Ir para conteúdo

Rhazo

Moderador
  • Total de itens

    10.154
  • Registro em

  • Última visita

  • Vezes em que foi o melhor postador do dia

    63

Rhazo: Melhor postador de 6 de Junho 2020.

Rhazo teve o maior número de curtidas.

Reputação

2.790 Reputação excepcional

Sobre Rhazo

  • Rank
    Midas netal
  • Data de Nascimento 10-09-1987

Gamer Tags

  • Playstation Network
    dNo_m

Informações do Perfil

  • Local
    São Paulo

Últimos Visitantes

1.613 visualizações
  1. Essa, a Dark Moon Greatsword e a Moonveil estão estupradoras, dando um dano absurdo, online vejo muitos utilizando-as. Eu particularmente não me senti na vontade de usar armas mágicas na primeira run, inclusive não aloquei nenhum atributo em faith, int ou arcane, mas provavelmente vou focar em algumas dessas armas na próxima run. Essas 3 armas tem weapon arts muito fortes, além de darem um dano alto pra caralho no melee. Devo fazer um mago focado em magia de curto alcance, com aquelas "summons" de espadas gigantes, marretas magicas e o arcão magico hahahaha.
  2. Rhazo

    Nintendo Switch

    Eu levei metade do fórum pra minha família uhauhauhauha. Dustin Nova, Evan, Yamato e Palmito.
  3. Rhazo

    Nintendo Switch

    Sim, será o melhor caminho. Creio que se acertarem bem nesse Scarlet teremos um jogo beirando os 90 ou até acima disso.
  4. Rhazo

    Nintendo Switch

    Joguei umas 50 horas, achei bem melhor que os últimos 20 anos de franquia hahahah.
  5. RDR2 não tem marcadores de side quests no mapa, nem de eventos, além de ter dezenas de coisas a serem descobertas em cada região e que só podem ser acessadas explorando livremente. As maiores sides de RDR2 são as de caça e pesca, e só serão descobertas por quem realmente quiser procurar na unha. Todo o conteúdo de Horizon é marcado no mapa e sinalizado para o jogador, igualzinho a todos Far Cry's, Batman's, Mordor's, Mad Max, Rage, Just Cause's, Assassin's Creed's, Tsushima e outra caralhada de jogos. Não adianta desligar marcadores e HUDs, esses jogos não funcionam sem eles porque foram desenvolvidos para eles serem usados. O Default desses jogos é mostrar e direcionar o jogador. The Witcher 3 não direciona bem os jogadores nas quests e Horizon menos ainda. Mas o maior problema nem é esse e sim que o checklist de tarefas desviam a atenção dos jogador a todo instante, algumas vezes é interessante outras é uma bosta. Qualquer cidade em Horizon tem 5 pontos de exclamação no HUD, no radar e no compasso, para não ver você precisa desabilitar, nas vai ficar completamente perdido tentando ter essa experiência imersiva. O jogo não sabe direcionar o jogador sem marcar isso no mapa e no HUD. RDR2, Elden Ring e Breath of the Wild são muito melhores que esses jogos, simplesmente porque é o jogador que escolhe seu caminho e escolhe onde quer ir. Todos eles tem sinalizadores nos mapas e nos próprios elementos dos cenários. Elden Ring tem o desenho de onde você pode encontrar os mapas, que ao serem encontrados trarão desenhos de cavernas, desenhos de ruínas, desenhos de castelos, mas sem dizer nada ou marcar nada até você encontrar o local. Além disso esses jogos simplesmente direcionam o jogador com elementos visuais ou através de NPCs. Gideon te diz objetivamente o que você tem que fazer para seguir a missão princiapal, além disso o castelo imenso fica a sua vista durante o jogo inteiro. Se você desligar o radar e o GPS em RDR2 poderá perceber que ao seguir um caminho de quest os NPC te direcionarão, "entre ali a esquerda", "estamos próximos", "venha é por aqui", etc. The Witcher e Horizon não fazem isso, então ao desligar os markers e o GPS você se fodeu, vai ficar completamente perdido e no escuro. O jogo não funciona direito sem as indicações, é igualzinho aos 30 mundos abertos que a Ubisoft lançou entre 2010 e o lançamento de Horizon Forbidden West. A exploração desses jogos é guiada e marca pontos de interesse a todo instante, seja estampado na cara ou com pontos de interrogação. Essa é a explicação de porque Elden Ring tem nota 95+ e Horizon Forbidden West não. O mesmo que aconteceu com Breath of the Wild e Zero Dawn. Em Elden Ring dando um rolê a cavalo avistei uma vila com vários moinhos de vento. Ao chegar lá encontrei uma vila completamente ensandecida, com gente praticando danças e rituais macabros, além de ter um boss em campo aberto no topo. Nas minhas 60 horas de Forbidden West não tive nenhum momento como esse, mesmo limitando ao máximo as assistências do jogo. O que me marcou foi que ao subir a primeira torre que avistei em Forbidden West, ela já estava marcada no mapa e ao chegar no topo fui agraciado com uma mensagem "você precisa de um item para usar isso", o completo oposto. Um segue o estilo Ubisoft de mundo aberto, os outros o da Bethesda. A Rockstar é um hibrido, tem uma campanha bem guiada, mas os extras são completamente a cargo do jogador, e tem muito conteúdo em RDR2 e GTAV que só podem ser feitos se você explorar. GTAV tinha uma quest que tu pegava uma mina na estrada e acabava num acampamento de lunáticos nus, outro onde você encontrava uma plantação de maconha. RDR2 tem nego que te rouba, tem bounty hunter que te persegue, tem gangue que te dá tapão na cara, tem assalto a casas e lojas como eventos, nego te emboscando, tem várias quests orgânicas. Horizon melhorou bem a exploração, mas está bem longe de Breath of the Wild ou Elden Ring, que realmente fomenta a curiosidade e além disso premia o jogador por ser curioso.
  6. Rhazo

