Ir para conteúdo

CIENFUEGOS

Membros
  • Total de itens

    15.805
  • Registro em

  • Última visita

Reputação

3.393 Excelente

Sobre CIENFUEGOS

  • Rank
    LORPAO

Informações do Perfil

  • Sexo
    Male

Últimos Visitantes

1.336 visualizações
  1. CIENFUEGOS

    LIBERTADORES 2019

    MEU CAMARADA, ISSO NAO SE FAZ. E SE FAZ, NAO SE DIZ NUNCA. PORRA ODEIO ESSES MICO DE FESTA. FUTEBOL NAO EH ESPORTE PORRA. NAO EH FESTA PORRA. NAO EH GANDAIA. NAO TEM ESSA DE TORCER PELA MODA, ISSO AQUI NAO EH FRANQUIA MURICA FUTEBOL PRIMEIRO EH CULTURA DE CLUBE, DEPOIS EH ESPORTE. QUEM SO TORCE EM COPA OU EM FINAL PRA QUEM TA GANHANDO TEM QUE TOMAR NO CU, IR PRESO, SEI LA PORRA, ALGUM JEITO TEM QUE PAGAR SENAO VIRA BAGUNCA. CHEGA DESSA MERDA. BRASUCA EH MTO OTARIO PQP E NO RS NINGUEM TORCEU PRO FLAMENGO NAO. AQUI NAO TEM ISSO. AQUI ESSA MERDA NAO EXISTE NEM NUNCA EXISTIU NEM VAI EXISTIR. VAO TOMAR NO CU PORRA ABS
  2. CIENFUEGOS

    LIBERTADORES 2019

    DE FACTO O FUTEBOL BRASUCA CHEGA AO SEU PONTO MAIS BAIXO, ROMPENDO COM A TEORIA DA MEDIUNIDADE E TB SEGUINDO A MARCHA DA DECADENCIA ANTEVISTA PELO REI, ONDE A CADA ANO DESCIAMOS UM DEGRAU QUALITATIVO. TOU FORA SOH VEJO NBA
  3. CIENFUEGOS

    HAHAHAHAHAHHAHAH 38 ANOS DEPOIS TOU CHORANDO

    Seis brasucas direto na fase de grupos. Bagunça. Esse São Paulo perto de confirmar vaga direta kkkk Pior que fica ainda mais foda pro grêmio. Uma das barganhas de um clube com menos grana e fora do eixo pra contratar bons jogadores é jogar a libertadores. Lixos feticos como curintia e SP vao jogar muito mais pela ruindade do resto e pela bondade de flalixo e patético pr que por seus méritos. Seria impensável essas duas porcarias numa libertas séria. Mas taí, vao jogar, e com isso roubar negócios do meu humilde, honesto e trabalhador bremiao
  4. CIENFUEGOS

    HAHAHAHAHAHHAHAH 38 ANOS DEPOIS TOU CHORANDO

    Flamengo só roubou o emelec, bem de canto, é impressionante. Um título do flamengo sem roubar. Milagres de um investimento amplamente superior, marco na história do futebol sulamericano. Ano que vem nós vamos investir em "recuperar o André" kkkkkkkkk
  5. CIENFUEGOS

    HAHAHAHAHAHHAHAH 38 ANOS DEPOIS TOU CHORANDO

    Ano passado perdemos pro River desse jeito, até pior pq foi roubado e em casa. De fato é pior. Mas não muito. O ideal seria 2x0 e passa a régua. Uma derrota feliz pra quem vence e digna pra quem perde, sem sofrer ilusões.
  6. CIENFUEGOS

    ORIENTAÇÕES DE BASE

  7. CIENFUEGOS

    ORIENTAÇÕES DE BASE

    O partido de vanguarda, por outro lado, se consegue expressar ao povo as Intenções e o Destino, oferece o disciplinamento que produz a autonomia soberana. Se a URSS não soube comunicar o sentido ao seu povo, o PC Chinês, crítico da experiência, nutrido pelas humilhações do Império e consciente da força de sua estirpe milenar, sabe expressá-lo. E lá o Vigor se manifesta. Tua derrocada se aproxima, Europa!
  8. CIENFUEGOS

