Ir para conteúdo
Reirom

PALMEIRAS CARA

Posts Recomendados

O que parecia inacreditável continua acontecendo no Palmeiras.

 

"Nas contas apresentadas pela diretoria que saiu havia sim uma despesa hilária.

 

Foram gastos R$ 3.000,00 com um cachorro.

 

Só um...

 

Esse cão foi alugado para tomar conta dos troféus que o clube ganhou.

 

Tiveram coragem de apresentar essa conta para o Conselho Fiscal...

 

Como está acontecendo a reforma do Palmeiras para a construção da Arena, várias partes do clube foram deslocadas.

 

E os troféus foram mesmo para uma casa na Vila Madalena.

 

Mas vamos ser justos...

 

Os R$ 3.000,00 não só do aluguel do cão.

 

A alegação é que foram gastos também com ração...

 

Como come esse cachorro, hein?", provoca irônico, o ex-presidente Mustafá Contursi.

 

O Conselho Fiscal do Palmeiras reprovou as contas do ex-presidente Belluzzo.

 

"A história do cachorro é hilária, uma piada do que estamos encontrando.

 

As nossas dívidas devem bater nos R$ 160 milhões.

 

O dinheiro da televisão, da Adidas, que a nova diretoria teria a receber foi antecipado.

 

Um absurdo...

 

O nosso clube foi abaixo, destruído por causa da arena.

 

Só que por falta de planejamento várias áreas foram espalhadas por São Paulo.

 

Estamos pagando fortunas em aluguéis.

 

Um abuso o que fizeram com o dinheiro do Palmeiras.

 

Não digo que haverá uma caça às bruxas, mas essa irresponsabilidade com o dinheiro do Palmeiras será apurada.

 

Espero que não encontremos mais cães que comam R$ 3.000,00 de ração", diz Mustafá...

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Felipão, o periquito-chefe, queima na frigideira do velho Palestra

por José Roberto Malia, colunista do ESPN.com.br

Avalie esta noticia

Bronze

Bronze

Prata

Prata

Ouro

Ouro

| Compartilhe

tamanho do textoDiminuir TextoAumentar Texto25 comentários

Não dá mais para esconder: o periquito-chefe da bola palmeirense, Luiz Felipe Scolari, está sendo fritado. Por jogadores e cartolas comandados pelo cardeal Mustafá Contursi, inconformado com o holerite de R$ 700 mil do ‘sargentão’.

 

Certamente alguns atletas como Lincoln, Valdivia e Kleber não soltariam foguetes se Felipão deixasse o clube agora, mas não esconderiam um sorriso de fazer inveja a garoto-propaganda de consultório odontológico.

 

Já os dirigentes cutucam o treinador de todos os lados a fim de forçar sua demissão e livrar o clube de mais uma pesada multa.

 

Até hoje o Palmeiras contribui mais que satisfatoriamente com a renda mensal de três técnicos rifados na gestão do ex-presidente Luiz Gonzaga Belluzzo: o ‘pofexô’ Vanderlei Luxemburgo, ‘Muriçoca’ Ramalho e Antônio Carlos Zago.

 

A máquina de calcular aponta uma sangria superior a R$ 1 milhão por mês com os três defenestrados.

 

Os cofres palmeirenses não suportariam mais uma rescisão unilateral, já que estão mais vazios que coração de mãe quando filho único vai embora de casa. Ou Congresso Nacional em véspera de feriado.

 

Há quem jure que as contas a pagar no velho Palestra assustariam até Eike Batista, o oitavo homem mais rico do planeta. O mago Valdivia, por exemplo, receberia R$ 800 mil mensais, entre salário, direito de imagem e luvas.

 

Em seu site, o conselheiro e corneteiro Gilto Avallone publicou recentemente alguns números tranquilizadores. Dívidas a curto prazo: FGTS – R$ 938 mil; Imposto de Renda – R$ 4,9 milhões; INSS – R$ 657 mil; bancos – R$ 14 milhões; empresários de atletas – R$ 7 milhões. Que beleza!

 

 

NAO DURA ATE O BRASILEIRO............

 

O mago Valdivia, por exemplo, receberia R$ 800 mil mensais, entre salário, direito de imagem e luvas.

