Ir para conteúdo

Ganimedes

Membros
  • Total de itens

    1.757
  • Registro em

  • Última visita

Reputação

572 Excelente

Sobre Ganimedes

  • Rank
    Chapa

Últimos Visitantes

O bloco dos últimos visitantes está desativado e não está sendo visualizado por outros usuários.

  1. Ganimedes

    Sobre qualquer coisa que eu decidir dizer no momento.

    É confiável confiar em alguém do qual as razões de agir de tal ou qual maneira nos escapam?
  2. Ganimedes

    ORIENTAÇÕES DE BASE

    É risível porém calcado em premissas totalmente tortas e difíceis de deslindar numa simples abreviação. Seria necessário uma penetração maior no universo, não do conteúdo em si mesmo, mas no "estrutural" das premissas; não falo de estruturalismo ou transcendentalismo, mas uma construção eidética que imponha certa evidência no conteúdo lógico do sujeito. O problema maior é tudo residir no concreto, ou na "concretude". Linguagem vinculada ao sentir, quando o sentir se atém ao que há de verme e pardal na humanidade humana auto-proclamada. Eu tava quebrando a cabeça pra entender sobre a deliberação e a fantasia de deliberação (não do louco, mas do político, ou do homem prático), e descobri que o erro reside mesmo na idéia olaviana que fantasia e memória são sinônimos (quando na verdade são entidades muito bem distintas e diferenciadas em qualquer operação intelectual). Daí a questão de método fica muito mais simples. . Nem vi nem verei Joker. Tenho simpatia pelo cara que se matou, mas fora isso não vejo nada que não tenha visto (no pouco que li) da literatura pulp fiction no geral. Só com um recheio de heróis e vilões.
  3. Ganimedes

    Sobre qualquer coisa que eu decidir dizer no momento.

    Ao contrário do que "Olavo" disse, Aristóteles distingue muito bem o que é fantasia e o que é memória.
  4. Ganimedes

    Sobre qualquer coisa que eu decidir dizer no momento.

    "delírios" da convivência social, kantismo na prática social não se costuma usar o "delírio" (que Deleuze assume como realidade, problema dele) para fins de conhecimento existe sempre um a priori para o que é expresso, para o "delírio" que só pode e só deve se consumar, pois este é o seu fim, como conhecimento
  5. Ganimedes

    Sobre qualquer coisa que eu decidir dizer no momento.

    a racionalidade se torna um centro relativo em kant, cujo teor é crítico e "demonstrativo" do começo até o fim a demonstração pode ser lógica (ou analítica) mas também é entimema a analítica apenas dá ao conhecimento uma forma mais permanente a tópica pode ser insuficiente em muitos pontos, enquanto ciência, mas os princípios da generalidade estão ali embutidos com um verdadeiro poder intelectual quer dizer, numa verdadeira "construção" não de uma racionalidade de idéias, mas de universalidade nos princípios o aristotelismo ainda é uma doutrina válida e eficiente; ele não usa prerrogativas morais/ racionais para construir éticas do pensamento do que se deve pensar ou deixar de pensar, e justamente não possui as limitações internas de um sis-tema o ser na afirmação e na negação eu entendo mais como "emergência" do que como "desvelo" emergência do ser, manifestação na consciência, ausência de estrutura a priori e livre descoberta fora da auto-hipnose dos transcendentais
  6. Ganimedes

    Sobre qualquer coisa que eu decidir dizer no momento.

    o kantismo impõe tantas limitações à consciência e examina a racionalidade de maneira tão precária, que é praticamente impossível dialogar com kantianos sem que este imponha aquele limitações morais pautadas na mera possibilidade de consciência o conceito de substância já foi precarizado por Spinoza, e agora a racionalidade se torna algo praticamente impossível de se conceber fora da esfera limitadíssima do pensamento kantiano
  7. Ganimedes

    Sobre qualquer coisa que eu decidir dizer no momento.

    O problema é ter que admitir valores que só funcionam por atribuição eu creio que o conhecimento examine atributos, e não valores. ele atribui, certamente, qualidades ao que examina, mas essa qualidade só é real quando o conhecimento é ausente de valor pelo que eu entendi, eu tenho que, no kantismo, axiologizar os conceitos (ou tratar dos conceitos não puros) para intuí-los na imaginação eu posso atribuir valor ao que eu quiser, na minha vida; para jogos, para mulheres, trabalhos, etc mas essa atribuição fatalmente irá acabar se tornando o seu contrário: do valor ao anti-valor, ou melhor dizendo, ao valor contrário não creio que "e viu que era bom" do gêneses seja um valor, porque bom não necessariamente precisa ser um valor; bom é um critério de escolha; valor está mais associado à atribuição de sentimentos à coisas não-sentimentais, com o objetivo de transcender, num primeiro momento, a negatividade do objeto; mas também pode ser uma vontade legítima superar a qualidade imediata do valor a realidade pode ser tomada como um valor mas ela existe objetivamente, sem que ninguém precise atribuir valor à este ou àquele elemento de realidade
  8. Ganimedes

    Sobre qualquer coisa que eu decidir dizer no momento.