    ORIENTAÇÕES DE BASE

    A dissolução da URSS foi uma tragédia que se cobra no empoderamento do chinês. A disputa entre qualidades chinesas e qualidades europeias é a dialética posta objetivamente na dimensão cultural do poder, do projeto e da disciplina. O europeu, o que se tornou na sua forma atual, na América? Qual vigor apresenta? Se há um povo que não controla seu destino, entre as potências, é o americano médio. Deseducado, displicente, obeso, preguiçoso, sentado em sua poltrona motorizada percorrendo os departamentos de mercados como monge peregrino no templo em desespero por alívio imediato. Esse é o preparo da massa desorientada, protegida por um Grande Pai, o Estado Americano, o Pai Fundador anônimo e sua larga asa, seus olhos argutos e o bico rasante. Ao preclaro Estado o "livre" confia, se dá, está entregue, não pode deter e não quer compreender a exigência de sua racionalidade.
  9. CIENFUEGOS

    ORIENTAÇÕES DE BASE

    Oco não pode ser. Baudelaire é um interlocutor loquaz da Épica e da Renascença refletidas na modernidade. Ô blasphème de l'art! ô surprise fatale! La femme au corps divin, promettant le bonheur, Par le haut se termine en monstre bicéphale!
  10. CIENFUEGOS

    ORIENTAÇÕES DE BASE

    Aliás, sobre Rousseau, recomendo o estudo intelectual biográfico de Starobinski, J. JJ Rousseau: a transparência e o obstáculo. Comentário bem conhecido, disponível em pt pela Cia de bolso. Rousseau é fonte inesgotável de inspiração. Um dos poucos em língua francesa que me interessam. Iniciador vigoroso da crítica. Esses novos liberalecos são, em geral, pré-rousseaunianos em sua consideração racional de mundo. Ignoram ou mal compreendem o que não se pode racionalmente ignorar. Fora seu estilo límpido e elegante. Em toda a tradição filosófica alemã Rousseau está insinuado. Ele pôs o problema do nosso tempo.
  11. CIENFUEGOS

    ORIENTAÇÕES DE BASE

    Rousseau tem seus limites evidentes, criticados na tradição, aliás iniciada por ele, mestre de todos nós. Mas bastaria um exame atento de sua crítica ao iluminismo e aos princípios desta derivados para afastar a imbecilidade redutora do "bom selvagem", que mal compreendida o generalizou como ingênuo, muito longe da verdade sobre o seu pensamento, infinitamente mais preocupado que as fantasias otimistas dos liberais, para recolocar todo o problema social com o vigor que merece. Claro, entre os intelectuais isso está bem resolvido, mas a vida é maior e obscurece a certidão de suas premissas. A vida é maior e, ao mesmo tempo, falta vitalidade hermenêutica aos psg1s e minatos, mortos em face do pensamento.
  12. CIENFUEGOS

    ORIENTAÇÕES DE BASE

    Por isso não me pus a "refutar" o erro lógico dessa racionalidade, apenas enunciá-lo enquanto miséria revestida como senso moral adequado ao atomismo social da modernidade. Cada mandamento deriva da estrutura de reconhecimento do sujeito em contradição com a comunidade. São simplórios e poderosos, possibilitam o mover-se subjetivo da vontade, mas fracassam se considerados no terreno universal do direito. Não emancipam. Não podem emancipar, porque só dão conta abstratamente do singular aí. Mas são efetivos aos animais egoístas do cotidiano... Vê que sua unidade assume a figura estética expressa no "antigo joker", que ainda é o referencial desses idiotas. O "antigo joker" é o referencial hoje, e por se ter instanciado, refletindo a formação de outra década, já é passado. O "novo joker", desse novo filme, aponta outra ideia. Não foge do clichê desta, no entanto, com toda a macacada hollywoodiana. Eu, para que vou me aventurar nisso? Tenho a semente do Mal em punho, canto V, "Gosto de pensar nas nuas eras passadas"...
  13. CIENFUEGOS

