Ir para conteúdo

Sonymaster

Membros
  • Total de itens

    470
  • Registro em

  • Última visita

Reputação

107 Excelente

Sobre Sonymaster

  • Rank
    Jogador de Videogame das décadas de 1980/1990.
  • Data de Nascimento 29-10-1979

Informações do Perfil

  • Sexo
    Masculino
  • Local
    Pernambuco

Últimos Visitantes

495 visualizações
  1. Sempre gostei de jogos de nave, por isso sempre fico buscando para colocar na biblioteca do Mega. Valeu a dica.
  2. Sonymaster

    Anos 80! As vozes da nostalgia.

    Cara essa Marisa Leal não tem como nem disfarçar é perceptível demais a voz dela, sessão da tarde total, mostro logo dois atores que ela dublou com certeza.
  3. O gênero Shoot ‘m Up (shmup para encurtar), carinhosamente conhecido por aqui como “jogos de navinha“, tiveram os seus dias de glória nos anos 80/90, sendo que o Mega Drive foi a casa dos melhores games desse estilo, que caiu perfeitamente no console e seu hardware, que permitia jogos velozes e super fluídos, mesmo com a tela abarrotada de inimigos, algo que o Megão fazia com os dois pés nas costas e uma mão amarrada (diferente do seu principal rival). Compostos em sua maioria por jogos espaciais futuristas, o gênero era bem popular na época tanto nos arcades como nos consoles caseiros posteriormente. Além de excelentes conversões dos saudosos fliperamas, o Mega Drive contou ainda com vários títulos exclusivos que faziam a festa dos seus fãs. Provavelmente nenhum console ganhou tantos jogos desse estilo como o 16 Bits da Sega, e nós trazemos aqui cinco títulos memoráveis para relembrar, mas fiquem a vontade para nos dizer os seus favoritos na parte dos comentários! Partiu mandar bala? Thunder Force IV A série “Thunder Force” ganhou três ótimos títulos no Mega Drive, sendo que a obra-prima foi “Thunder Force IV”, lançado em 1992 e considerado um dos melhores shooters da geração 16 Bits! Neste novo episódio, que continua a narrativa dos games anteriores, o jogador controla a nova e poderosa nave Fire Leo 4 “Rynex”, com a missão de destruir as forças espaciais malignas conhecidas como Vios. São 10 fases dos mais variados e belíssimos visuais, composto por planetas, espaço, embaixo da água, desertos, ruínas, fortalezas, entre outros. Além dos gráficos maravilhosos, a Tecnosoft caprichou também nas músicas, com uma trilha sonora rock n roll poderosa, uma das melhores que já surgiu no Mega Drive. Um jogo simplesmente imperdível para os fãs do gênero! Gaiares Outro título que está sempre no topo dos preferidos dos fãs, “Gaiares” foi lançado pela Telenet/Renovation em 1990 e com certeza marcou uma geração de jogadores com seus gráficos coloridos, dificuldade elevadíssima, inimigos ocupando metade da tela e músicas pra lá de detonantes. Além disso tem como destaque uma história bem elaborada (para o gênero), com uma longa abertura em estilo anime que se passa no ano de 3008, quando um grupo terrorista intergaláctico conhecido como Gulfer está planejando invadir a Terra e usar como base militar para atacar outra raça, os Leezaluth, que pede a ajuda dos terráqueos para combate-los – e se não puderem, eles pretendem transformar o nosso Sol em uma super-nova para destruir a Terra e acabar com os planos dos Gulfer. Que encrenca heim? Agora a última esperança dos humanos é que seu melhor piloto, Dan, com a ajuda da Leezaluth Alexis, comande a nave equipada com o sistema TOZ, uma tecnologia super avançada capaz de “absorver” as características das armas dos inimigos, e acabe com gigantesca frota espacial inimiga. Gleylancer Talvez alguns gamers nunca tenham ouvido falar de “Gleylancer”, que infelizmente foi lançado apenas no Japão em 1992 pela NCS/Masaya e que possui todos os elementos que podem agradar um fã dos shmups. Assim como Gaiares, ele conta com cenas de anime para narrar a história, que tem como protagonista a bela piloto Lucia Cabrock, novata na academia espacial. O ano é 2025 (nem está tão longe assim) e a Federação Espacial está em guerra galáctica contra uma força alienígena, que capturou um importante piloto humano, o pai de Lucia. Determinada a salvá-lo, a jovem pega “emprestado” o protótipo de uma nave avançada e poderosa, a Advanced Busterhank Gleylancer, e parte em busca do seu pai nos confins do espaço direto para a base inimiga. São 11 fases (a primeira em um campo de asteroides é fantástica!) com visuais e trilha sonora (feita pelo mesmo compositor das séries Lunar e Grandia) refinadíssimos, e que ainda conta com dois finais diferentes (algo não muito comum nesse gênero).”Stick to it, and believe in your power!” Battle Mania Apesar de não trazer naves estelares ou aviões, o título “Battle Mania” (ou Trouble Shooter no ocidente) poder ser também considerado um shmup, só que bem diferentão, já que o jogador controla duas garotas que voam em Jet Packs e saem detonando tudo pela frente. Enquanto uma funciona como a “nave“, a outra tem a função “auxiliar“, muito comum nos jogos desse gênero. Um jogo original e muito criativo lançado pela Vic Tokai em 1991 e que ganhou uma sequência (Battle Mania Daiginjou) ainda melhor e mais robusta no ano seguinte, mas que infelizmente ficou restrita ao Japão. Um prato cheio para os fãs de shmups, animes, mechas e claro, duas belas moçoilas voadoras fortemente armadas. Truxton Um dos primeiros e grandes clássicos do Mega Drive, trazido direto dos arcades para o conforto dos lares do seus fãs. “Truxton” foi lançado originalmente para arcades em 1988 pela finada e saudosa Toaplan (que nos brindou com vários shmups nos anos 80/90) e chegando ao nosso querido Megão no ano seguinte. Muitos jogadores devem se lembrar dele como o “jogo da bomba-caveira“, ele é nosso representante do clássico estilo tela de deslocamento vertical, onde o jogador vê a sua nave de uma visão aérea – o Mega Drive teve vários outros títulos nesse estilo. Sendo um jogo da primeira geração do console, ele é mais simples em relação aos outros aqui presentes na lista, porém não fica devendo em nada no fator diversão e principalmente desafio – para ver o seu final completo era preciso terminá-lo cinco vezes consecutivas, uma pedreira que poucos conseguiram passar! Fonte: Blog Tectoy
  4. Sonymaster