 

ahhuauhaUHUHAUHUHUHUHAUHUHAUHUHUHUHAUHUHUH :D :D :D :D

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

li no outro topico esse salario do valdivia

 

o neymar ganha 500 mil + o marketing

 

sério valdivia nao rendeu nada, é muito $$

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Pelo que sei o Palmeiras ja quitou a divida com os 3 antigos treinadores em dezembro de 2010.

 

Isso de salario nunca saberemos o valor exato, cada um fala um valor diferente, agora o Palmeiras realmente está cortando gastos, esses dias mesmo não pagaram a diaria de hotel de uma médica do time acusando corte de gastos, o que irritou Felipão.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

TOPICO OFICIAL DE MALHAÇÃO

 

DO TIME QUE UM BAMBI MODERADOR MAIS GOSTA DE FALAR MAL

 

 

MAS SE FIZER TOPICO ASSIM PRA ALGO DO SÃO PAULO

 

O MESMO MODERADOR COM O BASTIAO DA JUSTICA DELETA E BANE

 

 

VERGONHA

Editado por zenden zumbi

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Não entendu o fuzuê com a Arena. Desde o início todo o contrato estava estampado na fuça de todo e qualquer torcedor que quisesse ver. Inclusive uma cópia do contrato esteve disponível no clube e aberto para consultas pouco antes de o contrato ser assinado. Quanto aos direitos de concessão, 30 anos é muito, é exagerado. Há o hábito de se dizer que o clube de futebol é poderoso e soberano no Brasil, não acho, considero os clubes bastante frágeis quando se trata de negociar com outros ramos, com o mundo "por fora do futebol", tanto que o próprio futebol não é barganha o bastante para se conseguir um sistema de transmissão e pagamento de cotas semq ue eles se tornem reféns políticos dos meios de comunicação.

 

O contrato não é ideal e nem a ilusão do "Papai Noel chegou, toma de graça e seja feliz", o investimento de uma empresa privada tem esse retorno, a questão das autorizações para atividades ou agendamento soa bizarro, mas é essa a forma que o clube conseguiu para uma modernização sem mamar nas tetas públicas e ao mesmo tempo sem se auto destruir. O tom com que você engole as informações depende exclusivamente do time que você torce.

 

O palmeirense está descofniado, mas sabe que o pior será se a Arena não sair ou se fizermos cara feia. Querem que o palmeirense se oponha a uma forma que escolheram de fazer o clube seguir crescendo, nem tudo são rosas no contrato, mas torcer contra a Arena a essa altura do campeonato é torcer pelo pior. E quem faz isso não é palmeirense. Mas imbecil é o clube se já não estiver estudando formas e brechas para maximizar seu ganho via WTorre na divisão das receitas sobre eventos.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Marvel vivia feito papagaio em areia quente dizendo que a obra nunca começaria... Hoje, com a obra começando vem com papo "DESTRUIRAM TUDO HAHAHA PALMEIRAS CARA". Na cabecinha de Marvel o Palmeiras deveria fazer mágica e de um dia para o outro aparecer com uma Arena para 42 mil pessoas sem transtorno para ninguem. "TUDO É FESTA TUDO É ALEGRIA ARENA LINDA"

 

Dá pena amigos.

 

Mas não existe obra essas fotos são da reforma do Maracanã:

 

http://3vv.com.br/index.php?option=com_k2&view=item&id=4951:imagens-das-obras-no-palestra-it%C3%A1lia-no-fim-de-semana&Itemid=25

 

Sobre os sócios do clube grande merda... Essa porra sempre foi deficitária mesmo, tem é que separar o clube do futebol. Mas só uma coisa que a matéria não informa:

 

O presidente do COF, Alberto Strufaldi, segundo a Folha de S.Paulo, culpa a construção da arena pelo fato de muitos sócios estarem debandando e há dois meses deixando de pagar as mensalidades.

 

Esquece de detalhes fundamentais.

 

Será mesmo por causa da arena ou porque há dois meses esta gestão assumiu a direção do clube? Ou ainda - quem esteve na cobrança sábado e domingo - notou dezenas de sócios reclamando. Muitos não receberam os boletos, fato admitido pelos funcionários como falha do sistema. E como não havendo pagamento o sistema não emite os boletos seguintes, fica o rombo no caixa e na regularidade do pagante

 

A atual diretoria não tem competência de enviar boletos de pagamento, como querem reclamar da falta de pagamento?