    NOVO ESCURO PERFEITO PIROCA ME POSSUA

    ESCURO PERFEITO foi o que entrou no cu de Rarefan, sem piedade. Assim que anunciaram essa merda, feita por um estúdio sem lastro e com um CG genérica, já senti o cheiro de merda. Gestão de Projetos da Microsoft é uma aberração e isso permeia a empresa a quase uma década. Para "sanar" este problema abriram os cofres e começaram a comprar estúdios e injetar grana. Olhando para o futuro, teremos grandes jogos produzidos por quem foi adquirido pelo guarda chuva da Mãesoft, mas o que foi construído por eles veio diretamente do esgoto. É só olhar Halo Infinite e o que o antecede, só o puro chorume, a exceção a essa regra é a Playground, que joga safe desde que acertou em Forza Horizon. E Halo Infinite apesar de excepcional mecanicamente, é um jogo incompleto e depenado, estando bem distante do que se espera dessa série, que sempre foi o carro chefe do Xbox.
  7. Eu terminei o jogo com mais ou menos 112 horas na semana passada, limpei e fiz tudo que encontrei e parei de evoluir no SL 80. Alguns atributos parecem que tiveram o diminish returns aumentados para algo em torno de 50-60, outros como HP, Mana e Stamina se mantiveram na faixa dos 25-40. Infelizmente a From Software fodeu builds Quality nesse jogo, simplesmente não prestam sem investir muitos níveis e nem sei se é tão efetivo quanto seguir com Dex/Int pelo que vi jogando online. O tanto de gente usando Katanas e Magia não tá escrito, e o dano é ridiculamente alto, fora o bleed e frostbite descontrolados. Os casos mais sérios de desbalanceamento que vi foi quando estava fazendo coop no castelo cheio de poison do Mt. Gelmir e lá tinham alguns caras invadindo incessantemente. O primeiro estava usando uma Katana que solta um tipo de onda de magia, o primeiro host foi dizimado em segundos, o segundo eu fui na frente e tentei segurar essas waves com um Tower Shield. As waves, além de atravessar a defesa do escudo com um dano brutal, causa build-up de bleed, frostbite e ainda jantou meu poise e stamina, mesmo ele com stability de 70. Negócio completamente desproporcional e cagado, não tem como deixar uma bosta dessas ativa no jogo, não deveriam nem ter lançado com uma nojeira dessas, ainda mais com sendo uma arma tão fácil de encontrar. Outras coisas que vi e me chamaram a atenção foram uma magia de dano por aproximação, onde char fica pegando fogo e dá um dano descomunal e abusivo, a outra foi um de gelo AOE que basicamente tem um raio de 180º e causa um dano ridiculamente alto. Eu não cheguei a ver isso sendo usado contra mobs, mas contra players é podre e precisam ser nerfadas urgentemente. Eu uso armaduras pesada, tenho HP alto pra caralho e uso talismã de resistência a magias, mesmo assim o dano que recebo é muito grande. Voltando para a campanha, eu solei o principal, ajudei muita gente a matar vários bosses, e fiz muito coop em cavernas, minas e catacumbas com um camada, no geral achei banal de fácil e serve realmente como um "grind" premiado. Iniciei com uma build mista de força e dex, mas resetei meu char para pura força, como falei Quality ficou um lixo, mas talvez em níveis muito altos de dex e str seja bem efetivo, como não queria ficar num nível muito alto porque o jogo estava fácil pra caralho preferi não subir mais que 80. Fechei com 40 de Vit, 27 de End e 45 de Str, iniciando de Vagabond. Até pensei ir até o 100 mas acho que ficaria muito forte e o jogo