Ir para conteúdo
Strife

O que estão jogando de RPG no momento?

Posts Recomendados

Já o IV me tirou do sério... acho um dos piores FFs ao lado do X (desconsiderando os três primeiros, que eram primitivos demais para serem sequer jogáveis).

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Comecei e depois de 12 horas desisti de Jeanne D'Arc - PSP, sou fã assíduo de sRPG e ja tinha muito tempo que pensava em jogar ele, lembro que na época as notas foram altissimas, portanto estava na cara que seria algo bacana, mas não.

 

De começo a história ja começa bem e de certo modo é o ponto forte, mas desgraçadamente o resto do jogo é mal feito, arrastado e simplório demais. Começando pelo visual 3D extremamente feio e sem carisma algum, e a coisa piora ainda mais quando temos artworks maravilhosas e cenas em anime.

 

560355-jeanne___gilles_de_rais.png

Robert Smith fazendo uma pontinha no game.

 

Musica começou fora de série, 2 temas de se equiparar a FFT e TO da vida, o problema é que 12 horas depois eu ainda estava ouvindo as mesmas 5 musicas desde o começo...

 

Enredo já de inicio começou interessante, porem abusaram demais na caracterização da época, praticamente cada boneco tem um sotaque, porem o problema é um sotaque de Françês falando inglês britânico, tem uns 3 bonecos que eu ja até desisti de tentar ler o que falam. Portanto o clima mais sério do enredo é quebrado quase a todo momento por algum papangu falando igual um favelado.

 

Jogabilidade é a mais simplista possível, podendo equipar de 2 a 3 equipamentos somente, Arma, Escudo, Armor e nada muito espetacular. Possui um sistema de equipar e fundir skills, pois como não existe classe pra mudar e nem se ganha nada de habilidade no level up, tudo fica nessa pedras que vc dropa matando inimigos. Grande parte é coisa basica como Status+, Skills e magias, porem o grande desequilíbrio do jogo é a Jeanne e outros bonecos que tem um tal bracelete, com ele o personagem fica muito morte, e caso mate com 1 hit, ganha um turno extra, e vai assim até não matar ninguem. Eu cheguei a ponto de testar e passar lutas sozinhas onde eu só mandava a Jeanne e eram um passeio no parque.

 

Por fim esse entrou pro hall dos raríssimos jogos que começo e não termino.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

FF2 segue a mesma linha do 4, mas tem uma história mais bacana, gameplay caga, mas tira 2 horas se batendo na batalha e o resto flui

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

FFII tem enredo mais legal que FFIV? Difícil acreditar, mas o 2 ainda é um dos poucos FFs que não joguei, embora acredita que vá ser difícil aturar os sistemas de gameplay dele, pelo que dizem.

 

FFVI não envelheceu muito bem pra mim, quando joguei na época achei o supra-sumo do gênero, mas ao rejogar uns anos atrás achei que teria sido melhor manter na memória, ainda coloco entre os melhores FFs mas abaixo de outros como FFVII, FFXII e FFT.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Jeanne D'arc é um jogão. Foi o jogo que mais joguei no falecido PSP. É o sRPG que mais me animou depois de FFT (enfia Disgaea no...).

 

Eu não sou exigente, acho que da série principal nunca joguei um FF ruim, tirando Lightning Returns, gosto até de FF13 e 13-2, que, por sinal, têm o MELHOR sistema de batalhas por turno de toda a série e uma trilha sonora muito, muito boa, apesar dos defeitos de linearidade do 13 e de despirocagem de viagem no tempo do 13-2, que foge completamente do controle no 13-3.

 

Acho que divido os FFs entre aqueles que joguei (e gostei) e os que ainda não joguei.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Nunca vi dizerem que o II segue a linha do IV. E na verdade o II é o pior da série, história e personagens tirados do esgoto. É um dos JRPGs que tentam se levar a sério com o desdobramento de cenas mais cafonas que já vi. E nem relevo por ser antigo, pois é tão ruim que chega a ser cômico. 

 

E morte aos Palamecia Fan Fags que surgiram com Dissidia. 

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

VI e XII são um nível acima de todo o resto.

 

IX, V e VII ainda são jogos maravilhosos a suas maneiras, mesmo que acho que o VII não me impressionaria tanto caso tivesse jogado o VI primeiro... mas pelo menos é um jogo perfeito em quase tudo.

