Ir para conteúdo

Pesquisar na Comunidade

Mostrando resultados para as tags ''Survival horror''.



Mais opções de pesquisa

  • Pesquisar por Tags

    Digite tags separadas por vírgulas
  • Pesquisar por Autor

Tipo de Conteúdo


Fóruns

  • Players
    • Consoles
    • Tecnologia & Hardware
    • Retro Players
    • RPG
  • OFF Topic
    • Geral
    • Esportes
    • Animes
    • Cinema, TV & Música
    • Rolos
  • Cerveja's Tópicos
  • Política.'s Tópicos

Encontrar resultados em...

Encontrar resultados que contenham...


Data de Criação

  • Início

    FIM


Data de Atualização

  • Início

    FIM


Filtrar pelo número de...

Data de Registro

  • Início

    FIM


Grupo


Playstation Network


XBOX Live


Nintendo Switch


Local


Interesses

Encontrado 2 registros

  1. ragecom

    [PS3] Resident Evil: Operation Raccoon City

    Comprei, zerei e vim fazer um breve review. Não farei spoilers. Esse é um review apenas da parte offline do jogo. O enredo do jogo é hipotético, porém se passaria no meio dos acontecimentos de RE2 e RE3. Raccoon City está no meio do apocalipse zumbi e a Umbrella manda uma unidade de mercenários para lá destruir as provas que ligam a catástrofe à empresa. Você controla um destes mercenários. Mais do mesmo... Ou não... Mas a certeza é uma só: quem sabe? Existem seis mercenários para se escolher e entre cada missão você pode trocar entre um e outro. Ao todo a sua unidade (que se chama Wolfpack) conta com quatro mercenários (você mais três bots), todos à sua escolha. A especialidade de cada um é diferente - você pode escolher ter na sua equipe um médico, um cientista, um assault, etc. Quando alguem da sua equipe morre, você pode revivê-lo chegando perto e segurando X. Você pode fazer isso quantas vezes quiser, então na prática a única pessoa com quem se preocupar é sempre você mesmo. Desde RE5 todos choram pelo rumo que a série tomou, abandonando totalmente o gênero survival horror que a série possuia até RE: Code Veronica. RE: Operation Raccon City só aumenta esse choro. Basicamente é um shooter de zumbis no enredo RE que cairia muito bem em arcades se eles ainda existissem. Os controles deixam a desejar. A RAT0Sência que se tem, por exemplo, em Uncharted para se colocar atrás de pilares para evitar tiros não se tem em RE: Operation Raccon City. Muitas vezes, explorando o ambiente, você apenas quer chegar perto de uma parede para investigá-la e acaba a usando como trincheira sem querer. Mas na verdade não há muito o que investigar e explorar. Não existem itens, puzzles, chaves, nada disso. O jogo é linear como um Call of Duty e talvez a maior diversão para os fãs da série seja revisitar locais passados em RE2 e RE3, e eventualmente encontrar seus personagens em um contexto imaginário fora da série. É possível trocar de arma quando são encontradas no mapa, mas é ai os controles viram uma tortura peniana: quando um companheiro morre e você vai revivê-lo, sempre ao lado do corpo está a arma dele, então em muitos casos você acaba pegando a arma do chão sem querer E PORQUE VOCÊ IRIA QUERER A ARMA DO SEU COMPANHEIRO MORTO PRA COMEÇO DE CONVERSA, SE VOCÊ PODE SER ELE DEPOIS DE CADA MISSÃO? Ai você vai, troca a arma de novo (pega a sua e deixa a do companheiro morto no chão), vai revivê-lo e.............. PEGA A ARMA DO PUTO DE NOVO PORQUE O BOTÃO DE PEGAR A ARMA É O MESMO DE REVIVER. O inventário não existe mais: só se pode carregar uma arma primária (fuzil ou algo assim), uma pistola, três granadas de cada tipo (incendiária, HE ou de impacto), um anti-viral spray e um green spray. Se você passar por um green spray sendo que você já tiver um no inventário, chore: você precisará usar o que tem logo pra não deixar o outro para trás. As green erbs encontradas no caminho também só podem ser utilizadas na hora - não podem ser carregadas. Eventualmente quando você é atacado por um zumbi você é contaminado pelo t-virus. Ai entra o anti-viral spray. Uma vez infectado, a sua energia vai diminuindo gradativamente até que você vira zumbi e game over. Os seus bots também podem virar zumbis. Se isso acontecer você terá que matá-los, mas logo em seguida você pode revivê-los rapidamente segurando X e eles voltam ao normal (facepalm total). Os inimigos são variados. Além dos zumbis e BOWs (incluindo tyrants) estão os spec ops enviados pelo governo. Então existem partes do jogo onde você troca tiros com os spec ops como Call of Duty, e existem momentos em que simplesmente você fuzila zumbis como Left 4 Dead. E falando em Left 4 Dead, os zumbis de RE: Operation Raccon City são rápidos, e isso dá uma melhorada no meio dessa zona toda que se passa. Uma outra novidade é que às vezes quando se é atacado você começa a sangrar e isso atrai uma horda de zumbis sanguinários atrás de você. Munição não é problema. Geralmente em locais onde tenham muitos inimigos também tem caixas de munição - quase nunca é necessário fugir. Na verdade é até mais divertido ficar e meter bala em tudo que se mexa. Basicamente é um jogo de ação, mas que não convence como um jogo da série RE. Os gráficos são muito bons. Os mapas são cheios de detalhes e a animação dos models também é muito boa. Pena que quase não é possível iteragir com o ambiente. Os models são muito bem feitos, mas são poucos. É comum matar, por exemplo, uma zumbi de calça jeans e cabelo castanho e logo em seguida o mesmo model aparecer de novo. Isso quando não aparecem dois ou três models iguais ao mesmo tempo. Para as graphic whores o jogo parecerá bom, mas para quem espera um mínimo de exploração será péssimo. Screenshot. Belos visuais Resumindo... Se você jogar completamente descompromissado com o nome de peso que é Resident Evil, em alguns momentos o jogo será um ótimo shooter de zumbis. Agora, se você é viúva dos anos áureos da série, passe longe. RE: Operation Raccoon City está muito mais próximo de RE5 do que qualquer outro jogo da série. Metacritic: 52/100 Nota Rage: 6,5/10
  2. ragecom

