Ir para conteúdo

Melhores usuários


Conteúdo Popular

Mostra conteúdo mais curtido desde 27-10-2020 em todas áreas

  1. 9 curtiram
  2. 8 curtiram
    Vim aqui pra me redimir dos comentários que fiz anteriormente pra NieR: Automata. Jogaço. Alguns problemas, mas jogaço. Acabei de terminar. 100%. Level 99. Todos os finais de A-Z. Modo Hard. (Não deu pra ir de Very Hard no primeiro playthrough pq é praticamente 1-hit kill em tudo que te acerta). Cara, vou deixar as obviedades de lado: char design impecável, trilha sonora foda, sensação de mundo aberto muito boa (ainda que limitado), mas... Uma história com algum grau de complexidade: a história não é complicada em si (e graças a Zeus o Yoko Taro não utiliza de recursos extremamente batidos como viagens no tempo e universos temporais paralelos com linhas do tempo divergentes, né, SquareEnix... Você joga com vários personagens, mas é tudo uma só linha do tempo), mas o nível de profundidade está nos detalhes mesmo. Quase tudo no jogo tem alguma relação com a filosofia contemporânea, a ponto de o primeiro nome dos monstros/personagens remeterem diretamente a personalidades famosas: o Boss “Simone” do Parque de Diversões é uma alusão à Simone de Beauvoir; o complexo de beleza que ele (o monstro) tinha tem a ver com a subversão do padrão estético, que a Beauvoir abordava em vida. O quest-giver Jean-Paul do Vilarejo do Pascal remete ao Jean Paul Sartre, e o romance que ele viveu na vida real com a Simone de Beauvoir é retratado às avessas no jogo. Enfim.... as referências estão todas no jogo a rodo. Descobri-las todas é quase uma tarefa de estudo. Pra quem gosta, há muitos vídeos que “desvendam” as referências do jogo no youtube. Os contras: O jogo demora muito pra “engatar”. O Route A, que leva ao “final A” (final porra nenhuma - o jogo só termina de verdade no E), depois do deleite inicial de se jogar com a 2B pelas primeiras sequências, logo fica um pouco entediante. Eu larguei o jogo várias vezes, umas 4, pra jogar algo mais novo antes. Mas não tem outro jeito, você tem de confiar que é um bom jogo e insistir. No Route B, tudo melhora, e depois do C, aí você já percebeu que tá jogando algo sensacional mesmo. A proposta do jogo é clara: não precisa ter jogado o Nier original ou os Drakengards pra entender esse jogo, PORÉM, CONTUDO, TODAVIA, ENTRETANTO, sempre que o jogo se propõe a tentar te explicar o que aconteceu ANTES da linha do tempo do atual jogo (como a história da Devola e Popola), ele faz um PÉSSIMO trabalho. Horroroso mesmo. Boring, entediante, com linguagem rebuscada literária e/ou textos longos e fragmentados (explicação do Projeto Gestalt). Enfim, muito ruim mesmo. Podiam ter achado um jeito de inserirem essas infos através de quests mais bem elaboradas. Mas enfim não tira o brilhantismo do jogo. 9/10 com louvor.
  3. 7 curtiram
    Whispers tb podem ser classificados como um Deus Ex Machina invertido: elementos da história que surgem do nada pra criar um problema inexistente
  4. 7 curtiram
    Taí duas coisas que me dão birra de pessoas do mesmo espectro político que eu: 1. Dizer como os outros devem se sentir: "mas veja sr. Índio, estão apropriando da sua cultura" 2. O próprio conceito se apropriação cultural como se cultura fosse propriedade privada e não necessariamente entrelaçada e dinâmica.