 

O VIII chegou a ser por muito tempo meu FF favorito ao lado do VI... mas a história dele é muito teen (no mal sentido... pq "teen" todos os FFs são) e hoje não engulo mais. Seu sistema quebrado de combate tb não me inspira tanta tolerância quanto na época que o jogo foi lançado.

 

Ai um vazio e entram o IV seguido pelo X... jogos com momentos memoráveis (alguns dos melhores de toda franquia) que, infelizmente, se perdem em dois oceanos de mediocridade e pieguice.

 

Desconsidero os spins ou continuações. Mas o único spin que acho foda é o Tactics... porém é um gênero que sempre gostei demais e FFT nunca foi dos meus favoritos.

 

Os I, II e III nunca aguentei jogar mais que poucos minutos pois são toscos demais em tudo.

 

O XIII joguei pouco mais de uma hora e estava achando a coisa mais ridícula do mundo... dizem que melhora com o avanço, mas nenhum dos FFs que gosto precisaram de tempo para se tornarem jogáveis... nem o IV e X tiveram começo tão ruim, e olha que o IV tem o maior coito interrompido de toda série. O XIII-2 eu tb joguei o mesmo tanto do XIII e pareceu melhor em tudo, mas ainda assim não bom o suficiente.

Editado por JUGULADOR

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Tirando o FF6 que finalizei a pouco, eu só tinha jogado o FF4 versão DS até chegar em um mundo de lava? enfim como FF2 e tals são diferentes no combate? achei que todos eram RPGs mesmo.

 

Em algum momento esse ano vou voltar no FF4 mas em outra versão, tenho aqui aquela completa do PSP com interlude+after years.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

FFII é sistema por turnos normal, o que reclamam dele é o sistema de evolução que é baseado no que vc faz em batalha, vc aumenta seu ataque ao atacar, aumenta HP levando porrada, aumenta magia usando magia... na teoria faz sentido, mas na prática leva a um grind em que se fica repetindo ações em batalha para subir de nível.

 

9h no Xenoblade Chronicles, pegando mais a manha das batalhas estou curtindo, mas com alguns poréns. Os cenários são vastos e bonitos (de longe), mas poderiam ter sacrificado um pouco do tamanho (que por vezes é exagerado) para um melhor draw distance de inimigos, sem falar que em cidades quando se conversa com um NPC outros NPCs próximos somem (jurei que o jogo tinha bugado quando isso aconteceu). Ah, e esse jogo deve ter um dos character designs mais feios que já vi, não só os modelos básicos são bem pobres (muito jogo de PS2 é melhor), mas os equipamentos que mudam visual (algo que supostamente devia ser legal) deixa tudo um verdadeiro baile de carnaval. A paleta de cores dos equipamentos tb é bizarra, misturando verde com roxo com laranja... pqp. São detalhes que não estragam a experiência que no geral tá positiva, mas incomodam um pouco. No entanto estou duvidando que seja esse supra-sumo dos RPGs que muitos me levaram a crer (mal de console da Nintendo desde o N64: tem pouquíssimos RPGs daí quando tem é overhypado, vide Tales of Symphonia no GC).

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Hahahaha, eu gosto pacas de FF9, marcou muito. Lembro do primeiro dia. Foi meu primeiro jogo do PS2 (retrocompatibilidade). Mas de todos os sistemas de batalha que eu já experimentei em FFs, FF9 tem o mais lento. Aguentaria jogar o game novamente numa boa pela história, mas simplesmente não consigo mais batalhas normais aleatórias tão demoradas. FFX e FFX-2 pelo menos têm o Auto-Haste que realmente faz uma diferença tremenda e o carregar dos menus é bem rápido. No FF9 até o zoom da câmera entrando na batalha demora.

 

Eu acho a história do FF13 decente, do FF13-2 forçação de barra e do FF3-3 puro crack. Eu tenho uma teoria de que o wave de narizes torcidos para FF13 é porque as pessoas envelheceram (e como dito na outro página, um jogo que era suprosumo pra vc no passado, simplesmente não desce hoje), mas se o jogo tivesse sido lançado há 15 anos com essa mesma história, estaria na lista de favoritos de muitos. Ainda mais com um sistema de batalhas bom e eficiente daqueles. (E haters gonna hate mas Lightning e Auron são dois dos melhores personagens de toda a série :lolmor: )

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Os loadings de batalha e velocidade do ATB de FFIX são difíceis de aturar mesmo, é um dos maiores defeitos do jogo. Na época já incomodava, hj então... ao menos melhoraram isso na versão da Steam?