 

 

Mais matéria da folha:

 

http://www1.folha.uol.com.br/esporte/888688-palmeiras-tera-que-pedir-licenca-no-seu-estadio.shtml

Palmeiras terá que pedir licença no seu estádio

 

Essa noticia então é pra morrer de rir... Calendário do Brasileirão já ta aí, então é muito fácil ter um planejamento com as datas dos jogos. Amistoso? HAHAHA, quais os últimos amistosos RELEVANTES que os clubes brasileiros fizeram nos últimos anos? E claro que isso de marcar jogo com 120 dias de antecedência é só papel, caso aparecesse uma oportunidade de um amistoso Palmeiras x Barcelona pra semana que vem é claro que a WTorre não questionaria já que ela também ganharia $$$ com o jogo.

 

Sobre algum show... Ué o SPFW já deixou de jogar no Morumbi por causa disso, não vejo problema.

 

E é claro que a WTorre teria que ter muitas vantagens no começo do contrato, afinal quem tá colocando 350 milhões é ela... Com o passar dos anos o Palmeiras vai aumentando o % de receitas até o fim do contrato. Tirando que TODA as despesas com manutenção será por cargo da WTorre.

 

O contrato ficou exposto no clube, foi aprovado no conselho e por uma votação dos sócios e as obras começaram... Toda noticia contra a Arena é plantada pelo grupo do Mustafá (um câncer que quer acabar de vez com o time).

Editado por Porcanjo

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

"O contrato é oneroso para o Palmeiras, ele não foi pensado. O Palmeiras foi preterido em relação a despesas", declarou Arnaldo Tirone, atual presidente do clube.

 

O fato é que, nesses 30 anos, a WTorre será dona da área. Poderá "usar e usufruir do local sem qualquer interferência da proprietária [Palmeiras]", diz o documento.

 

O time será obrigado a jogar na Arena quando for mandante --inclusive em amistosos. A WTorre arcará com os gastos e a manutenção do local, mas o Palmeiras terá de pagar todas as despesas das partidas. Também terá preferência de uso, desde que avise com antecedência.

 

Mas, se a data do jogo mudar e a WTorre já tiver planos para o local, o clube terá de jogar em outro lugar.

 

Mais: se a arena não estiver disponível em um jogo oficial, bastará à WTorre pagar 50% da renda que o Palmeiras obtiver nessa mesma partida em outro estádio.

 

Treinamentos são vetados, a não ser que sejam previstos em regulamento.

 

Ao todo nove imóveis foram cedidos à WTorre por 30 anos --três deles penhorados por causa de dívidas do clube. O contrato prevê que, caso essas dívidas sejam executadas, a empresa poderá liquidá-las e descontar da verba que será repassada mensalmente ao Palmeiras.

 

O clube terá direito apenas a uma parcela de tudo que a WTorre lucrar com a exploração do local. A empresa, por sinal, poderá usar nome e imagem da arena, e até o escudo do Palmeiras atrelado, para obter suas receitas.

 

Francisco Busico, ex-diretor financeiro que assinou o documento com o então presidente Luiz Gonzaga Belluzzo, discorda de Tirone. "Foi um bom negócio para o Palmeiras. Participei e não contesto minha assinatura", diz.

 

Mas faz uma ressalva. "Eu negociaria um prazo menor. Trinta anos é demais. Talvez 25 fosse ideal", afirma ele.

 

O documento também mostra que o projeto seguirá o caderno de especificações da Fifa. Se a entidade alterar esse caderno --fato que deve ocorrer--, o contrato prevê uma "negociação de boa-fé" entre as partes. Mas, para todos os efeitos, a WTorre não será obrigada a alterar o projeto, a não ser que o clube assuma tais gastos extras.

 

A reportagem tentou ouvir a WTorre, sem sucesso.

 

"O contrato é oneroso para o Palmeiras, ele não foi pensado. O Palmeiras foi preterido em relação a despesas", declarou Arnaldo Tirone, atual presidente do clube.

