Ir para conteúdo

Melhores usuários


Conteúdo Popular

Mostra conteúdo mais curtido desde 11-01-2021 em todas áreas

  1. 3 curtiram
    Exatamente. O simples fato do Sephiroth aparecer toda hora e de você enfrenta-lo em Midgar é algo totalmente oposto a "ousadia". É um fan service que escancara a insegurança deles, pois mostra que ficaram com medo de deixar um personagem tão ligado a marca do FFVII de fora do jogo. Ousadia seria mantessem fiel ao original, pois o jogo encerraria após a fuga de moto, sem um chefe final super epico (na real, o chefe final do remake era pra ter sido aquela maquina que a Aerith e o Barret enfrentam quando estão saindo do prédio da Shinra). Se o final seria anti-climático ou sofreria da falta de um chefe "épico" isso é um problema exclusivamente deles, já que resolveram dividir o jogo em partes, sendo a primeira terminando em Midgar. Se fizessem um remake completo de FFVII, eles teriam o chefe epico no final e poderiam agradar os fanboys tranquilamente, sem estragar a história. Dito tudo isso, é até irrelevante discutir esse negócio de ser ousado ou não. A questão aqui é que a Square prometeu uma coisa e entregou outra. Entregar outra coisa, nesse caso, não é "ousadia" e sim pura e simples propaganda enganosa. É tipo eu falar pra voces que tô escrevendo um romance e entregar um livro de poemas. Pode até ser que muitas pessoas acabem gostando do livro de poemas que escrevi, mas acho que é inegável que eu poderia ser criticado (e com razão) por ter entregado algo diferente do que prometi. Enfim, acho que deu pra entender o porque da frustração.
  2. 3 curtiram
  3. 3 curtiram
    O problema não é a subversão de expectativa em si. É o fato da subversão de expectativa ser ruim mesmo Eu não me importaria em ver modificações pesadas no enredo se elas fossem de qualidade. Uma parte icônica que eu inclusive citei aqui no tópico seria É o problema fundamental do Nomura e da sua equipe de maneira em geral. Eles acham que complexidade no enredo = qualidade de enredo. A série Kingdom Hearts é um trope ambulante de como uma história que se embolou tanto que virou uma coisa de dar dó. E nada me incomodou tanto quanto os dementadores em FFVII. Sinceramente, já seria um enredo mil vezes melhor se eles simplesmente não existissem em lugar nenhum do jogo. Podia deixar o Sefiró aparecendo de 15 em 15 minutos, os fillers, o PG-13 o "esse é um jogo novo!".
  4. 3 curtiram
    Beto você está perdoado por esse pecado do qual muitos de nos também somos culpados (com reincidência no ato inclusive...Mea culpa!). Vá tranquilo e de consciência limpa...aguardo sua confissão após o próximo relançamento da Nintendo. Tente ficar longe dos Amiibos.
  5. 3 curtiram
    Ah meu deus... Olha esse conteúdo do Bowser´s Fury. Agora eu "preciso" recomprar esse jogo
  6. 3 curtiram
  7. 3 curtiram
    Strife lendo os posts do Roffer e do Lockhart
  8. 3 curtiram
    Caralho. Call of Duty Black Ops em trigésimo lugar com suas sete mil cópias vendidas é o único jogo que não é do Switch a entrar no top 30. Japão é Nintendo Land tem tempo, mas essa semana aí foi demais. PS5 mendigo no Japão, meta é vender mais que o Virtual Boy.
