Ir para conteúdo

rpgworm

Membro
  • Total de itens

    5.351
  • Registro em

  • Última visita

  • Vezes em que foi o melhor postador do dia

    2

rpgworm: Melhor postador de 12 de Dezembro 2016.

rpgworm teve o maior número de curtidas.

Reputação

125 Reputação neutra

Sobre rpgworm

  • Rank
    Ídolo Netal
  • Data de Nascimento 26-04-1984

Informações do Perfil

  • Sexo
    Male
  1. rpgworm

    [PS4 x PC] Street Fighter V

    Bom, eu não sou um bom jogador para começo de história, e aleatoriedade não chega a me incomodar lá grandes coisas, não sou desses que ficam brabos quando o oponente te pega num wake-up super porque não é "a maneira correta de se jogar" Mas fica foda em situações que você tá mantendo um bom jogo, e ai em um hit confirm, o oponente não só te suga mais da metade da vida, mas te enfia no canto e você tem que advinhar o option select dele. O negócio nem é tanto perder o controle, mas ficar frustrado quando um heavy hitter como o Balrog consegue te dar um K.O em 3 hit confirm (e não é só o Rog que consegue fazer, isso, mas digo ele porque aconteceu isso comigo) E eu sei, a resposta é "git gud", mas não digo isso só porque eu estou perdendo, eu já consegui ganhar de jogadores bem melhores do que eu abusando de certa coisas que SFV permite, enquanto o oponente tentava jogar esperto, ai quando o jogo se torna mais esmaga botão random, porque a recompensa é um dano de mais de 500HP, ai fica frustrante, e nem é a frustração de falar palavrões e essas coisas... é mais aquela frustração que leva a apatia. SFV falta um pouco mais do lado técnico, que você precisa aprender como o oponente reage a coisas e antecipar movimentos, e o jogo tem disso, mas parece que o jogo também recompensa demais aleatoriedade, deixando a luta mais uma advinhação do que um aprendizado do oponente. Ou eu que sou ruim e não sei jogar, tem dessas também...
  2. rpgworm

    [PS4 x PC] Street Fighter V

    Então... alguém aqui ainda está jogando SFV? Eu meio que parei e nem sei o por quê na real. O que é engraçado, que de início, mesmo com os vários problemas que o jogo tem, eu curti muito esse jogo. Mas com o passar o tempo, e agora com as mudanças da segunda temporada, a vontade se perdeu. E olha, eu sou a definição de casual, buffs, nerfs e mudanças na lista de tier nunca me afetou, mas agora, pela primeira vez, eu estou sentindo como um jogo desbalanceado pode tirar a graça de jogar. E não digo isso só quando perco. Sim, perder para um Rog quando tava com o jogo ganho só porque ele conseguiu um hit confirm em V-trigger combo é frustrante (sério, em personagens com pouco HP, Balrog pode tirar até 70% de dano), mas eu também sinto que eu ganhei de jogadores melhores do que eu ao abusar de frame traps e outros buffs da Cammy e principalmente da Laura, que tá um monstro agora. E olha, perder não é problema para mim, e perder para altos danos aleatórios também estou acostumado, como os Ultras de SFIV, mas pelo menos eu sentia que tinha mais controle na luta e mais chances de cometer erros ou arriscar, em SFV o dano é tão alto que eu me vejo fazendo a mesma pressão de flow chart toda hora, ou quando eu quero pegar um desprevenido e arriscar, acabo levando um strong - Vtrigger e lá se foi a minha vida. Eu sei que isso parece mimimi de babaquinha que se acha FGC, mas também não posso ignorar que o SFV, que nunca foi lá muito balanceado, vem se tornando cada vez mais frustrante e o pior que nem irritado eu fico mais quando perco, ou alegre quando ganho, mas tenho apenas essa sensação de indiferença quando jogo. E isso é uma droga, porque eu realmente gosto muito de SFV, eu gosto da arte, eu acho que o jogo tem uma das melhores animações do gênero, mas tá difícil chapas, SFV tem umas merdas que forçam a amizade.
  3. rpgworm