 

O fato é que, nesses 30 anos, a WTorre será dona da área. Poderá "usar e usufruir do local sem qualquer interferência da proprietária [Palmeiras]", diz o documento. :D :D

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

O presidente do Palmeiras, Arnaldo Tirone, disse na manhã desta terça-feira que não tem nenhuma intenção de ouvir os críticos que pedem a paralisação da Arena Palestra. Ele também explicou o que pretendeu dizer ao relatar, em matéria da Folha de S. Paulo de hoje, que "o Palmeiras foi preterido em relação a despesas."

 

"O que acontece é que a W. Torre atrasou as construções dos prédios administrativos. Com isso, precisamos alugar uma série de salas fora do clube, para guardar troféus, por exemplo. Com isso, temos tido despesas. Mas não é certo dizer que a obra vai parar. Posso dizer que qualquer decisão a ser tomada será tomada por mim, pessoalmente. Eu sou o presidente! As decisões não vão ser tomadas pela vontade de algum conselheiro, nem do Mustafá, nem de quem quer que seja. Quem manda é o presidente e sou eu quem vai tomar qualquer decisão."

 

Tirone confirmou o que este blog publicou na semana passada. Que o Conselho de Orientação Fiscal não recomendou a paralisação da obra, mas a consulta de um corpo de advogados para entender se há cláusulas abusivas e, nesse caso, rediscuti-las com a W. Torre. "Quem defende a paralisação da obra dentro do clube precisa entender que isso também pode acarretar problemas para o Palmeiras. A W. Torre poderia acionar o clube."

 

Na manhã de terça-feira, o ex-presidente Luiz Gonzaga Belluzzo contestou a ideia de que o Palmeiras deixa de ser dono de seu próprio estádio. "O que há é um contrato de uso de superfície. Por esse contrato, a W. Torre e o Banco do Brasil financiam a obra. Só que eles não são instituições de caridade e, por isso, têm o direito do uso de superfície." Belluzzo também disse que o seguro da obra, que garante 42% do valor toral, é um dos maiores do mercado. "Quem critica e diz que o seguro é insuficiente não conhece o mercado. É um dos maiores possíveis", diz Belluzzo.

 

Tirone não contesta o tamanho do seguro. Ele diz que a W. Torre deveria apresentar o seguro até o dia 15 de novembro e só fez isso em 15 de janeiro. Por isso, ele questiona com escritórios de advocacia se o atraso invalida a escritura.

 

Está claro que todas as polêmicas envolvendo a Arena Palestra têm origem política. Por exemplo, quando conselheiros acusa o ex-presidente Luiz Gonzaga Belluzzo de ter assinado um contrato que deixa o Palmeiras desprotegido. "Quem assinou o contrato não foi o Belluzzo. Isso aconteceu na gestão Afonso Della Monica", lembra o atual presidente Arnaldo Tirone.

 

É fato. A participação de Belluzzo foi viabilizar o início das obras. Está claro, pela sequência das discussões sobre a Arena Palestra, que se as demolições não começassem no final do ano passado, agora teriam seu início ameaçadas.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
Em dívida com fornecedores, Palmeiras corta impressoras coloridas

 

Clube busca economia em todos os departamentos possíveis; dívida total pode chegar a R$ 150 milhões

 

Pouco mais de um mês após assumir o Palmeiras, Arnaldo Tirone, seus vice-presidentes e diretores seguem no trabalho pesado para corte de custos. E a filosofia tem sido a de economizar nos mais simples atos. Cortar as impressoras coloridas, por exemplo, foi uma das alternativas encontradas pela atual diretoria.

http://esporte.ig.com.br/futebol/em+divida+com+fornecedores+palmeiras+corta+impressoras+coloridas/n1238092387138.html

 

Eu não consigo parar de rir, tá me faltando ar.

 

Palmeiras cara.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

essa situação toda do palmeiras deveria ter sido bem planejada, para nao chegar ao que chegou hoje, palmeiras cara.

 

é bom ver isso para o santos quando construir o seu fazer direito, bom é que o santos vai ter a vila belmiro sempre. Acho que se a gente tiver estádio, será em outro local.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Luiz Gonzaga Belluzzo, ex-presidente do Palmeiras, rebateu as críticas da atual diretoria sobre a reforma do Parque Antarctica. "Se ele [presidente Arnaldo Tirone] achar que está ruim, que discuta com a WTorre. Se tiver um negócio melhor, pode trocar de empresa", disse.