  9. 3 curtiram
    Entendi, mas, se a Sony pusesse retro e os jogos na PSN para compra ? Eu por exemplo compraria, não tive PS3, mas, a galera que tem ia ficar puta kkkkkkkkkk
  10. 2 curtiram
    Resolvi criar o tópico pois já tem bastante informação (saiu mais no PS Blog) e tudo sobre o jogo estava jogado lá no tópico do PS5. Trailer de anuncio: Gameplay reveal: Combat Trailer: Balelas com os devs: Informações mais recentes diretamente do PS Blog: Returnal combat details: Upgradable weapons, otherworldly tools, and risky buffs How Housemarque is equipping you to survive its upcoming PS5 action shooter. Hi everyone! I hope you’re enjoying the recent videos we’ve shared about Returnal. With this latest update we wanted to share some more details about the gameplay, which we know you’ve all been looking forward to. With Returnal we’ve aimed to blend a unique mix of game styles. It combines our trademark explosive arcade action, responsive controls and bullet hell gameplay, and this time it’s all presented in third-person. There will be fast and frenetic combat and intense gunplay, and also some rich exploration and traversal as you explore the procedurally generated environments of Atropos. We’ve created Returnal to be a challenging and rewarding experience, with enough variety and depth to keep you always coming back for “one more go”. From lightning to tentacles Selene will have many weapons and devices at her disposal to survive on the hostile alien planet Atropos. Some she’s brought with her – others she’s found and made her own. The above video shows some of the various abilities you’ll find while playing Returnal which we’ll dive into below. The game features a number of base weapons that are augmented as you play. For example, the living Spitmaw Blaster weapon starts as a shotgun archetype you all know and love. As you progress, you’ll unlock and add on various Weapon Traits, each providing a unique gameplay modifier to the base weapon’s behavior. These Weapon Traits are custom tailored for each gun type – so your Spitmaw Blaster might gain exploding shells or generate acid pools upon impact; while the Electropylon Driver might extract extra loot from enemies, or generate shields for the player. These Weapon Traits will also stack, so the combined effects can lead to many surprising results that can have unique advantages and playstyles to explore. Each weapon will also have an alt-fire mode randomly assigned to it from our diverse pool, ranging from the electrical impulses of the Shockstream to the tentacles of the Tendrilpod, and everything in between. These can be used without ever taking your finger off the trigger using the default control scheme: with the adaptive trigger on the DualSense controller, just press L2 halfway to aim down the sights and use the main fire of your weapon, and squeeze it all the way down to enter your alt-fire mode. With 10 base weapons, more than 90 Weapon Traits (each with three levels)and 10 alt-fires, there are numerous weapon combinations to test out on your journey. While new weapon drops are frequent, Selene can only hold one weapon at a time, so your choice is important. Different challenges and enemies will also require different strategies to overcome, so you’ll need to be constantly adapting, experimenting with different weapons, and developing your skills to survive on the hostile planet of Atropos. Making progress For Selene, death is no escape. Each death sends Selene to the start of the time loop, just moments before crashing on the planet. Most abilities and items collected on the previous cycle will be lost…but not all of them. Some persist across sessions, so you’ll still make progress every cycle. ...menino lindo da mamãe... One of these persisting elements is the mysterious Cthonos, an alien device that generates a random item at the beginning of each cycle. This otherworldly device is tracking your performance, and when enough progress is accumulated you will be rewarded with a brand new item for immediate use, which will also be permanently added to the pool of available loot from that point on as well. The items you earn or discover as you explore the planet Atropos will change the way you play and offer a wide array of effects and strategic options for Selene. They can be offensive Tools like the Dismantler, a smartbomb-style explosion which annihilates all enemies around you; defensive consumables like the Kinetic Siphon, which restores Health through melee kills; or more strategic Artifacts that give Selene some unique advantages under certain conditions. Risk and reward There’s plenty of loot to be found on Atropos, but be wary that not all that glitters is gold. Some items, called Parasites, have both positive and negative effects. You’ll need to think twice before picking up a Parasite that, for example, regenerates you while at low health but also causes enemies to leave behind a pool of acid on death. Collecting Parasites will often feel like a risky decision, but there are multiple other scenarios that can help shift the odds in your favour, like for example carrying an Artifact that can increase your max health for every Parasite you’ve attached. There are many other cases where risk and reward will come into play, which can all drastically alter how each cycle plays out. You might encounter a “cursed” container that can be holding valuable loot, but opening it might trigger a random Suit Malfunction which, for example, can damage Selene every time she uses door and chest opening Keys, and can only be repaired by collecting a large number of obolites. Obolites can be exchanged for valuable items to increase your chances of survival, but if you’re on a good run you might prefer to spend them on activating a checkpoint – die and you’ll resurrect there with your current items and abilities, rather than restarting the cycle. These are just a few quick examples of the many interesting scenarios and tough decisions you will be facing. Returnal will be available starting March 19. Stay tuned as we bring you mode details in the upcoming weeks. https://blog.playstation.com/2021/01/13/returnal-combat-details-upgradable-weapons-otherworldly-tools-and-risky-buffs/ Returnal Dev Looking To Offer PS5 Gamers ‘Unlimited Replay Value’ The developer behind Returnal has revealed that it’s aiming to give PS5 gamers ‘unlimited replay value’ for the upcoming title, which sees players attempting to break free of a death loop while navigating an inhospitable and brutal planet. https://www.psu.com/news/returnal-dev-looking-to-offer-ps5-gamers-unlimited-replay-value/ Pelo visto estão empenhados e querem ferrar legal com o dia e a vida da Selene.