já esteve tranquilo durante praticamente toda duração. Algo que gostei muito, foi que para jogar como "guerreiro", você precisa ter armas com vários tipos de danos, usar bem seu arco, além de usar bem o crafting para itens de cura, buffs, flechas e os coatings. Com buids de int pelo que vi online qualquer merda serve, só usar uma ash of war de gelo ou magia que resolve praticamente tudo. Particularmente achei o building desse jogo desbalanceado e bem inferior aos outros, principalmente comparado ao Dark Souls 2. Novamente privilegiaram magos, inclusive em curta distância, um erro crasso e que dificilmente será sanado. O coop é o melhor da série, com vários pontos possíveis para summon e pools ativas de coop, que facilita ser encontrado e encontrar alguém, uma novidade muito bem vinda. Já o PVP é o pior da série, além de desbalanceamentos grotescos, invasões são limitadas e só funcionam contra pessoas em coop ou que usam um item, além disso mataram o parry e o backstab online, completamente inutilizados. Eu achava que era impossível, mas eles conseguiram fazer um PVP inferior ao de Bloodborne.
  8. Minha nota seria por volta de 8,5 - 9 mesmo, que considero acima da média. Esse jogo é realmente superior ao primeiro game em praticamente tudo, mas ao mesmo tempo é um game muito parecido. E o problema disso é que eu joguei mais de 20 jogos com mundo aberto idênticos ao de Horizon, talvez não com a qualidade dele, mas essa é uma formula que está sendo executada a exaustão a mais de uma década e comparada ao que se tem de melhor, é inferior. Talvez seja exaustão por ter consumido demais jogos com esse formato de mundo aberto, de toda forma jogos como Elden Ring, RDR2 e Breath of the Wild tem uma formula bem mais atraente para alguém como eu, passo de 100 horas jogando eles tranquilamente, enquanto 40 horas de Assassin's Creed Valhalla já me deixam completamente exausto. Esse formato de mundo aberto de Horizon não tem senso de exploração, já que tudo está estampado no mapa com marcadores ou estralando no seu HUD e esse "checklist" de tarefas já deu o que tinha que dar.
  9. Terminei antes de pegar Elden Ring, e a única falha deste jogo pra mim é seu World Building Ubisoftzado. Na minha visão era a maior falha do primeiro jogo e continuou sendo neste. No resto houve melhora em praticamente tudo, exploração, combates, animações e até nos conteúdos disponíveis. A única coisa que não gostei tanto foi a história, principalmente o desfecho, mas não ligo muito para isso pois narrativamente é um game muito bem construído. Esperava realmente um mundo mais interessante de explorar, já que desta vez colocaram bastante ferramentas para tal. E embora já tenha lido que é possível desligar marcadores, assim como The Witcher III e RDR2, os jogos não foram feitos para isso e não sabem direcionar bem os jogadores que querem aproveitar de um HUD mais limpo e maior liberdade.
  10. Esse boss funciona mais como um "evento" tipo Bed of Chaos, Dragon God, Snake, Maiden Astraea, etc do que realmente um boss clássico. Ele fica chato no fim da vida, mas nada que um escudo e talismãs de resistência não segurem. Eu massacrei ele na primeira tentativa.
  11. Eu cheguei nele level 80, fui pro outro lado antes.
  12. Eu fui pra cima na segunda fase e rhazguei o cu dele uhauhauhuhauhauh. Boss treta nesse jogo são os Fallingstar Beasts, o bixo é brutal, principalmente o do Mt. Gelmir. Não sei se com magia ele fica mais suave, mas é uma luta bastante interessante porque ele da um dano descomunal.