    eu, sinceramente, preferia ter nascido órfão ter mãe e pai é algo que não consigo lidar duas pessoas que não servem nem para orientação na vida, não servem para absolutamente nada e nunca fizeram diferença alguma na minha vida a não ser me puxar pra trás, me rebaixar ao nível que eles estão fazer de conta que ama quando na verdade controla o outro como uma manipuladora, fazer de conta que entende quando na verdade busca a satisfação de encontrar uma própria voz em mim, quer ver a desgraça, quer ver o fracasso, por uma satisfação diabólica e inútil, é alheio à qualquer sucesso ou fracasso de minha parte, eis o que é mãe e pai: castração e azar, derrota compulsória, impossibilidade de ser o que se quer, quando tudo é reduzido a uma cultura inferior, uma cultura do fracasso, acho que é por isto que Ibsen, o "grande demagogo", se afastou dos pais, família quase sempre é uma influência perversa na vida do indivíduo
  9. Ganimedes

    Sobre qualquer coisa que eu decidir dizer no momento.

    eu não vejo como pode ser a moral um início de uma carreira filosófica; Descartes começa pela moral, Spinoza pela moral, Kant pela moral e acabamos não compreendendo o que realmente nos escandaliza no uso da moral/ razão as limitações da razão não estão prescritas na lei; mas limitar uma razão pela ameaça é da constituição mesma da lei não creio que o conceito de natureza pós-spinoza seja muito claro para ser usado à torto e a direito assim como a sociedade, segundo Balzac, é "uma natureza dentro de uma natureza", assim também a sexualidade se modelou nas famílias pós-freud como uma "natureza", e como algo "natural" pela sua simples existência o que é errado
  10. Ganimedes

    Sobre qualquer coisa que eu decidir dizer no momento.

    o conhecimento só pode ser aquilo que a coisa é, sem nenhum acréscimo de virtude ou valor virtudes positivas, o que seriam? positivo é o que afirma uma existência, mas a existência é sobre todas as coisas um valor de convenção porque existe obsessivamente, é uma potência
  11. Ganimedes

    Sobre qualquer coisa que eu decidir dizer no momento.

    o conhecimento também não pode ser uma construção nem uma destruição; não pode ser contato e não tem raíz, no sentido socrático, na experiência; ele também não pode ser negativo, mas também não afirma positividades; também não pode ser "luz" nem "sombras", nem "sol", nem "estrelas", mas é outra coisa o que é o conhecimento?
  12. Ganimedes

    Sobre qualquer coisa que eu decidir dizer no momento.

    no fundo, essa que é a verdade: "Só há um bem: o conhecimento. E um mal: a ignorância." mas é uma coisa que eu me pergunto agora: o que é o conhecimento? se ele for um valor ou uma "virtude", não pode ser conhecimento; e mesmo que "fosse" uma neutralidade, há a alternativa; e mesmo se eu afirmar a existência como o valor supremo, no que reside o valor da existência se não na sua presença aflitiva e coercitiva? a existência no corpo é mais ou menos como uma fatalidade relativa, que só é fatal quando expressa em termos de fatalidade
  13. Ganimedes

    Sobre qualquer coisa que eu decidir dizer no momento.

    por mais que eu tente, por mais que eu me esforce, não consigo ter uma moral, não consigo me decidir moralmente, tudo me parece absurdo, inclusive a contra absurdidade eu realmente não sei o que fazer
  14. Ganimedes

    Sobre qualquer coisa que eu decidir dizer no momento.

    acho bobagem quando se tem uma religião que é uma espada voltada contra a própria cabeça ou qualquer coisa que nos aflige desde fora, desde uma instância que não nos pertence e que não está sob o nosso domínio não me interessa a "realidade" ou qualquer palavra de ordem formadora de mentalidade ou seja, de ignorância sobre algumas coisas e sabedoria sobre outras, se a sabedoria não é total não é sabedoria, agora, doutrinar mentes a pensarem contra o próprio interesse, induzindo-as à passividade quanto a coisas que ela precisa lidar, eis a covardia do nosso século, eis a nossa incapacidade humana de lidar com a liberdade alheia estigmatizada na abertura compulsória do mundo interior de cada um para uma participação demente em vantagens suicidas, que apontam contra os nossos anseios fundamentais: liberdade de consciência, liberdade de pensamento, e também liberdade para formar a própria mente como se queira, ou, principalmente, para não formá-la, deixá-la informe e natural, tal como muitos não adestram os cães, tal como a natureza humana deve seguir
  15. Ganimedes

    Sobre qualquer coisa que eu decidir dizer no momento.

    eu não sou burro, portanto, não preciso de orientação agora, sou pobre, e preciso de grana não posso me tratar do mesmo jeito que as outras pessoas porque as necessidades são diferentes e as pessoas são diferentes eu acho que é mais interessante tratar todo mundo por igual mas ter um cuidado mais específico com a gente mesmo que é com quem a gente se relaciona mais de perto mais do que mulher e filho mais do que família mais do que sociedade bobagem achar que o que eu preciso é o que as pessoas precisam eu acredito que Bubber esteja certo em dizer que só existe um Eu e um Tu, um tu universal e indiferenciado e um eu diferenciado e específico para cada momento da vida é preciso cuidar de si mesmo, não nos é permitido em hipótese alguma negligenciar a vida, por mais motivos cristãos que se tenha, ou de qualquer religião de natureza essencialmente "transcendentalista"
×

Informação Importante

Ao utilizar este site, você está automaticamente concordando com os nossos Termos de Uso e regras..