  11. 2 curtiram
    Crash Team Racing Nitro-Fueled (PS4) - Gosto do gênero, e como não tinha jogado o original de PS1, resolvi arriscar. Realmente é tudo o que disseram: é um dos clones do Mario Kart com jogabilidade mais aprofundada, Gráficos arrasadores e dificuldade extremamente elevada. Se você não dominar o Drift e os Pulos, é impossível de chegar em primeiro (só passa de fase se chegar em 1º). Quase desisti do jogo já na circuito do Esgoto, porém resolvi dar uma chace e continuei. Uma coisa percebi que tornaram as coisas um pouco mais fáceis foi mudar o estilo do Kart para uma maior velocidade final (em detrimento da dirigibilidade). O ponto negativo tecnicamente falando são os loadings demorados. Cuphead (PS4) : Grande surpresa! Adorei o jogo em todos os sentidos....Impressionante o que fizeram com os gráficos e animações. Músicas fantásticas....e dificuldade elevada. Vi que nas fases de avião eu passo relativamente bem (talvez os anos de prática nos jogos de navinha...). Nas outras fases, quando o stress e a frustração vem depois de morrer 50x, é parar um pouco e jogar um Tetris Effect para relaxar.
  12. 2 curtiram
    A coisa mais interessante de FFVIII é a teoria completamente louca que
  13. 2 curtiram
    Como assim foram ousados e não arroz com feijão? Olha toda a sequência no prédio da Shinra, terminando com fumacinha saindo do peito do véio. No original era outro clima, uma trilha de sangue, gente morta pra todo lado, os eventos tinham uma apresentação e um peso brutal. Toda parte de Midgard do original tinha outro tom. O que o remake fez é que é o normal da indústria atualmente. Ousado seria manter uma representação fiel, isso sim. E sobre ser "easy money", só de ter Final Fantasy 7 no título já seria de um jeito ou de outro, mas quer mais easy money ainda do que estampar Sephiroth na tela o tempo todo como já foi dito exaustivamente nesse tópico? Não tô nem dizendo que o jogo é ruim ou nada do tipo, que fique claro. Mas falar que saíram do seguro e foram ousados no remake é sacanagem. Tirando a parte técnica, que obviamente é um avanço, o que fizeram foi pegar o original e transformar numa versão de espetáculo visual publicitário family friendly.
  14. 2 curtiram
    Indiana Jones inspirou Tomb Raider, que inspirou Uncharted, que inspirou Indiana Jones. A parada fez um loop doido.
  15. 2 curtiram
    E depois me julgam por ser puta da Nintendo.