    ORIENTAÇÕES DE BASE

    E aí sua puta paga, feliz com o sucesso do plano econômico do Guedes, que conseguiu trazer investimentos espontâneos de... Estatais chinesas! Kkkkkkk Cem bilhões no centro do teu cu, filha da puta. Recurso artificial, ajuda, investimento de ordem política, contrariando qualquer tese de "condições normais" de imprevisibilidade. Obrigação estratégica. O FMI chinês. Trabalho louvável! Durante o petismo ao menos tinha um bom negócio, ainda que de baixo valor, lastreando o crescimento. Já sacou teu FGTS? Mil anos de chicago bois pra propôr uma ideia refinada da cabeça dum estrategista do naife mamaefalei. Kkkkkk Puta mamadora de rola do comunismo chinês. Puta suja.
  14. CIENFUEGOS

    ORIENTAÇÕES DE BASE

    THE JOKER OU O UNIVERSO AFETIVO MORALMENTE RISÍVEL DO PANACA MÉDIO DA PLAYERS Denunciar post Postado Novembro 6 (editado) Madzor, minato, psg1, ocubo, kuro, malemerda e outros no mesmo naife ae O incultivado é uma figura triste da racionalidade efetiva que o entretenimento de massas soube refletir. Quão fértil e sintomático é o amor do incultivado por essa figura, interpretado como identidade subjetiva externa, reconhecimento arbitrário mediato, dando-se a si um aí numa ideia deficiente em racionalidade absoluta?! Vive na unilateralidade, panaca médio! E te compraz nesse saber de si...
  15. CIENFUEGOS