  5. 7 curtiram
    Ontem à noite eu joguei 3/4 horinhas revezando entre Astro, Miles Morales e Demon's Souls. Bom, com relação à qualidade dos jogos, independentemente do efeito next-gen, não tem muito o que falar, todos são ótimos. Agora sobre eventual efeito "wow", visualmente o único que senti algo diferente foi o Miles Morales no modo com RT, provavelmente foi esse o efeito que fez eu sentir que tinha algo diferente lá, que eu nunca tinha visto no PS4, algo como as partículas no início da geração passada. Agora Demons Souls, que eu imaginei que seria o jogo de tirar o fôlego, pra ser bem sincero, não me impressionou muito não; o jogo é lindo, de fato, lindíssimo, mas parece que toda a técnica utilizada é facilmente adaptada para outros hardwares, você diminui texturas, resolução, efeitos e é isso, prontinho pra rodar até no PS4 base, claro que com certo comprometimento de performance também. A experiência do DualSense com o Astro foi muito prazerosa, como todos dizem, é uma grande evolução do dual shock e realmente dá um gostinho de novidade, talvez a mais relevante nessa janela de lançamento. Mais um pouquinho sobre o console em si, o meu é ultra silencioso sem disco, acho que não tem aquele barulhinho da GPU que muitos estão reclamando. Agora o drive de disco gosta de fazer um pequeno escândalo em alguns poucos momentos, mas nada nível PS4Pro. Não falei sobre a velocidade do sistema, e é de fato um salto bem grande, mas nada muito superior ao Switch, por exemplo, um console que já trabalha com memória flash, com exceção da Store, que realmente é muito mais rápida do que qualquer outra que eu já vi até hoje, por estar integrada à UI. Acho que as minhas impressões iniciais são essas. Tô curtindo bastante brincar com um console novo no lançamento. É o primeiro "high end" que pego no "day one" (atrasou quase 20 dias rs), e o fiz por algumas circunstâncias que não se resumem ao FOMO. Estou "trancado" no apto desde março e VG acabou virando meu entretenimento exclusivo neste ano esquisito. Não tirei férias e viajei pela primeira vez nos últimos sete anos, por conta disso, sobrou um dinheirinho reservado para o lazer. Por fim, acho que existe uma grande possibilidade de essa ser a última troca de gerações como conhecemos (não significa fim dos consoles), então eu quis fazer parte dessa "festa", pois tenho minhas dúvidas se haverá outra com o mesmo hype. De forma objetiva eu recomendo comprar um console novo agora? De jeito nenhum. Os jogos atuais e o salto tecnológico não justificam o investimento, sem considerar eventuais probleminhas ou problemões típicos de lançamento. Continuem tranquilamente com seus PCs, PS4, Xone e Switch por um ou dois anos, ainda são as máquinas ideais pra jogar VG.
  6. 7 curtiram
    CHEGOUUUU MERMÃO PS5 entregaram na hora do almoço aqui, e para uma felicidade maior ainda, menos de uma hora depois chegou o Miles Morales. Crying rivers of tears aqui, passei a tarde jogando. Video game lindo amigos - Que controle é esse, chapas? É tudo o que tão dizendo e muito mais. Insano no nível e detalhamento do haptic feedback. No astrobot, tem uma fase, por exemplo, que cada terreno que você anda é sensação de vibração totalmente diferente e convincente. - Atrosbot é muito bom, quase zerei já. Que baita showcase do controle, além de ser divertido, foi bacana demais ver as várias referências à história do playstation e aos jogos. - Esses gatilhos adaptativos são excelentes e funcionam tão bem que no final da geração ou vai estar todo mundo com o antebraço marombado ou com tendinete. - Miles Morales é um espetáculo gráfico e de produção. Baita jogo de lançamento. - Zero loadings, nem dá pra sentir. Acabaram as pausas para descanso, transição entre custscenes para gameplay estão incríveis. - Quem acha que Ray Tracing é só efeitinho on off supérfluo ainda não teve a experiência dar spot em inimigos escondidos, esquivar de ataques e dominar uma mob porque seu campo de visão aumenta muito com reflexos nos vidros e prédios. - Banam quem fez o design desse video game. O próprio ps5 teve que vir com um stand, caralho, isso porque ele não fica estável por conta própria. Que ideia maluca foi essa? Pra piorar, deixar ele na horizontal o stand não trava, ter que tomar cuidado pra sempre com essa joça. Já baixei bugsnax, mas testarei amanhã, vou curtir esses dois por hoje. Melhoraram os servidores também, baixando bem mais rápido do que aquela lerdeza do ps4.