  16. 2 curtiram
    Aproveitando o Gamepass aqui no Series S: Ori Will of the Wisps: JOGAÇO. Engoli o jogo e terminei em questão de poucos dias e ele roda lindamente no S com 4k, HDR e 60 fps. Vou fazer o caminho contrário e jogar o primeiro agora. Star Wars Fallen Order: Começa médio, melhora bem durante 80% do jogo mas os últimos 10% são sofríveis. Mas serve como um ótimo "Dark souls like" apesar de uma quantidade aburda de bugs. Recomendo. Agora peguei o Gears 5 pra jogar. Impressionante como a fórmula desse jogo já cansou demais mas como terminei todos os outros vou jogar a duras penas aqui. GrayFox
  17. 2 curtiram
    Donkey Kong Tropical Freeze de Switch. Maravilhoso.
  18. 2 curtiram
    Convenhamos que eles não estão errados. O PS3 é sim um sistema bem complicado de se emular e o próprio RPCS3 ainda está longe de ser um emulador perfeito, mesmo tendo uns 10 anos de vida. Pra vc ver, a Microsoft fez um trabalho homérico pra conseguir habilitar uma retro em consoles que, teoricamente, teriam uma compatibilidade intergeracional mt maior, já que usam estruturas x86 mais "convencionais" por assim dizer, imagina um Playstation, que utilizou estruturas PowerPC customizadas até o cu piar? Não a toa que a retro PS3-PS2, pra quem não lembra, era feito via hardware. A parada é tão escrota que acharam melhor enfiar um mini PS2 dentro do console do que fazer uma retro via software Faz pouco tempo que tivemos emuladores realmente bons de PS2, o que mostra que esse hardware customizado da NASA tinha o seu preço e, hoje, ninguém vai por esse caminho. Dito isso, minha passada de pano só vale pro PS3. Não tem nenhuma razão pro PS5 não ter emulação via software de PS1 e PS2, nem que seja limitada para títulos exclusivos, na mesma pegada do XBOX.
  19. 1 curtiu
    Ou seja, tudo que enfiaram de novo. Se fizesse um remake de verdade com a história original, seria melhor. Não teve uma mudança para positivo. Mas é inevitável que vão inventar todas as desculpas imagináveis para defender fan fic de Kingdom Hearts sendo enfiada goela abaixo. Tem que justificar a compra do jogo. Digo, da primeira parte do jogo
  20. 1 curtiu
    Tem umas 5-6 "sidequests" (na verdade, sequencia de algumas quests) realmente memoráveis e algumas dessas só aparecem mais para frente. É o tipo de coisa que quem não explora vai passar batido bonito. É o tipo de jogo que não pode focar na main e zerar com 30 horas não. ps. Esperando esse jogo ser modado até virar ao contrario. Potencial para isso tem.
  21. 1 curtiu
    Easy money mesmo. Dividir um jogo completo em várias partes por incompetência e ganância sabendo que povo vai comprar, e que o nível é tão baixo que gostam até de fan fic de Kingdom Hearts no lugar de história boa
  22. 1 curtiu
    Vai no Fallen Order, pelamor de deus
  23. 1 curtiu
    É Sonic & Knuckles vindo pro Xbox
  24. 1 curtiu
  25. 1 curtiu
    https://meups.com.br/noticias/final-fantasy-vii-remake-2-captura-movimento/ Xiiiiiii.... EU ACHO ATÉ QUE VAI ROLAR UMA ENQUETE AOS MOLDES VOCÊ DECIDE GLOBAL SOBRE A MORTE DELA. TIPO CRIANÇA ESPERANÇA... DEVE MORRER ? LIGUE 0800666 NAO DEVE MORRER? LIGUE 0800555 "Asuka Yoshikawa, a atriz que captura os movimentos de Aerith Gainsborough, usou seu Twitter para revelar ter trabalhado em uma sessão de gravação por quatro horas ao lado do intérprete de Sephiroth." " Aerith e Sephiroth não interagem muito no título original. Portanto, é possível que os atores tenham gravado uma versão estendida do encontro de ambos em Forgotten City. Ao mesmo tempo, a Square Enix já trouxe certas alterações ao rumo da história, o que não seria surpreendente se uma cena inédita ocorresse"
Líderes está configurado para São Paulo/GMT-02:00
×

Informação Importante

Ao utilizar este site, você está automaticamente concordando com os nossos Termos de Uso e regras..