Ir para conteúdo
Ate Cubanos

O que vocês estão jogando, pederastas?

Posts Recomendados

Pretendia aproveitar o post-game de Death Stranding mas cansei um pouco de caminhar e tô com 4 jogos muito promissores de PS4 aguardando.

 

Então fiz o começo de Red Dead Redemption 2. Muito me impressionou o nível da narrativa e o requinte do gameplay, promessa de um jogo inesquecível.

Não joguei o primeiro; aliás, nunca terminei algum jogo da Rockstar, só joguei um pouco de GTAIII, Vice City e LA Noire.

 

No Switch tô no capítulo 5 de Baldur's Gate 2. Esse ainda vai longe, tem a expansão Throne of Baal também.

Compartilhar este post


Link para o post
15 horas atrás, Seth Angel disse:

Comecei Star Wars Jedi: Fallen Order

Mano, que vibe! 

Excelente começo!

acho que vou empolgar hahaha

quero muito jogar.

 

Acabando The Witcher 3 vou pegar ele

Compartilhar este post


Link para o post

Terminei Nioh.

 

Fiz praticamente todas missões, só não consegui umas 3 extras que eram 2 bosses ao mesmo tempo lol, muito desafiador o jogo,  muitas vezes horas parecia que não ia dar pra terminar o jogo lol, mas uma noite de sono e aparecia umas ideias e dava pra avançar. Lembrei muito de Onimusha enquanto jogava, é um jogo que merecia remake ou uma continuação.

 

 

Compartilhar este post


Link para o post
Em 15/01/2020 em 09:11, Zero Byte disse:

Jogando Soul Calibur 6 nesses tempos...

 

O jogo é bem feito, mas é impressionante como ainda não conseguiram fazer um modo mais satisfatório ou tão satisfatório quanto o Crônicas da Espada do 3. O correspondente no 6 (Libra das almas), por exemplo, é bom, mas cansa logo. O grande barato do Crônicas da Espada era montar uma estratégia e espalhar o time pelo cenário. Também era bacana ver o time destruindo as estruturas do cenário e os bonequinhos se matando antes da luta propriamente dita.

Sdd desse modo do III. Joguei muito por causa desse modo, época boa sem os lixos de DLCs, tudo sendo destravado jogando os modos do game. 

 

Ainda não terminei o libras, devo estar perto do fim mas sem vontade de voltar.

Compartilhar este post


Link para o post
Em 15/01/2020 em 11:24, Sub Zero disse:

Justamente, comecei a jogar e parei. Criando coragem para retornar.

 

12 horas atrás, Arngrim disse:

Sdd desse modo do III. Joguei muito por causa desse modo, época boa sem os lixos de DLCs, tudo sendo destravado jogando os modos do game. 

 

Ainda não terminei o libras, devo estar perto do fim mas sem vontade de voltar.

 

Quando joguei o Libra das Almas na primeira vez, perdi horas e horas indo em missões avulsas após o quarto capítulo, porque a rota deixa de ser automática. Se não fosse o meu sobrinho me dizer aonde ir, talvez eu ainda estivesse jogando essa partida até hoje... Até nisso os caras pecaram.

 

E sim, era bom naquela época porque tudo era destravado jogando. SC 6 é relativamente pobre em roupas e acessórios em relação ao 3, por exemplo. Algumas coisas podem podem ser destravadas jogando, mas o resto.... Tem que comprar na net. Ô mundo desgraçado em que só se pensa no lucro...

Compartilhar este post


Link para o post
14 horas atrás, Leonhart disse:

Terminei Nioh.

 

Fiz praticamente todas missões, só não consegui umas 3 extras que eram 2 bosses ao mesmo tempo lol, muito desafiador o jogo,  muitas vezes horas parecia que não ia dar pra terminar o jogo lol, mas uma noite de sono e aparecia umas ideias e dava pra avançar. Lembrei muito de Onimusha enquanto jogava, é um jogo que merecia remake ou uma continuação.

 

 

 

O 2 sai agora em fevereiro não é?

Compartilhar este post


Link para o post
Em 16/01/2020 em 14:40, hoel disse:

quero muito jogar.

 

Acabando The Witcher 3 vou pegar ele

 

 

Eu tô gostando, chapa. Já com umas 12 hrs de jogo, deu pra ver que é um jogo bom.

 

Parece que a história vai se desenrolar legal... Tal qual o Rogue One, é um Episódio 3.5 da vida, passado entre a pré trilogia e a trilogia original. Tem potencial.