 

Enredo de FFXIII é uma bostinha, fosse lançado 15 anos atrás teria sido a mesma coisa. Light e Snow dois dos personagens mais irritantes da série inteira, e Auron é de FFX. Jogos antigos com boas histórias continuam tendo boas histórias na sua maior parte. 

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

FF1, 2 e 3 só conheci as versões de NES... elas são toscas em tudo... da narrativa capenga até interação truncada. Na verdade eles já tem vários elementos da franquia e o formato está lá, mas FFs geralmente me ganham por terem coisas extraordinárias. Os três primeiros não mostraram absolutamente nada que prendesse minha atenção. Fodeu mais ainda o fato que fui jogar eles depois de fechar Phantasy Star no Master System. Depois tentei novamente os jogar via emulador, no final dos anos 90... tipo, imagina tentar encarar aquelas merdas depois de conhecer a quarta geração inteira e do PS1 estar bombando justo nesse gênero... e com três FFs que estão sempre nos topos de qqr lista de TOP do gênero.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Achei o remake 3D de FFIII muito bom.

 

A edição Anniversary do FFI para PSP é legal tb, apesar de terem facilitado demais o jogo, faltou equilíbrio na dificuldade, coisa que o remake de FFIII acertou em cheio.

 

Ambas as versões são bem mais aceitáveis hj em dia do que as originais de Nes. Na verdade acho que quase nenhum RPG de Nes envelheceu bem, meu limite costuma ser 16-bit mesmo.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
238405-ys-the-oath-in-felghana-psp-front

Zerado - Ys: The Oath in Felghana – Versão PSP (no Vita). Em: 18 horas. 

Vou destacar aquilo que acho fundamental destacar do jogo. Os gráficos e seu estilo já são conhecidos de quem conhece a série e jogou o VI e o Origins. As músicas são ótimas, apesar de inferiores ao I e II e Ark of Napishtim e a história e personagens dão prosseguimento aos eventos da série. Mas esses pontos não são obviamente o ponto.

Normalmente analisamos e damos uma nota para um jogo devido a diversas características ou uma só. Seiken Densetsu 3 não é o meu Action-RPG favorito devido ao combate, leva uma sova dos Ys nesse quesito, mas pelo conjunto da obra, acabou sendo o meu favorito. Com absoluta certeza um jogo como Ocarina of Time não seria o melhor jogo de todos os tempos para alguns pelas suas lutas, deu pra entender? Isso ocorre com os Ys do I até o VI, o que ocasionou a total falta de interesse pela série pra mim a partir do Seven. E vou explicar o porque.

O combate de Ys começou bem excêntrico, com Ys I & II e seu sistema de colisão. E alguns seguintes que vieram em perspectiva de um jogo como um Super Mario Bros. até chegarmos em coisas como Ys VI e agora Oath (Origins também está incluso nessa, apesar de ter jogado pouco).

O que diferencia Ys VI, Oath e mesmo Origins, é como apenas a adição de um simples comando de pulo faz um bem danado a esses games. Você não tem apenas o combate e somente ele. Mas você tem todo um mundo e suas dungeons que funcionam em sinergia com esse comando para realizar ações fora das batalhas.

Sim, desde o último chefe de Ys VI, onde nunca poderia ter sido feito daquela maneira sem o comando de pulo, até Oath, que o último chefe também utiliza de tal artimanha. As duas últimas dungeons em especial, o castelo amaldiçoado e a derradeira e final. Chega a ser tão incrível que no castelo, na parte do Clock Tower, o combate deu seu brilho e lugar a todos os elementos de plataforma. É algo que adiciona tanto a experiência, que vemos que um jogo não precisa necessariamente ter que brilhar em um único ponto. Se conseguir ser bom em determinada características e tiver um Q a mais em outras, isso realmente faz a diferença. Realmente, comecei a me sentir jogando e explorando um ambiente como em um Metroidvania, só que com uma visão quase que totalmente 3D. 

Uma pena, pois hoje em dia a série Ys ficou bem chata. Com o atrativo de focar em trocar de personagens num grupo de 3. Algo bem comum e sem graça (e sem pulo e tudo que ele trás de bom...).