    Review / Tutorial Tokyo Xanadu

    Ah eu tenho que concordar, essa ambientação escolar e ter que aturar esses diálogos boçais de visual novels é de doer. Consegui terminar P4 aos trancos e barrancos, e sim, P4 tem uns personagens interessantes, mas a maioria dos social links eram massantes de fazer. Mas pelo menos Persona tem uns bons pontos que ajudam a aliviar, como direção de arte e ambientação fodas, trilha sonora que junta um techno Jazz, que ajudar a dar uma ar de vintage/pop, e é claro, um dos melhores sistemas de turno do mercado. Mesmo assim, eu ando morno com P5, que parece ser ótimo, e digo que talvez seja o melhor trabalho do Soejima, mas só de pensar em ter que aturar o simulador de colégio e social Link, dá aquele desânimo. Então, lendo um pouco da sinopse e vendo uns videos, não consegui ver nada que me agradasse nesse jogo. O que seria injustiça com a Falcom, eu curto bastante Trails in the Sky, e eventualmente eu vou jogar Cold Steel, mas eu também não tenho mais o mesmo tempo que tinha antes, que podia jogar de um tudo, o que me leva a principal problema que eu tenho com esses jogos da Falcom: Eles tem uma apresentação incrivelmente genérica. Da direção de arte até a música, tudo nesses jogos parecem que foram feitos exclusivamente para o nicho anime, tudo muito igual e seguro. Com tantos designers talentosos, por que eles insistem em usar modelos que parecem que foram tirados daquelas revistas "aprenda a desenhar mangas"? E eu entendo porque esse tipo de traço existe em Anime, para produção em massa sem precisar re-treinar centenas de animadores. Mas em um jogo que usa modelos 3D? poxa dava para dar uma arriscada né Falcom? (E o curioso que Xanadu Next é um dos únicos jogos da Falcom que eu vi que tinha um traço diferente) E eu também entendo agradar a base consumidora, mas ficar nessa zona de conforto também cria um ambiente de estagnação. Não vi nenhum elemento visual sequer nesse Xanadu Next que seja próprio do jogo, nada que intrigue, parece que o jogo não tem identidade, não tem tesão. Porra, se até Zelda, que há 30 anos continua contando a mesma história, mas que a cada jogo encontra novas maneiras de dar aos jogos identidades visuais diferentes e impactantes, porque não esses jogos da Falcom? Ou compile Hearts, ou Gust? E sem contar que a premissa tá batida, garota bonita e misteriosa entra na vida do protagonista e agora eles tem que combaterem forças do mal junto com outros colegiais, porque apenas adolescente atraentes podem salvar o mundo.... TNC.... Ah meu Deus, como eu me sinto velho.....
  4. rpgworm

    [Review] Final Fantasy XV (PS4)

    Quanto a revelação do Prompto, o que a SE promete é que tudo será devidamente explicado no DLC dele. E sem contar que a SE está BEM ciente que largou um produto incompleto, tanto que o Tabata, duas semana após o lançamento do jogo, anunciou a adição de cenas a história principal. Eu amo o jogo, mas também impossível negar a falhas grandes que ele tem, e embora todo mundo saiba da triste história no desenvolvimento do jogo, o produto final é o que importa, e o produto final parece inacabado (lembra muito o segundo CD de Xenogears). Mas digo isso de FFXV, esse jogo tem coração. Por todas as suas falhas, FFXV está disposto a resgatar a sensação da grande aventura dos FFs clássicos, a jornada dos heróis da luz contra o império do mal, sem o cinismo dos personagens de FFVIII ou os maneirismos de anime contemporâneo de XIII. Uma história sobre o mundo e seus personagens, e é isso que eu gosto tanto em FFXV. Hoje em dia, JRPGs parecem querer andar o mesmo caminho dos Wrpgs, com criação de personagens e mundo aberto, mas honestamente, eu não gosto de criar um personagem genérico e sair andando por ai matando monstros sem contexto nenhum. Eu gosto de acompanhar a jornada de heróis, ver o mundo e a trama se desenrolarem diante dos meus olhos. Eu não tenho intenção de "ser o herói" ou ficar imerso no mundo, eu gosto jogar um videogame sobre heróis memoráveis, e FFXV definitivamente é um desses.
  5. rpgworm