  7. 6 curtiram
    AKA JOGOS QUE EU NAO JOGAREI EM 2021 Vamos ver se eu amarro mais uma vez. Vou postar só jogo já lançado e provado com bons reviews. O propósito do tópico é catalogar todos os jogos realmente notáveis do ano em termos de crítica, usando a média da OpenCritic. Último ano bom da história dos videojueg0s, aproveitem bem. Vai ser só ladeira abaixo a partir de 2018 2019 2020 2021 2022. Relembrando as regras e critérios utilizados: Remakes aparecerão com um asterisco do lado (em essência o mesmo jogo com assets refeitos, ex. REmake, Shadow of the Colossus). Reimaginings serão considerados jogos totalmente novos (mesmo conceito com mudanças bem significativas de design, ex. Tomb Raider Anniversary, Metroid: Samus Returns, Final Fantasy VII "Remake"). Remasters não farão parte da lista (mesmo design e mesmos assets com mais resolução, frame-rate, efeitinhos on/off, mesmo que tenha um ou outro conteúdo extra, ex. ports de jogos do Wii U). Expansões/DLC de MMOs ou GaaS não são considerados novos jogos. Jogos que estão em Early Access também ficam de fora até a versão 1.0 sair. E o mesmo vale pra jogos episódicos, só entra quando a obra estiver completa, com a nota final sendo uma média das notas de cada capítulo. Jogos lançados exclusivamente no Japão também ficarão de fora. Sempre vai valer a data de lançamento da primeira versão que sair no ocidente, seja americana ou europeia. Outro ponto que vale ressaltar, e é algo que pode ser considerado uma nova regra, é um critério que utilizei no ano passado. Gosto de usar a OpenCritic porque ela agrega todos os reviews que cada jogo recebe, impendentemente da plataforma. Numa época onde raramente existe diferenças significativas entre versões de um jogo, acho a melhor opção porque os jogos ficam sempre com um bom pool de notas e isso elimina a necessidade de ter que escolher de qual plataforma usar a média, como aconteceria se eu usasse a Metacritic. Porém, existem raras exceções onde uma versão de uma ou mais plataformas pode sair completamente cagada, destoando muito de outras versões, e isso acabar detonando a nota geral do jogo na OpenCritic, como aconteceu com Cyberpunk 2077 ano passado. Nesse caso a versão de PC, apesar de bastante bugada, é vinho quando a versão de console é água de esgoto. São duas experiências completamente diferentes, e pegar a média das duas não representa o que cada versão é. Nesses casos, me dou o direito de segregar as notas, usando as médias da Metacritic pra cada versão. Anos anteriores: 2017 2018 2019 2020 _____________________________________________ JANEIRO Hitman 3 -- 86 Cyber Shadow -- 82 Atelier Ryza 2: Lost Legends & the Secret Fairy -- 81 FEVEREIRO Little Nightmares II -- 83 Speed Limit -- 81 Persona 5 Strikers -- 83 Ender Lilies: Quietus of the Knights -- 84 MARÇO Gnosia -- 83 Everhood -- 84 Loop Hero -- 85 Kaze and the Wild Masks -- 82 Monster Hunter Rise -- 88 It Takes Two -- 88 Genesis Noir -- 79 ABRIL Before Your Eyes -- 83 Pac-Man 99 -- 80 Nier