic extreme manja mais que strife ..

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Pra mim, repetitivo é o Robot Unicorn Attack, o jogo de plataforma mais gay de todos os tempos! O que salva nele é a música.

 

O continuity, como eu disse, demora um pouco pra chegar nos níveis que empolgam e desafiam, o começo concordo que é meh.

 

Agora, um bom que eu recomendo é o "within a deep forest" que eu só joguei o primeiro, mas pretendo jogar o 2 assim que puder!

Editado por megaspy

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

O nível da animação de Faeland ta foda demais, Ambrosia ta apetitoso também.

 

Sobre indivisible, como backer eu recebo direto atualizações do projeto. Quem quiser ver como estão ficando os bonecos eu posso postar depois.

Editado por Lucs

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Tava interessado nesse Valdir Papel Story :lolmor: mas com esse lance de dificuldade grotesca até desanima. 

 

 

E no Holow Knight tou com umas 10 horas de jogo e ainda apanhando desses hit/hurtboxes toscos. Sistema de cura que tenta emular o "loading" do Estus de Dark Souls é outra merda também. Praticamente impossível se curar durante as lutas com os bosses.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Tava interessado nesse Valdir Papel Story :lolmor: mas com esse lance de dificuldade grotesca até desanima. 

 

 

E no Holow Knight tou com umas 10 horas de jogo e ainda apanhando desses hit/hurtboxes toscos. Sistema de cura que tenta emular o "loading" do Estus de Dark Souls é outra merda também. Praticamente impossível se curar durante as lutas com os bosses.

 

Tá falando do Valdis Story: Abyssal City? :lolmor:

 

Se for, essa dificuldade bizarra é somente, no meu caso, no último chefe. De resto o jogo foi tranquilo, tava gostando da dificuldade até, nunca precisei parar evoluir nem nada e as lutas contra chefes foram legais. Mas daí vem uma apelação grotesca mesmo, e o grind era coisa de maluco para evoluir, que não deu. Mais de uma pessoa falou que joguei errado e tals, mas não ia começar de novo um jogo grande porque "evolui errado", sendo que gosto de jogar na cega e ir descobrindo as coisas, detesto ficar olhando FAQ só como preparo para iniciar jogo. Se nem Dark Souls isso foi necessário, e é um jogo bem mais difícil, imagina nesse.

 

Hollow Knight deve ser o próximo que pegarei depois que terminar os que estão em aberto aqui (curtindo bastante Way of the Red). Hora da segunda chance, não lembro de ter esse problema com hitbox, mas sim com aquele knockback completamente desnecessário que se tem com golpe. O inimigo fica no mesmo lugar e vc cai pra trás praticamente, teve plataforma com inimigo voador por perto que eu xinguei por isso. Outra coisa que não gostei foi aquela putaria do mapa só atualizar depois que vc encontra um savepoint, ao invés de ir abrindo enquanto vc está explorando. Tipo, nem me importo de ter que encontrar o cara que vende o mapa antes, blz. Mas isso não. Uma coisa que pensei que seria legal e ia mitigar esse problema era se as partes do cenário q vc pode destruir ficassem destruídas, daí vc saberia por onde já passou e nem mudava o sistema do mapa em nada, ia ser bem bacana até. Nem sei pq mais jogos não fazem isso.

 

Lucs, poste os modelos dos bonecos do Indivisible depois, tô curioso. Por acaso falam do progresso do jogo e alguma previsão?

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Pois é, Hollow Knight tem esses defeitos irritantes que para mim estão sendo difíceis de se acostumar. O sistema de atualização de mapas é tosco mesmo. 

 

 

O sistema de hit/hurtbox é como falei. Para poder acertar os inimigos tem que estar colado neles, e olha que já peguei o talismã que "aumenta" o alcance do graveto/ferrão mas não vi muita diferença não. O hurtbox nosso é totalmente maluco. Por exemplo, os inimigos pequenos são bem difíceis de se acertar e o mesmo deveria valer para o personagem principal, mas não é o que acontece na prática. O nosso hurtbox parece com o de um personagem grande e somos constantemente acertados por golpes distantes que teoricamente não estariam no range de ataque.

 

 

Exemplo claro disso é um chefe spammer que fica soltando uma bolas laranja para cima e elas caem. Mesmo ele sendo grande, temos que colar nele para bater. E convenientemente para a dificuldade do jogo o knockback não nos afasta o suficiente para podermos escapar da garrada roubada dele. Ele só mexe a garra de cima para baixo e mesmo a uma distância que teoricamente seria segura o golpe TE ACERTA. Então temos que nos distanciar MAIS DO QUE O NECESSÁRIO para os golpes não acertarem.