    [PS4 - PC] NIER 2: Automata

    É, sim, tá lá na PSN, acho que é uns 4 giga.
  6. rpgworm

    [PS4 - PC] NIER 2: Automata

    Demo jogada e aprovada, muito divertido mesmo. Garotas em vestidos góticos (neste caso, mais ou menos), empunhando espadas gigantescas já tá mais do que batido, a menos que você seja Akihik Yoshida, ai você faz o que bem entende, porque você é um Deus e tem Final Fantasy Tatics no currículo. Desnecessário dizer que 2B e 9S esbanjam carisma, e olha que eu não sou muito de curtir essas japisses. E combinar bullet hell com Hack n' Slash também ficou bacana, constante mudança de perspectiva ajudou a demo a não cair na monotomia. Dito isso, e embora eu curta bastante os jogos da Platinium, existe um bom motivo pelo o qual o pessoal fala que a platinium faz apenas 1 tipo de jogo. O Hack n' Slash parece o mesmo dos outros jogos do estúdio, e enquanto isso não é ruim, Platinum provavelmente é a melhor que existe para isso, mas a sensação de "já vi isso, já fiz isso" é difícil ignorar. Denovo, bullet hell ajuda a refrescar a fórmula, mas o eco da bayonetta, ou revengence tá lá. Por isso, que para mim, vou esperar esse jogo entrar no desconto marocto. Jogos da SE estão caindo de preço cada vez mais rápido (já tem como conseguir Deus Ex Mankind divided pela metade do preço, e o jogo não tem nem 6 meses). Então, por mais que eu tenha gostado da demo, o jogo não me apresentou nada que me faça jogar ele agora, porque de certa forma, eu já joguei ele. Tô com um backlog enorme aqui, dá para esperar tranquilo.
  7. Dizem que de Tales, o melhor de todos é sem dúvida o Remake de Destiny, que infelizmente eu nunca joguei. Rebirth parece ter um sistema de batalha bacana também, mas falam que a história é uma bosta. Dos que não foram localizados, esses são esses dois que eu acho que realmente fizeram falta. Vesperia e Graces são bem bons, Symphonia tem reputação por causa que foi o que popularizou a série aqui no oeste, e é um bom jogo, mas bem genérico. Symphonia 2 é uma merda Eu gosto bastante de Legendia, mas é compreensível que ele seja um dos mais odiados da série. E desde que Xillia, tales já não são os mesmos, algo foi perdido na série recentemente, não sei dizer o que exatamente, mas não tem o mesmo carisma.
  8. rpgworm

    Final Fantasy XV

    Platinei... o que não é uma grande conquista, na verdade é bem fácil, mas acho que com 100 horas de jogo, eu tô terminado com esse jogo, por enquanto. Eu tive que desistir das sealed doors, o desafio é legal, mas que saco ter que descer as mesmas cavernas denovo e denovo e denovo, com duas faltando, eu simplesmente não tenho saco para isso, e a recompensa não vale a pena. As outras quest fiz todas, menos catar sapo ao redor do mundo, TNC com isso. E é isso amigos, FFXV, jogo com vários problemas mas incrivelmente divertido, se bem que eu sou suspeito para falar, pois eu curti bastante o capítulo 13, quando o jogo vira um survival horror. Para quem está em cima do muro, sugiro esperar o preço baixar, mas para mim valeu cada centavo.
  9. rpgworm

    Final Fantasy XV

    Você já chegou na região de cleigne? A música de batalha naquela área é uma das melhores que eu já ouvi faz anos E também tem o tema de batalha contra o império que é bom demais: E diversas outras, temas de dungeons e mais. Música desse jogo é um dos pontos fortes para mim.
  10. rpgworm