Finalizando: Oath é brilhante por tudo o que disse. Só não gostei mais que Ys VI. Mas acreditem: isso não é demérito.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Acho o Oath in Felghana bem melhor que o Ark of Napishtim. É como se o Ark fosse um protótipo e aperfeiçoaram a fórmula no Felghana.

E oficialmente desisti de Xenoblade Chronicles. O sistema de batalhas é limitadíssimo, sem graça e não evolui nada no decorrer do jogo. Não pode trocar de personagem durante batalha e não há qualquer tipo de configuração de AI. O resultado disso é que praticamente não existe estratégia a não ser usar as mesmas skills do seu personagem enquanto TORCE para que o resto do grupo te mantenha vivo. Sério, sem graça é até sendo bonzinho, impressões iniciais enganaram lindamente. Cheguei em Mechonis fazendo a mesma coisa em TODAS as batalhas, incluindo chefes, simplesmente pq não tem mais o que fazer. Definitivamente um dos jogos mais overrated que joguei nos últimos anos. O resto nem é ruim (apesar dos modelos de personagem ser sub-PS2 na qualidade e totalmente de mau gosto no character design), mas o sistema de batalhas fode tudo. Odeio deixar jogo com tantas horas investidas inacabado, mas não deu.

 

Agora estou na dúvida se jogo Skies of Arcadia Legends ou Trails in the Sky SC.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Eu recomendaria não jogar nenhum dos dois, pois são JRPGs consideravelmente longos (podem levar 50+ horas). Final Fantasy XV está chegando logo ai, maioria do pessoal vai reservar tempo só pra ele, eu mesmo já fiz a pré-venda e vou parar tudo pra jogar ele. Estou até traçando um cronograma aqui pra terminar tudo antes dele chegar. Talvez seja um bom período pra zerar jogos de outros gêneros, por exemplo, no próprio PS4, um Uncharted 4 que não passa das 20 horas. Mas se for escolher um dos dois, sugeriria Trails, pois roda melhor no PC do que a emulação de Skies. 

 

E o Golden Sun, largou também? Ou está jogando em doses homeopáticas? Não é o tipo de jogo que acho que você se irritou ao ponto de largar de vez. 

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Pelo menos até onde testei Skies of Arcadia Legends tá rodando muito bem no Dolphin aqui. Jogos da geração atual estou achando muito inflacionados os preços, esperando baixar um pouco (apesar que só tenho interesse em Uncharted 4, Dragon Quest Heroes e SO5 no momento). E meu hype para FFXV está tão baixo que eu tinha até esquecido do seu lançamento mês que vem, nem sei se vou pegar day one, geralmente espero ver comentários de perfomance e patches antes de pegar qualquer coisa no lançamento atualmente. E sim, zerei Golden Sun, tinha até esquecido de comentar. Tava jogando só durante viagens no celular. Joguinho charmoso mas no final tava cansando, só que estava mais perto do que imaginava e acabei terminando semana passada. Chefe final foi um bom desafio.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
Qn8cTb4.png

Final Fantasy IX zerado pela sexta (ou quinta, sei lá) vez em 44 horas. Zerado no Vita pelo PSOne Classics. Usarei um texto antigo, igual fiz com Skies of Arcadia Legends, com algumas modificações. 

Em algum momento da última década, Final Fantasy perdeu a sua arte. Como os jogos tornaram-se mais tecnicamente ilimitados, a Square-Enix tem lutado para se adaptar. Com níveis que exigem mais detalhes e orçamentos ficando maiores, e engenhosidade e outras artimanhas começaram a desaparecer. Final Fantasy X, X-2, XII e XIII todos viram um notável declínio na criatividade, mesmo que eu ache que eles ainda são agradáveis (ou não...). No momento em que chegou Final Fantasy XIII, parecia que você estava atravessando um conjunto de corredores mal-projetados e um amontoado de cenas tiradas de filmes C sobre amor e esperança. 

Em essência, o nível de design e mecânica de jogo foi sacrificado por causa da imersão. Isso não é uma decisão que eu discordo. Ambientes lindamente detalhados e personagens de desenho vibrante podem engolir o jogador, mais do que compensando as falhas potenciais que estão presentes no design de um jogo. Mas não só a Square-Enix perdeu sua habilidade, mas também perdeu o seu encanto. E esse é o aspecto verdadeiramente desconcertante do declínio da série. 


Eu sugiro dar alguns passos para trás antes de avançar. 