Replicant -- 83* Returnal -- 86 New Pokémon Snap -- 81 MAIO Resident Evil Village -- 84 Subnautica: Below Zero -- 83 Mass Effect Legendary Edition -- 88* Rising Hell -- 79 The Wild at Heart -- 79 Knockout City -- 81 Sumire -- 86 JUNHO Virtua Fighter 5: Ultimate Showdown -- 79* Astalon: Tears of the Earth -- 85 Ratchet & Clank: A Rift Apart -- 88 Chivalry II -- 82 Chicory: A Colorful Tale -- 88 Guilty Gear Strive -- 85 Wildermyth -- 86 Roguebook -- 82 Lego Builder's Journey -- 79 Scarlet Nexus -- 79 Sky: Children of the Light -- 83 JULHO Monster Hunter Stories 2: Wings of Ruin -- 81 Boomerang X -- 79 F1 2021 -- 86 Death's Door -- 88 NEO: The World Ends With You -- 82 The Great Ace Attorney Chronicles -- 85 Omno -- 80 The Forgotten City -- 84 Blaster Master Zero III -- 80 FUGA: Melodies of Steel -- 83 AGOSTO Bustafellows -- 84 The Ramp -- 81 Dodgeball Academia -- 79 Axiom Verge 2 -- 80 Humankind -- 80 The Vale: Shadow of the Crown -- 82 I Expect You To Die 2 -- 83 [VR] Psychonauts 2 -- 89 SETEMBRO Pathfinder: Wrath of the Righteous -- 84 FIST: Forged In Shadow Torch -- 81 The Artful Escape -- 80 Tales of Arise -- 88 Life is Strange: True Colors -- 81 Deathloop -- 88 Eastward -- 84 Tails of Iron -- 81 Toem -- 80 Severed Steel -- 83 Diablo II: Resurrected -- 81* Lost Judgment -- 84 Aeon Drive -- 84 Unsighted -- 84 Kena: Bridge of Spirits -- 81 OUTUBRO Bonfire Peaks -- 84 Impostor Factory -- 85 Metroid Dread -- 88 Lone Echo II -- 84 [VR] Gleylancer -- 83 Inscryption -- 84 Gloomhaven -- 82 Resident Evil 4 VR -- 85 [VR] Guardians of the Galaxy -- 82 Age of Empires IV -- 85 NOVEMBRO DEZEMBRO _____________________________________________ FLOPS Balan Wonderworld -- 48 eFootball 22 -- 20 _____________________________________________ BÔNUS - MENÇÕES HONROSAS The Medium -- 75 Habroxia -- 78 Olija -- 78 Blue Fire -- 75 Room to Grow -- 77 Ghosts 'n Goblins Ressurrection -- 74 Bravely Default II -- 78 Mail Mole -- 74 The Climb 2 -- 76 [VR] Root Film -- 76 Space Otter Charlie -- 78 Dandy Ace -- 78 Evil Genius 2: World Domination -- 77 Narita Boy -- 77 Cozy Grove -- 74 Outriders -- 75 Astro Aqua Kitty -- 76 Rain on Your Parade -- 75 World Splitter -- 77 Turnip Boy Commits Tax Evation -- 76 Famicon Detective Club -- 75 Mind Scanners -- 77 Solasta: Crown of the Magister -- 76 Earth Defense Force: World Brothers -- 76 Backbone -- 75 Game Builder Garage -- 77 Minute of Islands -- 75 Dark Deity -- 75 Super Magbot -- 77 Mario Golf: Super Rush -- 73 Disgaea 6: Defiance of Destiny -- 74 Where the Heart Leads -- 75 Mini Motorways -- 78 Samurai Warriors 5 -- 78 Unbound: Worlds Apart -- 78 The Ascent -- 74 Skydrift Infinity -- 77 Eldest Souls -- 75 Black Book -- 78 Road 96 -- 77 Twelve Minutes -- 78 Fracked -- 75 [VR] Tormented Souls -- 75 No More Heroes 3 -- 76 The Big Con -- 73 El Shaddai: Ascension of the Metatron -- 76 WRC 10 -- 76 Ultra Age -- 75 WarioWare: Get it Together! -- 77 Lost in Random -- 78 Cruisn't Blast -- 74 ActRaiser Renaissance -- 76 Steel Assault -- 78 