    Final Fantasy XV

    O engraçado que Castlemark Tower é apenas a segunda Dungeon mais FDP do jogo. Ontem eu consegui terminar a coisa mais obtusa que eu já fiz em um FF desde o drop pela a genji glove de FFXII. E tô praticamente terminando tudo no jogo, FFXV, de você eu gosto.
  11. rpgworm

    [PS4/PS3] Tales of Berseria

    Não consegui dar prosseguimento em Zesteria, será que esse vale a pena chapas? Eu sei que se passa no mesmo mundo de Zesteria, tem muita co-relação? Então é mais do mesmo, é isso?
  12. rpgworm

    Final Fantasy XV

    Mais ou menos. Só posso dizer que você luta na capital, o resto seria spoiler. Bom, quanto adicionar novas perspectivas ao jogo como TOD remake cut, é mais ou menos isso que o DLC vai fazer. Em certos pontos da história, alguns personagens deixam a party, e os DLCs vão contar o que aconteceram com esses personagens durante isso e você vai jogar com eles ao invés do Noctis. E sim, na Platinum Demo eles reutilizam um bando de coisas que foram cortadas do jogo, como o quarto e tudo mais, mas eu não vejo como eles consegueriam integar vendo como a história se foi. De boa, acho que passada essa euforia inicial, o pessoal vai se esfriar em relação a FFXV. Eu defendo que este é um bom jogo, mas é difícil de ignorar que ele se torna uma bagunça no final, e isso acaba afetando a boca popular, e por mais que o gameplay seja bom, duvido muito que esse joga vá ter muito gás, ainda mais com FFVII remake no horizonte. Passado os pacotes iniciáis de DLC, bem provavel que a SE deixe esse jogo de lado, e duvido que tenha muita gente que vá pedir mais... Falando em VII remake, 2017? Já? huh.... Até semana passada eu diria que é uma mentira cabeluda, mas depois do novo Marvel Vs Capcom, eu tô acreditando até em papai noel agora.
  13. rpgworm

    Final Fantasy XV

    Bem que eu gostaria chapa Ryo, o problema que para ermos um directo'rs cut, é necessário que o conteúdo extra já estivesse pelo menos integrado no jogo, e foi cortado ou por tempo para polir e dar o acabamento final, ou por design, para não deixar o jogo desnecessariamente longo e cansativo. O problema de FFXV é que simplesmente não há conteúdo extra, o que dava, eles socaram no jogo, e no final tiveram que remendar com o pouco que tinham para pelo menos ter m início, meio e fim coerentes, e olhe lá. Não que FFXV tenha cortes, muitos, o problema é que não foi conteúdo extra, mas sim o jogo ser radicalmente mudado em questões de meses devido aos caprichos dos produtores e a incapacidade de fazer a engine deles funcionar apropriadamente. Dêem uma olhada no trailer de anúncio do jogo em 2013: Nesse trailer mostra claramente que Noctis estava em Insomnia durante a invasão do império, que seria muito melhor e mais impactante em ver (e jogar) o príncipe perder o seu reino e ter que fugir, e a luta contra a Leviathan está completamente diferente (e no jogo final, bem mais sem graça) . Ou seja, o começo da história foi radicalmente mudado, a invasão agora virou o filme Kingsglaive, que não é ruim, mas também não é muito mais que uma propaganda glorificada, e a luta contra a leviathan foi mudada porque eles não conseguiram que a engine funcionasse a toda capacidade no PS4 (ou seja, o que eles mostraram no trailer é footage o jogo direto da engine). Que o jogo mude durante a produção é normal, mas um projeto só anda para frente quando certas coisas já são colocadas na pedra andes de começar a trabalho braçal, e uma delas deveria ser a história e o sistema do jogo, se a jogabilidade ou outras coisas não funcionarem de primeiro, bom, para isso existem protótipos, e ai você não gasta dinheiro e tempo em modelar e programar áreas gigantescas que você nem pode usar depois, PORQUE VOCÊS MUDARAM A PORRA DA HISTÓRIA!!!! Mas o foda mesmo são que uma leva de produtores de games Japas que encontraram sucesso na era do playstation 1 e 2 se acham que estão acima de fazer simples "brinquedos" e agora querem fazer "arte". Kojima está mais interessado em fazer filmes com seus amigos de Holywood do que mostrar gameplay, e Tetsuya Nomura queria fazer de FFXV um musical... não sério: http://www.ign.com/articles/2013/06/13/e3-2013-final-fantasy-xv-was-almost-a-musical Nomura foi chutado de FFXV só no final de 2014 como diretor, com a desculpa de "trabalhar" em Kingdom Hearts 3 (outra novela da SE), mas a merda já tava feita, o orçamento estava estourado e simplesmente não há tempo e recursos que façam milagres. Tabata fez o melhor que pode, lançou demos para o pessoal se aquietar, pegou o que podia remendar a cola e cuspe e a SE fez a campanha de marketing mais agressiva da história dos videogames para garantir que pelo menos o jogo não fosse um fracasso completo. E não foi, comercialmente o jogo está indo muito bem, quebrando records, e como disse, o jogo é bom, mas também é incrivelmente frustrante no final.
  14. rpgworm