    ORIENTAÇÕES DE BASE

    https://revistaopera.com.br/2019/11/11/a-importancia-da-bolivia-na-nova-estrategia-dos-eua-no-continente/ A importância da Bolívia na nova estratégia dos EUA no continente por Pedro Marin | Revista Opera Por Pedro Marin - novembro 11, 2019 1 2315 Apolítica externa do governo Barack Obama teve uma característica clara: escalar a confrontação com os seus rivais do tabuleiro global nas proximidades de seus territórios ou em territórios distantes dos Estados Unidos. Três casos tiveram papel especial neste sentido: a guerra na Síria, o golpe na Ucrânia e a pressão contínua sobre a República Popular Democrática da Coreia (RPDC). A Síria tem importância estratégica para a Rússia. Além de ser um dos principais importadores de armas do país, ela abriga a Base Naval russa de Tartus, um ponto estratégico no Mar Mediterrâneo, com acesso a importantes países europeus (Itália, Espanha, Grécia) e a países como Israel e Turquia. Manter a estabilidade do país é fundamental para a Rússia, e a busca por uma mudança de regime no país, por parte dos Estados Unidos, foi brutalmente frustrada, ainda que a guerra não tenha acabado. A Ucrânia, por sua vez, faz fronteira direta com a Rússia. Com um governo mais ou menos alinhado a Moscou, liderado por Viktor Yanukovich, e representante de uma visão plural para o país – que incluía os russos étnicos e falantes de russo – o país representava uma lacuna na muralha de países ligados à OTAN (Organização do Tratado do Atlântico Norte) que circundam a Rússia. Em 2014, um golpe derrubou Yanukovich, e preencheu essa lacuna. Mas a chegada ao leste do país do governo recém empossado foi frustrada pelo estalar de uma série de rebeliões nos departamentos de Lugansk e Donetsk, que jogaram o país em uma guerra civil, bem como o controle da Crimeia – região com importância estratégica e comercial muito grande, devido a seu porto – onde um referendo garantiu a anexação da região à Federação Russa. Por fim, os esforços de tensionamento contra a RPDC, país que serve como “zona tampão” para Rússia e China – isto é, bloqueia o acesso às suas fronteiras das 20 mil tropas norte-americanas estacionadas na Coreia do Sul – também foram frustrados. A despeito dos avanços contra a Rússia, ficou patente, ao fim do governo Obama, que a estratégia não estava sendo frutífera. Enquanto um esforço dispendioso era feito, muitas vezes frustrado por Moscou, a China seguia se expandindo, em especial do ponto de vista econômico. Uma mudança estratégica era necessária, começou a ser aplicada, e foi ainda mais acelerada pelo governo Trump. Essa mudança é inspirada na chamada “Doutrina Monroe” ou “política do big-stick“. Anunciada em 1823 pelo então presidente norte-americano James Monroe, a Doutrina Monroe consistia em fazer frente às tentativas de países europeus em expandir seu controle sobre a América Latina, considerada, sob suas ideias, um “protetorado norte-americano”, por se tratar de uma área estratégica para o país. Essa mudança foi acentuada: em 2013, o Secretário de Estado dos EUA, John Kerry, declarou publicamente o fim da Doutrina Monroe. Cinco anos depois, o novo Secretário de Estado, Rex Tillerson, dizia também publicamente: a Doutrina era “claramente um sucesso […] tão relevante hoje como no dia em que foi escrita”. Ela também estava bem presente no dicionário do Conselheiro de Segurança Nacional, John Bolton, que declarou: “Nessa administração nós não temos medo de usar a frase ‘Doutrina Monroe’ […] Tem sido o objetivo de presidentes desde Ronald Reagan ter um hemisfério completamente democrático.” Em uma declaração sobre a situação na Bolívia, emitida hoje, o presidente Donald Trump declara: “A renúncia ontem do presidente boliviano Evo Morales é um momento significante para a democracia no hemisfério ocidental. […] Esses eventos enviam um forte sinal aos regimes ilegítimos da Venezuela e da Nicarágua de que a democracia e a vontade do povo sempre prevalecerá. Nós estamos um passo mais perto de um hemisfério ocidental completamente democrático, próspero e livre.” Como escrevi em outubro, a Bolívia é um território-chave do continente. No meio dele, o país faz fronteira com Brasil, Paraguai, Chile, Peru e Argentina, além de ser lar da Cordilheira dos Andes, que divide o continente a leste e a oeste, e das bacias dos rios Amazonas e Prata, que desenham uma divisão norte-sul. O país tem grande importância estratégica, dizia o professor de História do Brasil na Universidade de Creighton, Lewis Tambs: “quem controla Santa Cruz comanda Charcas. Quem controla Charcas comanda o Heartland [Coração da Terra em tradução livre]. Quem controla o Heartland comanda a América do Sul.” Além disso, o país tem especial importância para a Rússia e a China. 21% de suas importações vêm do país asiático (enquanto só 7,5% vêm dos Estados Unidos). De 2000 a 2014, o comércio bilateral entre China e Bolívia cresceu de 75 milhões de dólares para 2,25 bilhões, e o país asiático se tornou também o principal credor dos bolivianos. As relações com a Rússia, em especial nos setor energético, também vinham crescendo. As parcerias incluíam até a construção de uma usina nuclear em El Alto, segunda maior cidade do país, onde, no momento, milhares de manifestantes se levantam contra o golpe de estado em marcha. A Bolívia, portanto, é fundamental aos interesses dos Estados Unidos no continente não só pela sua importância geopolítica e geoestratégica natural, mas também porque, sob controle de um novo governo, alinhado aos Estados Unidos, ela pode sair da zona de influência russa e chinesa. Além disso, os Estados Unidos de fato ficam “um passo mais próximos” de consolidar seus planos na Venezuela e Nicarágua, que, apesar do falatório, naturalmente não incluem – como é demonstrado pelas sangrentas ações dos golpistas na Bolívia – nenhuma essência “democrática”, nem busca, para os nossos povos, nenhum tipo de prosperidade e liberdade. Constituem, sim, uma base, um protetorado, um quintal onde manobram um conflito global.
×

Informação Importante

Ao utilizar este site, você está automaticamente concordando com os nossos Termos de Uso e regras..