  13. Qual a sua build? Eu destrocei esse boss level 80 usando claymore e escudo.
  14. Todos os jogos da From Software te dão indicios de que você vai se foder, o ambiente, a recompensa brilhante, a porta de almas e o silêncio sempre te indicam um momento que você tem que ter cautela e analisar o cenário. E ao mesmo tempo que oferecem riscos, também oferecem recompensas. Existem sim mortes, emboscadas e armadilhas logo no começo do próprio Demon's Souls, dizendo para o jogador não desrespeitar o jogo, porque senão você será desrespeitado. Ele te conta de forma pratica e dolorosa como você deve joga-lo e abordar seu level design, é bem simples de entender. Todos os Souls dizem para onde o jogador deve ir e o que ele deve fazer, ficam perdidos só os ansiosos que acham que estão jogando Call of Duty. Acham que um jogo com meia duzia de NPCs tem Small Talk e baboseiras cotidinas. Em Souls tudo importa, é bom inclusive guardar falas dos NPCs, todos eles tem informações importantes. Inclusive as falas dos primeiros NPCs de TODOS Souls são para direcionar o jogador, no caso do 1 até diz onde será mais complicado de cumprir o objetivo de tocar os sinos. Agora se o mongoloide se perde no cemitério e catacumbas quando o jogo te indica pra Undead Burg, quem será que é o problema? Dificil? Só pra quem tem PREGUIÇA de aprender. Igual quem reclama da arma quebrar em Breath of the Wild, gente incapacitada, limitada e possessiva. Qualquer jogo setado no Very Hard é bem mais dificil que Dark Souls. Isso é um RPG amigo, esse boss com um Tower Shield ou Ranged é fraco demais. Até na Kukri da pra matar. Teu problema é achar que tu está jogando Ninja Gaiden ou Sekiro. Não seja burro, caralho.
  15. Na verdade se você chegar ao bonfire próximo ao magit e tomar um pau e sentar nela a Melina te oferece o caminho para Round Table, além disso se você explorar bem o mapa ela acaba de oferecendo isso em qualquer outra bonfire. Minha primeira run me levou para Caelid e foi na igreja ali perto da Lower Eldertree que ela me chamou pra lá, inclusive nem fui de primeira, querendo explorar o mapa. Num char que fiz no meu PS4 na casa da minha mina e que fui direto para o Margit que descobri que isso é relativo e cada jogador deve ter uma experiência diferente com esse evento, assim como a própria Ranni que aparece em Elleth e também pode ser triggada antes ou depois, mas sempre de noite. Esse jogo e Breath of the Wild são uma aula de game design, ambos com elementos bem parecidos, seguindo a escola Bethesda de mundos abertos, mas com mecânicas e experiências diferentes. Zelda é um jogo mais inventivo, simples e variado, focado em puzzles e enigmas. Elden Ring é mais complexo, robusto e focado em combates, usando o melhor dos jogos da From Software em sua concepção e design. Eu não ouso e nem conseguiria julgar o que acho melhor, mas na minha opinião os dois melhores jogos que joguei em minha vida adulta de muito longe, não consigo botar nada no patamar quando falamos de mecânicas e game design. Até temos grandes experiências narrativas, como RDR2, TW3, God of War, The Last of Us 2, mas são jogos que não chegam nem perto de oferecer esse nível de imersão e construção mecânica.
×

Informação Importante

Ao utilizar este site, você está automaticamente concordando com os nossos Termos de Uso e regras..