    Final Fantasy XV

    Terminei, fiz uma maratona no final de semana porque as coisas vão ficar mais ocupadas aqui no natal. Eu adorei este jogo, altamente viciante, combate divertido e intuitivo, e explorar é uma maravilha, pode não ser o maior open world, mas também não é uma vastidão vazia, cada lugar no jogo é único e encontrar novas áreas é incrivelmente gratificante, com uma grande variedade de monstros. Os personagens principais são muito bons também, a interação entre eles é constante e natural, o jogo realmente te passa a impressão que eles são amigos de longa data em uma jornada, e até mesmo o protagonista, Noctis, me impressionou, que apesar do design 2006 angst-emo, ele é bem apresentado, como um príncipe mimado que não consegue comer verduras , mas com senso de responsabilidade, também é bem humorado e usa o sarcasmo para esconder as suas inseguridade (então não, se achavam que ele ia ser um outro Squall ou Lightning, fiquem tranquilos). Não me divirto com um Final Fantasy assim desde o IX (que é o meu favorito), e olha que eu adoro X e XII... e eu gosto do XIII em parte. É um dos meu favoritos e o melhor jogo do ano para mim. Dito isso, é impossível negar que esse jogo foi rushado no final, um trabalho de remendo que mal esconde as marcas de costura que mostra o quanto esse projeto foi problemático e no que afeta muito o jogo e a sua história. Personagens que somem sem explicação nenhuma, outros que mal tem interações com o grupo ou tempo para se desenvolverem, e um vilão interessante, mas também, sem tempo para se desenvolver. Até que na última parte do jogo tem idéias bacanas (como a luta no trem), mas colocando o jogo em trilhos e jogando a história para debaixo do tapete acaba afetando o jogo, ainda mais quando é óbvio que a intenção do jogo era contar muito mais. E não foi só a história que foi afetada, dungeons finais tem pouca inspiração (com exceção de uma parte) e o chefe final, embora visualmente impressionante, não tem desafio algum. Foi nas coxas e para colocar o jogo porta a fora. Claro que muita gente jogo pela a jogabilidade, e Final Fantasy nunca teve histórias espetacularmente brilhantes, mas é broxante ver um jogo com esse potencial tendo um final abrupto como esse por causa da má gestão desse projeto e por estourarem o orçamento. Você praticamente consegue ver quando acaba o dinheiro no jogo. Mesmo assim, digo isso, até que enfim a Square Enix exorcizou esse demônio que era Verus-XIII, Tabata está de parabéns por pegar um dos projetos mais conturbados da história de games e conseguir sair dele com um ótimo jogo. Mas FFXV é só isso, um bom jogo. E isso seria o bastante, mas ao ver o potencial de FFXV e ver o jogo se despedaçando na reta final é de partir o coração chapas.
  15. rpgworm

    Players Galeria

    Enquanto espero o FFXV liberar aqui.
×

Informação Importante

Ao utilizar este site, você está automaticamente concordando com os nossos Termos de Uso e regras..