    Cotton - Clássico shmup ganhará reboot em consoles atuais

    Acho que era que eu não curtia o estilo do jogo Space Harrier que me fez não gostar do estilo do Cotton para Mega.
  5. Era o tipo de desenho para ficar no quadro da semana nos programas infantis hahahahahaha
  6. Sonymaster

    10 coisas de Retrogamer

    Esse protetor nunca ouvi falar, mas bem pensando hahaahahahahahah fiquei com calos demais de tanto esfregar aquele controle para sair um Hadouken, bons tempos.
  7. Sonymaster

    O lançamento do Nintendo 64 na revista Gamers

    Pessoal comenta que foi dessa revista e os detonados da Gamers que as demais começaram a lançar detonados separados na revista principal.
  8. Caramba, era bem punk mesmo o jogo.
  9. Sonymaster

    10 coisas de Retrogamer

    Muito bom descrever tudo isso, e realmente eu adorava locadoras assim, bem cuidadas, eu sempre ia em locadoras em galerias do centro ou bem legais em subúrbio fechado, onde era bem organizadas, dava para jogar e ficar horas e horas observando as caixas para poder escolher, fora se for em uma locadora que tinha VHS e Jogos, ai sim demoraria mais ainda. Esse lance da camisa na mão era para jogar street fighter? sei que usava para não ter calo nos dedos, e digo mais, quem nunca teve calo nos dedos jogando SF2 no Snes não teve infância hahahahahahha essa época foi muito boa e adorei ter participado de tudo isso, a magia de hoje nos games acabou demais, gostava de quando era simples e assustadoramente nova.
  10. Sonymaster

    O lançamento do Nintendo 64 na revista Gamers

    Para falar a verdade eu nunca fui de pegar a Gamers para ler, sempre foi ou Ação Games ou a SuperGamePower, isso porque a Videogames saiu, SuperGame e GamePower tiveram a fusão e como eram conhecidas para mim, fiquei nelas, mas até a parte do PSX eu acho e olhe lá, quando lançou o N64 tinha a própria Nintendo World que era legal a revista falando apenas da Nintendo. Mas eu curtia era mesmo da época dos 8 e 16 bits.
  11. Sonymaster

    Cotton - Clássico shmup ganhará reboot em consoles atuais

    O do Mega é bem diferente do original da Sharp, mas nunca joguei do Snes.
  12. Tinha mesmo? acho que nem lembrava disso, mas com certeza eu lembro do jogo que tinha no escritório da minha querida Mãe quando saia do colégio ia direto para lá jogar esse jogo, tinha pego no disquete com um amigo do colégio e pensando que era de plataforma, era todo em texto, mas era em português e fui jogando e jogando e peguei o gosto de jogar.
  13. Os fãs de Earthworm Jim terão mais motivos para comemorar os 20 anos do lançamento do primeiro jogo, além do ressurgimento do personagem em um novo game. Isso porque o pessoal da iam8bit vai lançar, em parceria com a Interplay, uma edição especial e limitadíssima dos dois primeiros games da minhoca. A graça aqui é que essa edição não é para novos consoles, mas sim para o Super Nintendo. A parceria entre a iam8bit e a Interplay resultará em 2.000 cópias de Earthworm Jim 1 e 2, que virão em uma caixa especial, completa com um novo manual de instruções e algumas surpresas retrô, de acordo com as empresas. A maioria desses cartuchos virá com o visual "Udder Pink", enquanto 100 deles serão enviados com o visual "Cow Print", de maneira totalmente aleatória, o que tornará esses cartuchos ainda mais valiosos e raros. Para quem possa ter se empolgado com a ideia, saiba que cada um dos cartuchos deve custar US$ 134,99 (aproximadamente R$ 553), sem considerar frete e impostos. A iam8bit está se firmando no mercado de edições especiais de games, sendo responsável pela versão física de Gone Home, para o Switch, além de reproduções oficiais dos cartuchos de Mega Man X e Mega Man 2. Para comprar as edições de Earthworm Jim 1 e 2, clique aqui. Fonte: Voxel
×

Informação Importante

Ao utilizar este site, você está automaticamente concordando com os nossos Termos de Uso e regras..