UnMetal -- 77 Hot Wheels Unleashed -- 75 FIFA 22 -- 78 Medieval Dynasty -- 75 New World -- 77 Rainbow Billy: The Curse of Leviathan -- 78 Nickelodeon All-Star Brawl -- 65 Far Cry 6 -- 77 Circuit Superstars -- 78 Back 4 Blood -- 77 A Little Golf Journey -- 78 The Riftbreaker -- 78 Nuclear Blaze -- 77 Unplugged -- 76 [VR] Echo Generation -- 77 _____________________________________________ SUBTITLES: 79-84 85-89 90-94 95-99 *Remake [VR] = VR obrigatório [VR*] = VR opcional
  8. 6 curtiram
    Eu estava lendo essa discussão de vocês e tive que criar um conta pra falar. kkkkk' Eu não joguei o FF7 Clássico ainda, mas a questão aqui é o seguinte. Se é pra fazer um REMAKE, melhora o gráfico pro mais atual, melhora a ambientação e etc mas, não precisa mexer na história que já está pronta, é só seguir o mesmo roteiro, afinal, é um REMAKE. Se é pra fazer algo diferente do original, isso deveria se chamar um REBOOT. "Reboot designa uma nova versão de uma obra de ficção. Um reboot difere do remake e da prequela, que normalmente, são consistentes com o cânone previamente estabelecido. O remake se propõe a refazer um filme ou série de TV, mantendo personagens, eventos, ou mesmo toda a história." Sem mais. Eu curti demais esse Remake, achei muito foda mesmo toda a gameplay e tals.
  9. 6 curtiram
  10. 6 curtiram
    Eu não abomino como o Strife, grande parte do jogo me agradou, até falei que gostei da parte da queda da plataforma até mais que no original. Agora o final sério, vocês que elogiam gostaram realmente daquilo? Preferem seguir um rastro de geleia roxa do que sangue? Toda a cena da morte do presidente Shinra, vocês realmente gostaram daquilo. Eu achei uma pataquada sem qualquer nexo. Todo aquele final é medonho, da a impressão de quererem criar um final mais épico e perderam completamente a mão. Se tirassem os dementadores e refizessem aquela parte final ficaria 9.9 pra mim. Não ligo pro Sepiroth ser revelado e aparecer em algumas cenas, não me incomoda.
  11. 6 curtiram
  12. 6 curtiram
    Informações sobre o mundo e personagens: https://na.finalfantasyxvi.com/ https://blog.playstation.com/2020/10/29/introducing-the-world-and-characters-of-final-fantasy-xvi/
  13. 5 curtiram
  14. 5 curtiram
    A versão completa do Lodoss vai ser lançada dia 27 de Março. Record of Lodoss War: Deedlit in Wonder Labyrinth set for full release 3/27!
  15. 5 curtiram
    Dando uma coveirada no tópico. Vazou a versão do N64 do Dinosaur Planet, que depois virou o Star Fox Adventures no Gamecube, e a DF fez um vídeo sobre.
  16. 5 curtiram
    To felizão com meu Xbox Series S. É basicamente você comprar uma Smarttv para rodar Netflix, Amazon Prime e cia. Conteúdo demais no Gamepass. E joguei Dirt5 aqui e achei bem competente. The Medium não é métrica por ser um aborto mal desenvolvido. GrayFox
  17. 5 curtiram
    Aquele Rodrigo Constantino, q se diz liberal, defende um governo q passou pano pro Ustra, pro Pinochet, cheio de gente envolvida em corrupção como Lorenzoni e cia.