Final Fantasy IX representa tudo o que faz Final Fantasy uma série única, maravilhosa. Em termos de imersão, é excelente. Personagens são divertidas e peculiares, a estética é linda, e a música contém algumas das melhores composições para se ouvir de um jogo de videogame. Vivi e sua história é muito bem feita, obrigando o jogador a se apaixonar por um personagem encantador e pitoresco apenas para descobrir seu destino doloroso. É um pequeno exemplo de como o jogo cria conexão com o jogador, e acho que os personagens de Final Fantasy IX relatam isso mais do que qualquer coisa que vi. São os pequenos detalhes, as conexões pequenas que criam um sonho. E não é esta a forma como esta série é suposta a fazer você se sentir? 

Sim, o jogo pode não carregar os tons escuros de outros jogos de Final Fantasy. Mas a noção de que "negro = bom" não sustentam este terreno. A luz, sensação fantástica de Final Fantasy IX é muito mais encantadora, e quando o jogo não entra mais em temas melancólicos, é mais poderoso. Uma vez que você já experimentou a alegria e plenitude do mundo ao seu redor, tristeza realmente se sente como tristeza. 

E enquanto as emoções e beleza do jogo podem engolir você, seu nível de design não é sacrificado. Cada área flui rapidamente para a próxima. Lojas, vilas e áreas são ricamente detalhadas não só através de polígonos, mas também através de uma variedade de NPCs coloridos e divertidos e sidequests que vêm com eles. Mas onde o jogo é realmente uma conquista a partir de uma perspectiva de design é o seu ritmo. Quando você está jogando Final Fantasy IX, você está constantemente ansioso para o que virá a seguir. O jogo está lançando coisas novas em você de uma hora para outra, e que a ênfase na variedade é algo que a franquia tem sido extremamente carente. O pacing de Final Fantasy IX é anormal, só não consegue ser melhor que de Skies of Arcadia Legends, em cada cena e momentos desses dois jogos, eles batem de frente pra ver quem consegue a medalha de ouro ou prata. Devido a tudo isso, Final Fantasy IX em minha concepção é o melhor Final Fantasy da série, e segundo melhor RPG de todos os tempos, mas também perdendo para Skies of Arcadia Legends, mas não é um problema: algumas batalhas são difíceis ou impossíveis até para os melhores dos heróis.  

É esse sentimento de coesão e plenitude que a série perdeu, e precisa desesperadamente para retornar. Os designers tiveram uma visão, e que foi entendido por todos da equipe. 

Assumir riscos e vastamente alterar muitos aspectos de uma série amada é, sem dúvida, ousado, mas no processo, Final Fantasy perdeu o que fez-se sentir como uma fantasia.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

FFIX é um jogo com um charme raro e cativante mesmo. Descreveu muito bem ele e a situação da Squenix.

 

A estória de Vivi é um dos pontos mais altos do jogo mesmo. A da Freya também me cativou bastante. Só acho que FFIX meio que se perdeu na parte final do jogo depois que rola a superação do Zidane em encarar seus medos e sua origem. Lembro que estava meio que esgotado, cansado de jogar e fui me arrastando para terminar. Tipo, não tava curtindo mais jogar, mas me forcei para não largar em vão tudo o que joguei sem conhecer o desfecho daquilo tudo.

 

Não sei bem se é um problema mais meu mesmo ou foi um problema do jogo. Lembro que tive a mesma sensação ao me forçar a terminar Breath of Fire III.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

FF 8, 9 e 10 sofrem do mesmo mal: inventar um vilão até então desconhecido perto do final do jogo (ou literalmente no final) pra dar um feeling de plot twist. Sério, não precisava disso.

 

Acho FF9 masterpiece. Jogo marcou muito. Lembro do primeiro dia que joguei. Hoje não daria conta de rejogar porque o loading de batalhas dele é absurdo pra mim. Aquela animação de abertura de batalha acho que é a maior de toda a série. Nem sou tão fã de action-rpg, mas o 9 abusa da paciência nesse ponto.

 

Tirando a Quina (que pra mim não é ruim não, só não é tão bacana quanto o resto), todos os personagens são memoráveis.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Eu gosto de FF8, os dois primeiros cds achei mt bom. Dps se perdeu.

 

Pior de FF é querer ser FF. Inventar magia de onde n existe. Quando é pra ser, é. Forçar a barra é que leva à palhaçada.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar Agora

×

Informação Importante

Ao utilizar este site, você está automaticamente concordando com os nossos Termos de Uso e regras..