 

Em entrevista à Folha, o economista afirmou que "não aguenta mais" falar sobre o assunto arena. "Espero que a WTorre venha a público para esclarecer isso, pois eu não tenho mais nada a ver com essa história", disse.

 

Por 30 anos, o Palmeiras terá de avisar com antecedência as datas de seus jogos em seu novo estádio. Não poderá treinar na Arena nem mandar nela os jogos do time B ou das divisões de base.

 

Aliás, no campo, qualquer evento do clube que não seja futebol poderá ser vetado. E mesmo um simples amistoso terá de ser comunicado pelo menos 120 dias antes.

 

FOLHA - O contrato assinado com a WTorre é bom para o Palmeiras?

 

BELLUZZO - A WTorre não é dona de nada. O Palmeiras continua proprietária da área e da arena. Quando uma concessionária cuida de uma estrada, ela não fica dona da estrada. Continua sendo do governo. É a mesma coisa. A WTorre é responsável por todas as despesas da arena, e o Palmeiras tem uma participação líquida do empreendimento.

 

Vários conselheiros e parte da atual administração questionam o contrato.

 

Absolutamente todo o contrato foi discutido com todos os conselheiros. O documento foi levado até o conselho, a WTorre explicou as características do contrato. Depois o contrato ficou lá à disposição dos conselheiros. Eu era diretor na época, não assinei o contrato, quem assinou foi o [presidente Affonso] Della Monica. A questão é que se fosse o São Paulo estariam todos celebrando, mas como é o Palmeiras estão todos criticando.

 

Mas a escritura da concessão da área tem a sua assinatura.

 

Sim, mas a escritura é simplesmente o documento que sacramenta aquilo que está colocado no contrato. É o ato final que permite o início das obras.

 

E o senhor participou da elaboração do contrato?

 

Sim, desde o começo, todos nós. Estive presente em todas as negociações desde a primeira reunião. Uma comissão foi criada, e levada o contrato para o conselho analisar.

 

Então todos puderam ver o contrato?

 

Sim. E o principal: o conselho aprovou. Todos iam lá, todos viram o contrato. O pessoal do Mustafá questionou [o contrato], sim. Eles sempre foram contrários. Mas acontece que, na votação final de aprovação do contrato, eles se retiraram! Viram que iam perder e saíram! O contrato aprovado pela maioria.

 

E o contrato pode ser renegociado agora?

 

Se eles quiserem rever o contrato, podem tentar chegar chegar na WTorre e dizer: "queremos rever algumas cláusulas".

 

E em relação ao seguro, que não cobre o valor total da obra?

 

Há um engano grave quanto a isso. Não existe cobertura de 100% do valor da obra neste tipo de contrato. O seguro "performance bond" garante que a obra chegue até o fim. A cobertura do Palmeiras é alta, 40%. As pessoas não tem noção do que falam ou escrevem.

 

A principal reclamação é o tempo do contrato, 30 anos.

 

Dizem que o contrato do estádio do Grêmio é de 15 anos. Mas o Grêmio deu o estádio como garantia. É difícil, neste tipo de negócio você só começa a ter lucro depois de dez, 15 anos. Veja o lado da WTorre: vai desembolar R$ 150 milhões, e ter uma dívida de mais R$ 150 milhões. E não poderá ter remuneração do capital próprio? Vocês, jornalistas esportivos, a maioria de vocês, se confudem com essa história. Parece que a WTorre teria que fazer um ato de caridade. Mas são negócios.

 

Mas o Palmeiras não ficará dependente da WTorre durante os 30 anos?

 

As divisões de base do Palmeiras nunca jogam no Parque Antarctica. O time principal também nunca joga lá. O Palmeiras é obrigado a jogar todos os jogos do campeonato na nova arena pois é preciso valorizar a arena! Você vende cadeira, camarote, então é natural que eles [WTorre] queiram que o Palmeiras jogue lá. É um empreendimento comercial. Então é preciso ter o máximo de liberação possível para a WTorre fazer eventos e o Palmeiras fazer dinheiro.

 

E sobre as críticas do atual presidente, Arnaldo Tirone?