  18. 5 curtiram
    Bom eu vi Elden Ring no começo do ano passado quando a Sony BR e alguns PUB resolveram fazer um mini Destination PlayStation BR. Esse jogo parecia estar em um estado bem avançado de produção e a Namco planejava o lançamento no Q3 de 2020 e com certeza a pandemic fodeu os planos. Fora apenas 5 minutos, mas que me deixam com resquecios da ansidade até hoje. O jogo é literalmente uma ampliação e evolução da formula Souls. Mapa aberto, pontos de interesse 100% visuais sem marcadores, exploração complexa e desafios a cada esquina. Houve uma evolução no combate e uma verticalização bem interessante, tornando armas ranged mais úteis do que nunca. O jogo também ficou mais violento, bem mais e espero que isso seja mantido no jogo final. Lore e setting deu pra perceber uma convolução de mundos igual a que vemos em Souls. Mitologias celta, escandinava e eslava são bem marcantes na construção de mundo. Os 5 minutos foram mais que o sufiente para meu hype e o do meu chefe explodirem na calça. Pena que nesse evento só tinha varejista e quase nenhum joga esse tipo de game. Esperem um jogo grandioso, com level design ainda mais complexo e uma exploração ainda mais interessante.
  19. 5 curtiram
    1 semana e meia de Series S amigos. Realmente o que falam: é o videogame do Gamepass. E sinceramente estou me surpreendendo positivamente com o serviço. Alguns exclusivos bons e uma pancada de jogos da última ou penúltima geração que fatalmente a gente acaba deixando escapar. Assim que peguei terminei Ori Will of the Wisps ( MARAVILHOSO e rodando a 60fps 4k ), terminei um Overcooked2 com a semi-patroa ( usando um controle de One que estava largado aqui ) e agora entrando no Fallen Order. Jogo até legal com boa história e exploração. Uma pena que parece com problemas na retrocompatibilidade: algumas vezes o jogo trava e reinicia ou da uns efeitos estranhos na tela. Joguei outros jogos em paralelo até para testar o Quick resume como Fifa20, Gears 5, que também está muito bonito, Doom Eternal rodando liso e Rome. Esse último está impraticável na retro. Quando ele roda, roda liso. Mas o jogo trava toda hora no loading e tela de início. Outro ponto foi ter jogado rapidamente Cyberpunk2077. Jogo roda liso mas eu deixei de lado e estou esperando o patch next gen. De qualquer forma hoje tenho uma opinião diferente ao Series S. Para mim que estou com o Switch sem chip pra destravar e Ps4 sem jogos novos, ta valendo a pena demais ainda mais pelo Gamepass. Vamos ver com o decorrer da geração quando chegarem os jogos exclusivos. GrayFox
  20. 5 curtiram
  21. 5 curtiram
    Depois de muito muito tempo sem jogar muita coisa, numa mistura de falta de tempo, dinheiro e animo(o meu ultimo console foi um ps2 lol), voltei a me empolgar pra voltar aos gueimes e comprei um xbox series s nessa black friday(quase o preço de um ps4 lol), valeu muito a pena pra mim porque não tenho tv 4k, não vou jogar mais que 3 jogos ao mesmo tempo e tenho um backlog enorme desse gap ai que deixei na ultima decada lol, e o gamepass também foi importante pra decidir, meti 26 meses de live + gameapass por uns 350, coisa linda. Com o xbox em mãos testei muita coisa, mas acabei ficando completamente preso no Witcher 3, essa porra é crack puro, mermão. Nem sou "complecionista", mas dá vontade explorar cada pedaço do mapa, ler tudo, fazer tudo. Se eu não tivesse que estudar e trabalhar passava o dia todo nessa merda.