    [Wii] Calling

    O ano era 2010. Eu tinha comprado um Wii no ano anterior e vim da geração PS2. Havia jogado bons survival horrors na geração passada, havia acabado de zerar Shattered Memories (que foi a razão de eu ter comprado um Wii pra começo de conversa) e estava seco por mais. Foi ai que anunciaram Calling. Gimme my fucking money back!!! Não sou muito de terror jap, mas os traillers da época eram impressionantes. Assustador de verdade! Então cai na maior burrice que alguém pode fazer: comprei um jogo totalmente underground na semana de lançamento antes dos reviews sairem. Quando o jogo chegou pelos Correios os reviews já tinham saido... E eu meio que já sabia a merda que eu tinha comprado. Mas quando comecei a jogar, achei incrível! Achei original, a imersão que o Wiimote causa foi algo que eu nunca havia experimentado num survival. Em Calling o Wiimote toca e você o atende como se fosse um telefone, inclusive os fantasmas falam com você ao telefone pelo speaker do Wiimote. Ótima idéia! Durante os 10 primeiros minutos de jogo eu achei que estava jogando o novo Fatal Frame! Tudo parecia incrível e original! A forma como os fantasmas apareciam, a evolução da história... Tudo ia muito bem até que...................... Os 10 primeiros minutos passaram. O jogo queima todos os cartuchos na primeira fase. A partir dai é só merda. É seguir gato para achar saidas, chacoalhar o Wiimote para se livrar de fantasmas como se estivesse jogando Samba de Amigo, correr por corredores sem fim com um mapa praticamente inútil e sendo seguido por fantasmas que você não pode matar e não desgrudam de você de forma alguma, impedindo que você explore o maldito ambiente. Existe uma missão inclusive que você tem que discar um número no telefone para escapar sendo atacado por 3 fantasmas ao mesmo tempo. SÓ QUE CLARO QUE QUANDO ALGUM FANTASMA TE ATACA O TECLADO ZERA E VOCÊ TEM QUE DIGITAR TUDO DE NOVO O MAIS RÁPIDO POSSÍVEL ANTES QUE ALGUM FANTASMA FILHO DA PUTA TE AGARRE E ZERE A PORRA DO TECLADO DE NOVO. Isso sem contar as inúmeras coisas que você tem que fazer com uma jogabilidade PORCA, praticamente sem mapa, sem saber onde os fantasmas irão aparecer, sem nenhuma pista do que fazer, procurando MILIMETRICAMENTE itens pelo mapa porque eles são MINÚSCULOS e não há NENHUMA INDICAÇÃO de onde eles possam estar, sem porra nenhuma. Muitas vezes você é atacado por um fantasma duas vezes seguidas! Ou seja, você joge do fantasma, o puto aparece na sua frente de novo não te deixando andar nem um passo a fim de explorar o maldito hospital/escola/casa/seja lá qual for o ambiente. Isso sem contar as INÚMERAS VEZES que você está chacoalhando a porra do Wiimote e o filho da puta não desgruda de você, COMO SE O CONTROLE SIMPLESMENTE NÃO FUNCIONASSE E VOCÊ ACABA MORTO DE SUSTO (SIM, É ASSIM QUE O JOGO MEDE A SUA ENERGIA: PELO "SCARE METER") tendo toda a sua energia sugada pela glande. Eu estou esgotando muito esse tema da jogabilidade, mas é algo que só você jogando mesmo pra ter noção do quão ruim aquilo é. Não posso sequer descrever com palavras. Whoa... Sinistro... O jogo beira o injogável. Eu zerei as maiores MERDAS de PS3 contando Wolfenstein, COD 3, Duke Nukem Forevis e Enemy Territory: Quake Wars. Mas Calling é muito, mas muuuuuuuuuuuuuuuuito abaixo desse nível. Eu já joguei muita merda na minha vida mas com certeza Calling foi um dos piores. Pior jogo de Wii fácil. A história não poderia ser mais clichê: pessoas entram num site proibido, recebem ligações telefônicas fantasmagóricas e acordam no meio de um mundo dominado por poltergeists. Sim, consegui contar o enredo do jogo em uma linha e meia. No mais a história se divide em quatro personagens presos neste mundo, cujas histórias forçadamente acabam se entrelaçando, uma vez que os personagens VIAJAM DE UM AMBIENTE PRA OUTRO ATRAVES DA LIGAÇÕES TELEFÔNICAS. Enfim... Sei que quase ninguém comprou ou jogou essa merda. O review é quase um desabafo lol Metacritic: 49/100 Nota Rage: 2/10
×

Informação Importante

Ao utilizar este site, você está automaticamente concordando com os nossos Termos de Uso e regras..