 

É impossível dizer se [o contrato] é mais benéfico ao Palmeiras ou à WTorre. Mas me diga, qual o prejuízo que o Palmeiras terá? A WTorre terá um lucro, e o Palmeiras um ganho líquido. Mas se ele [Tirone] quiser, ele que discuta com a WTorre se é possível rediscutir o contrato. Se ele achar que está ruim, que discuta com a WTorre. Se tiver um negócio melhor, pode trocar de empresa.

 

A WTorre terá o controle total da arena por 30 anos. Caso o Palmeiras entre em litígio com a WTorre, não poderá ser prejudicado?

 

Pode, mas isso pode acontecer em absolutamente qualquer tipo de contrato, com qualquer empresa, de qualquer setor.

 

O senhor teme que as obras sejam paralisadas?

 

Tenho ouvido algumas pessoas falarem isso. Mas só digo que seria um desastre para os dois lados. Só vejo desvantagem paralisar essa obra a essa altura, com o estádio já derrubado. Uma insentatez, um capricho. Pode-se discutir mudanças no contrato sem parar a obra.

 

O senhor tem falado com a WTorre?

 

Não, mas eu adoraria que eles viessem publicamente dar explicações, pois eu já estou cansado de falar sobre isso. Não tenho mais nada a ver com isso. Aliás, se eles [WTorre] soubessem que isso daria tanta confusão, certamente não entraria no negócio tamanho o grau de maluquice e estupidez.

 

 

http://www1.folha.uol.com.br/esporte/88910...bre-arena.shtml

 

 

 

xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx

 

 

A Folha de hoje, publicou matéria com o título CONTRATO ENTRE PALMEIRAS E WTORRE PARA ERGUER A ARENA PALESTRA REVELA COMO O CLUBE, POR TRÊS DÉCADAS, TERÁ DE DIVIDIR DECISÕES COM A CONSTRUTORA.

 

 

 

Tanto o título quanto seu conteúdo tendem a um lado sensacionalista, levando o leitor a interpretar que este foi o pior negócio do século. Ele mostra as obrigações, mas não mostra os direitos. Pior ainda: a matéria não mostra as vantagens e receitas que a SE Palmeiras terá com o projeto. Nem enfatiza que a empresa parceira e sócia do empreendimento está colocando na frente, antes de entrar qualquer receita, a bagatela de R$ 360 milhões.

 

 

 

Mas vamos rever a matéria e comentar, na ordem em que o texto foi colocado.

 

 

 

1. Por 30 anos, o Palmeiras terá de avisar com antecedência as datas de seus jogos em seu novo estádio.

 

3VV: é verdade. Qual o problema nisso? Aliás, bem vindo ao mundo do planejamento. Ou um amistoso é agendado com quanto tempo de antecedência? 2 dias? É como agendar um casados e solteiros?

 

 

 

 

 

2. Não poderá treinar na Arena Palestra nem mandar nela os jogos do time B ou da base. Aliás, no campo, qualquer evento do clube que não seja futebol poderá ser vetado. E mesmo um simples amistoso terá de ser comunicado pelo menos 120 dias antes.

 

 

3VV: Uma arena multiuso é um equipamento esportivo que precisa ser rentabilizado. Time B é algo que nem deveria existir, quanto mais usar um equipamento que deve trazer retorno substancial ao clube. As categorias de base costumam jogar em campos menores, em outros espaços. Nunca se priorizou o Palestra Itália para elas. Por que teria que ser priorizado agora?

 

 

 

3. Essas são apenas algumas das cláusulas do contrato que o Palmeiras assinou com a WTorre, empresa que iniciou a reforma do estádio, em julho do ano passado. A Folha teve acesso à escritura de concessão de uso do Parque Antarctica, documento que, em 50 páginas, detalha os meandros da negociação. São esses os detalhes que preocupam conselheiros e a nova diretoria.

 

 

3VV: A escritura de concessão é um documento público, disponível no 2º Oficial de Registro de Imóveis de SP. É só pagar R$ 33,34 e solicitar uma certidão dessa matrícula. Ou seja, nada a esconder. Além disso vale reler a resposta no item 9.

 

 

 

4. A reportagem apurou que há um batalhão de advogados , de diversos escritórios analisando o documento.

 

 

 

 

3VV: São dois escritórios de advocacia. O de Marcelo Terra (Duarte Garcia, Caselli Guimaraes e Terra) que foi contratado na gestão Della Monica para assessorar o Palmeiras na transação.