  22. 5 curtiram
    Eles tão caminhando pra uma Netflix da vida. Vão sair clássicos? Óbvio que vão. Mas entre eles vai ser um shitsunami de jogos genéricos pra dar e vender, porque eles precisam manter as pessoas assinando o serviço e ninguém dá conta de ter fluxo bom assim, todo mês. As pessoas precisam pagar a mensalidade pra eles. Netflix começou barato e trazendo filmes conhecidos pra ganhar corpo de assinantes. Quando estabeleceu uma base boa, começou a só produzir conteúdo original, praticamente - diria que hoje 90% do que tem lá é isso ou catálogo que vai e volta de tempos em tempos. Claro que de meses em meses tem filmes bons, principalmente de diretores consagrados, mas aí você assina aquele mês, mata o que tem vontade, e depois cancela. Gamepass vai acabar sendo a mesma coisa. Só que na Netflix você não tem que comprar um aparelho que custa 5.000. Se você assinar o Gamepass por uma geração (5 anos?), você ainda gasta mais 2.700. Eu acho que sinceramente vou ficar quieto no PS5 com promoções e jogar o imperdível de Xbox no PC. Não vejo mais o que me sustente pagar 5k + assinatura ao invés de focar onde tem os jogos que costumo gostar mais (japoneses). Halo, Gears e Forza não sustenta esse gasto extra hoje pra mim. Os consoles mais que dobraram de preço pra geração anterior, quando comprei todos. Com o que eu paguei no PS4 + Xbox + Switch eu compro só o PS5 hoje em dia. Falaram que a MS tá conversando com developers japoneses, aí já fico mais interessado. Mas não me empolgo mais...
  23. 5 curtiram
    O character design é na verdade do Kazuya Takahashi, ele tem um estilão bem parecido com o Akihiko Yoshida mesmo e trabalhou tb no FFXIV. Lembra um pouco também a arte de Tactics Ogre (que por sua vez teve, de fato, participação do Yoshida na arte). Tão lindas essas imagens e a direção que o jogo tá tomando dá um pouco de esperança mesmo.
  24. 4 curtiram
    Ontem finalmente terminei Star Wars Jedi: Fallen Order. Jogão mesmo, melhor jogo de SW disparado, com folga, superou o primeiro Force Unleashed. Não esperava aquela aparição especial no final. Daí enquanto via qual jogo novo ia jogar em seguida, acabei indo para "velharia" Por acidente descobri a existência de uma versão modificada do emulador Dolphin, chamado Ishiiruka Dolphin, voltado para perfomance. Resolvi testar no The Last Story, o jogo da Mistwalker que sempre quis jogar (me passa vibes de Vagrant Story) e pqp, roda liso em HD a 60 fps! Só para testar eu não alterei nenhuma configuração do Dolphin normal (5.0), usei as mesmas no Ishiiruka, e a diferença é brutal, esse jogo era o único injogável que eu tinha testando antes no emulador de GC/Wii. Algumas imagens tiradas direto: Jogo novo pra que né. RDR2 que aguarde.
  25. 4 curtiram
    Acho que isso demonstra muito mais o quanto a qualidade do gênero nos dias atuais, considerando que um jogo com recursos técnicos escassos foi muito mais impactante (e continua sendo) do que um remake com todos os bells e whistles possíveis. Afinal de contas, FFVII saiu um pouco antes ou na mesma época que verdadeiros marcos do gênero, como Xenogears, Final Fantasy Tactics e Breath of Fire III, além de ter feito frente a verdadeiras pérolas da era SNES, como Final Fantasy VI e Chrono Trigger. Enquanto isso, Final Fantasy VII Remake competiu com um remendo chamado Final Fantasy XV, uma série Tales of extremamente decadente, aqueles jogos de quem curte pedofilia... Quando a competição é baixa, se vc faz 70% das coisas certas, ele é classificado como suprassumo mesmo Por isso que eu torço muito por Final Fantasy XVI. Tá mais do que na hora das pessoas lembrarem o que é um Final Fantasy BOM de verdade.
Líderes está configurado para São Paulo/GMT-03:00
×

Informação Importante

Ao utilizar este site, você está automaticamente concordando com os nossos Termos de Uso e regras..