 

Também não gostei do fato de não podermos cancelar o dash em pulo ou em ataque. Isso limita muito a movimentação frenética nas batalhas com inimigos mais difíceis. Temos que esperar a animação do dash acabar para podermos executar outra ação, seja pular ou atacar.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Knockback podia ser só no inimigo mesmo (nos voadores que já sofrem disso e nos do seu tamanho);

Range do ataque foi tranquilo, não tive problema e tem 2 talismans pra isso. Combar os 2 fica parecendo espada do Strider com o max de upgrades. Eu joguei quase como Dark Souls, esperava bastante, batia e fugia. Muitos inimigos tem ataques rápidos e com range grande, então suspeito que esse era o modelo de combate que queriam no game;

Cancelar dash em pulo e ataque eu acho que é pra cadenciar a luta mesmo, acho que ficaria BEM mais fácil com isso, IMO. Também não acho que todo jogo de ação tem que ser Dead Cells.

 

To imaginando se vc for até o final e enfrentar um dos chefes secretos. Apesar de eu ter tido quase nenhuma dificuldade com ele, galera arranca os cabelos, ainda mais se as coisas que você citou continuarem te atrapalhando.

 

 

Lucs, poste os modelos dos bonecos do Indivisible depois, tô curioso. Por acaso falam do progresso do jogo e alguma previsão?

https://indivisiblegame.com/news/

 

Resolvi postar a seção do site com as news onde todos os updates do jogo estão. Eu não assisti nenhum dos pannels que fizeram por convenções afora, alguém deve ter perguntando e talvez eles deram uma ideia do quanto do jogo está pronto. Eu to tranquilo quanto aos Delays pq eles entregaram tudo e muito mais com Skullgirls, então minha confiança na Lab Zero e na qualidade final do que eles querem entregar é alta. Tenho que jogar o Backers Demo atualizado, mas como já tinha curtido a demo de anos atrás, to querendo guardar surpresas pra quando pegar o full game ano que vem (se não tiver mais adiamentos).

 

Talvez algo que vai ajudar a atrasar o jogo é que eles querem lançar simultaneamente para todas as plataformas. Nesse ponto eu acho o melhor caminho.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

só deixando uma sugestão porquê sei que vai dar um trabalho então se tiver preguiça eu entendo rsrsrs, lá vai: adicionar o nome do jogo na descrição também, assim fica mais fácil procurar um título usando Ctrl+F 

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Na última atualização sempre escrevi o nome dos jogos na descrição por essa razão, Cyco.

 

Terminei o desconhecido Way of the Red, e curti bastante. É bem rápido e difícil, mas não sem seus defeitos. Alguns inimigos possuem um alcance que parece meio roubado (como os guardas do início), e às vezes o personagem é rápido demais (especialmente no planar) para algumas das sessões mais tensas de plataforma. Não é Metroidvania, sua progressão é linear, apesar que ainda existe um elemento de exploração nas áreas, às vezes dá vontade de escalar até um ponto alto e voar através de vários cenários (e fiz isso várias vezes), mas corre o risco de perder alguns upgrades que ajudam muito, especialmente no início, pois algumas áreas ficam inacessíveis quando se avança. O primeiro upgrade, de jogar a espada como um bumerangue, é o mais essencial, que se pega voando pra direita assim que se consegue a espada. O chefe final é uma apelação nível chefes da SNK dos anos 90, com golpes feitos para explorar todas as fraquezas possíveis, passei raiva até descobrir uma estratégia que funcionou (dica: fiquem na parede da direita, só desçam para atacar quando ele estiver acabando o combo, e só precisarão se preocupar com um golpe dele que fica mais de boa de desviar enquanto está agarrado na parede, com sorte vc até trava ele um pouco para encaixar uns dois ou três combos seus em sequência antes dele se teletransportar). Mas, novamente, gostei, os gráficos não são grande coisa, mas é bem divertido, a trilha sonora é legal e até a historinha é boa.

 

No howlongtobeat está como 3h pra terminar, e parece que foi por aí mesmo.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar Agora

×

Informação Importante

Ao utilizar este site, você está automaticamente concordando com os nossos Termos de Uso e regras..