 

Eles participaram ativamente na elaboração do documento, defendendo os interesses do Palmeiras.

 

Marcelo Terra é um dos maiores nomes do direito imobiliário brasileiro e o Dr. Mario Sergio Duarte Garcia, foi por muitos anos presidente da OAB. Trata-se de uma das melhores bancas do Brasil.

 

Há ainda, de acordo com o Presidente Tirone, seu advogado pessoal, que está analisando o contrato. Claro que os advogados da WTorre também têm acesso ao documento. Mas parece que outros advogados, provavelmente nas suas horas vagas, estejam debruçados no documento procurando algo...

 

 

 

 

 

5. “O contrato é oneroso para o Palmeiras, ele não foi pensado. O Palmeiras foi preterido em relação a despesas”, declarou Arnaldo Tirone, atual presidente do clube.

 

 

 

3VV: O Presidente Tirone - se realmente falou isso - se enganou. O contrato tem direitos e obrigações. Há que se regular estes direitos e obrigações de forma a criar um equilíbrio no relacionamento. O investidor coloca R$ 360 milhões. Ele precisa de garantias para obter o retorno do seu investimento. Lembrando que o Palmeiras também ganha com essas práticas, onde uma delas é rentabilizar a Arena. Para entender melhor sugiro ler a resposta ao item 9 deste post.

 

 

 

 

 

6. O fato é que, nesses 30 anos, a WTorre será dona da área. Poderá “usar e usufruir do local sem qualquer interferência da proprietária [Palmeiras]“, diz o documento. O time será obrigado a jogar na Arena Palestra quando for mandante inclusive em amistosos. A WTorre arcará com gastos e manutenção do local, mas o Palmeiras terá de pagar todas as despesas das partidas. Também terá preferência de uso, desde que avise com antecedência.

 

 

 

3VV: Apuramos junto a João Mansur, um dos mentores do projeto, que o prazo inicial proposta era de 20 anos, com 7 anos de carência para o clube (ou seja, durante os 7 primeiros anos o Palmeiras não receberia um real das receitas obtidas). Passou-se para 30 anos porque os dirigentes da época forçaram que o Palmeiras deveria ter receitas desde o primeiro dia de operação. Quanto a crítica a "ser obrigado a jogar no seu estádio", parece um contra-senso. O Palmeiras é "obrigado" a jogar no seu estádio? Onde o jornalista sugere que o Palmeiras deveria jogar. No Morumbi?

 

 

 

 

 

7. Mas, se a data do jogo mudar e a WTorre já tiver planos para o local, o clube terá de jogar em outro lugar. Mais: se a arena não estiver disponível em um jogo oficial, bastará à WTorre pagar 50% da renda que o Palmeiras obtiver nessa mesma partida em outro estádio.

 

 

 

3VV: Se o clube tiver que mudar de local, ele receberá a renda da partida, mais 50% da WTorre e ainda terá a receita de um eventual espetáculo que vai ocorrer. Ou seja, ganhará dinheiro por mudar de estádio. Recentemente o SPFC deixou de jogar no Morumbi para um show ou um evento religioso. Jogou em Barueri. E ningúem fez barulho. Essa é a vida de quem tem uma arena multiuso.

 

 

 

 

8. Treinamentos são vetados, a não ser que sejam previstos em regulamento.

 

 

 

3VV: Para que temos um centro de treinamento?

 

 

 

9. Ao todo nove imóveis foram cedidos à WTorre por 30 anos - três deles penhorados por causa de dívidas do clube. O contrato prevê que, caso essas dívidas sejam executadas, a empresa poderá liquidá-las e descontar da verba que será repassada mensalmente ao Palmeiras. O clube terá direito apenas a uma parcela de tudo que a WTorre lucrar com a exploração do local. A empresa, por sinal, poderá usar nome e imagem da arena, e até o escudo do Palmeiras atrelado, para obter suas receitas.

 

 

 

3VV: O cessionário - ou seja, a SEP - tem seus direitos reais estabelecidos pela legislação vigente, ou seja, o estatuto das cidades, que regula este tipo de instrumento. A contrapartida para a cessão da superfície é dada por duas formas:

 

 

 

 

a. A primeira estimada em R$ 45 MM através da construção de dois edifícios (poliesportivo e administrativo), além de outras amenidades como vestiários das piscinas, saunas, e reformas e paisagismo nas áreas adjacentes;

 

b. A segunda através da participação sobre a RECEITA LÍQUIDA (Palmeiras não participa dos impostos) do projeto imobiliário, divididos em duas famílias, sendo a primeira família de receitas patrimoniais (naming right, sector right, suplly right, cadeiras e camarotes) e a segunda família de receitas denominada operacionais (locação da arena, locação do centro de convenções, lojas, restaurantes, lanchonetes, estacionamento, ...); em post publicado pelo 3VV na época calculamos o aumento patrimonial e de caixa de R$ 1 bilhão em 30 anos.

 

 

 

Mais ainda: o projeto original da gestão anterior à do Presidente Della Monica, previa 7 anos de carência e 25 anos de parceria sobre o RESULTADO, ou seja, a SEP iria incorrer no RISCO do negócio. No presente formato, a SEP hoje participa da RECEITA, sem nenhum tipo de RISCO. O Plano de Negócio foi apresentado ao conselho deliberativo da SEP em 30 de Junho de 2008, inclusive comparando as premissas originais da SEP e o plano de negócios fechado com a WTORRE. O CD aprovou. O COF aprovou. A Assembleia de Sócios aprovou.

 

 

 

 

 

10. O documento também mostra que o projeto seguirá o caderno de especificações da Fifa. Se a entidade alterar esse caderno -fato que deve ocorrer-, o contrato prevê uma “negociação de boa-fé” entre as partes. Mas, para todos os efeitos, a WTorre não será obrigada a alterar o projeto, a não ser que o clube assuma tais gastos extras.

 

 

 

3VV: Esse pode ser um tema a ser questionado. Em 30 anos a FIFA pode alterar bastante seu caderno de encargos e sem a obrigatoriedade da WTorre em alterar o projeto, podemos chegar em 2040 com um Arena com alguns gaps em relação ao padrão FIFA. De qualquer forma, a WTorre deve ter exigido essa cláusula imaginando a obrigatoriedade, por exemplo, de se cobrir o estádio. Ou seja, a gestão da Arena será voltada para sua rentabilização. Se um projeto de melhoria não trouxer o devido retorno, não tem business case que o defenda. Do lado do Palmeiras, a importância de ser uma Arena FIFA estava associada a 2014, ano da Copa do Mundo e principalmente ano do seu centenário.

 

 

 

CONCLUSÕES; CONCLUSÕES?

 

 

 

Querer tirar alguma conclusão deste imbróglio todo é ser muito atrevido. Mas parece óbvio que a oposição ao projeto começa a se preocupar com as obras caminhando e a previsão de entrega dos prédios administrativo e poliesportivo para o final do ano. Começa a ficar sem argumentação.

 

 

 

A primeira crítica era falta de projeto aprovado.

 

Depois veio a crítica que a empresa parceira iria quebrar.

 

A crítica seguinte era que a obra não começava.

 

A próxima crítica dizia respeito ao seguro de performance.

 

Agora, com obra avançando e o tema do seguro se esvaziando, bate-se no modelo de negócios.

 

 

 

 

 

Porém cabe uma crítica sim à WTorre: a falta de um processo de comunicação estruturado leva a esses mal entendidos. Jornalistas querem notícias. Se apenas um lado dá a notícia, e o outro se esconde, não se pode reclamar apenas do veículo. Falta um processo estruturado de comunicação, com todos os públicos de interesse - sócios, conselheiros, torcida, imprensa, vizinhança do Palestra.

 

 

 

Sem esse processo e com o fogo "amigo" que existe dentro da SEP, todos ficam expostos. A marca Palmeiras, a marca WTorre, o projeto Arena. E de alguma forma isso afeta a performance comercial de venda de propriedades (naming, supply, e "other" rights da arena).

 

 

3vv

 

xxxxxxxxxxxxxxxxxx

 

 

 

Palmeiras cara.

Inveja cara.

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar Agora

×

Informação Importante

Ao utilizar este site, você está automaticamente concordando com os nossos Termos de Uso e regras..