 

Eu queria que o sistema de batalhas fosse um pouquinho mais responsivo, mais rápido (às vezes quando você está no meio de um combo e quer mudar pra outra sequência de golpes ou simplesmente esquivar, existe um certo "input lag" de comandos que te atrasam). 

 

Joguei no nível de dificuldade 3 de 4 (me fugiu o nome específico) e achei BASTANTE desafiador. 4 de 4 deve ser só pra malucos. 

 

Um amigo que jogou casualmente disse que achou os cenários muito iguais de planeta pra planeta, mas isso não tem me incomodado. Agora, eles são enormes. Cheguei num planeta aqui que mais parecia um Grand Pulse da vida.

Compartilhar este post


Link para o post
19 horas atrás, Seth Angel disse:

 

 

Eu tô gostando, chapa. Já com umas 12 hrs de jogo, deu pra ver que é um jogo bom.

 

Parece que a história vai se desenrolar legal... Tal qual o Rogue One, é um Episódio 3.5 da vida, passado entre a pré trilogia e a trilogia original. Tem potencial.

 

Eu queria que o sistema de batalhas fosse um pouquinho mais responsivo, mais rápido (às vezes quando você está no meio de um combo e quer mudar pra outra sequência de golpes ou simplesmente esquivar, existe um certo "input lag" de comandos que te atrasam). 

 

Joguei no nível de dificuldade 3 de 4 (me fugiu o nome específico) e achei BASTANTE desafiador. 4 de 4 deve ser só pra malucos. 

 

Um amigo que jogou casualmente disse que achou os cenários muito iguais de planeta pra planeta, mas isso não tem me incomodado. Agora, eles são enormes. Cheguei num planeta aqui que mais parecia um Grand Pulse da vida.

Terminei recentemente e não achei os planetas parecidos não. Até porque cada planeta é enorme.

 

Sobre a crítica dos controles eu concordo, ainda mais que vim de sekiro para esse jogo é lá os controles são bem afinados.

 

A dublagem desse jogo também ficou muito bacana.

Compartilhar este post


Link para o post

Voltei para o Star Wars Jedi Fallen Order, e putz, que jogaço, to curtindo demais.

É um metroidvania 3D com Dark Souls e toques de Tomb Raider, bem o estilo de jogo que eu curto.

O sistema de batalha passa mesmo aquela sensação de ser um jedi, se você vacilar é caixão, e olha que eu to jogando no normal.

Compartilhar este post


Link para o post

Enquanto espero o próximo evento do Iceborne, voltei pra terminar o Spiderman PS4, curti bastante o game, talvez caia um pouco na repetição dos open worlds enquanto você tá tentando fazer sidequests pra colecionar upgrades e talz mas o game é muito bonito e divertido, e fica cada vez melhor a medida em que você adiciona mais ferramentas e movimentos. Estou até com vontade de platinar mas fazer 100% dos distritos é um tanto tedioso pois depende de umas quests aleatórias que aparecem no mapa.

Compartilhar este post


Link para o post

Meu primeiro jogo terminado esse ano foi Sundered: Eldritch Edition,  Metroidvania desenhado a mão, foram 15 horas de jogo, o game além de muito bonito tem diversas habilidades bem interessantes, Bastante chefes, porém uma variedade bem baixa de inimigos, ele funciona com um sistema de horda, no qual se você ficar demorando muito em uma parte do mapa começa a vir cada vez mais inimigos, tem uma arvore de evolução bem grande, tanto que fechei o game e ficou faltando uns 30% dela.

Minha maior critica para o jogo é o último chefe, que é naquele estilo ultra apelão, tive que baixar a dificuldade no game para conseguir passar dele, felizmente o game permite você fazer isso, porque se não deixasse acho que teria abandonado nele, dessas 15 horas foram pelo menos umas 3 tentando passa-lo. Até mesmo quando baixei a dificuldade morri umas 10 vezes ainda até conseguir derrota-lo.

O esquema para passar dele é evoluir toda a arvore de habilidade, mas se for fazer isso vai ser obrigado a farmar pelo menos umas 5 horas.
 

Compartilhar este post


Link para o post

Terminei Halo Reach, dessa vez jogando no Heróico e em 4k, o jogo continua excelente, envelheceu muito bem e com esse modo enhanced ficou melhor do que era.

É um Halo com história fechadinha, missões bem variadas, vários veículos e armas a disposição, com uma IA de fazer inveja até os jogos atuais, muitos consideram o melhor Halo já feito se tratando do single player, e não tenho como tirar a razão de quem acha isso.

Compartilhar este post


Link para o post

Jogando Trials Frontiers (Android). Creiam ou não, é uma experiência muito boa de Trials. Recomendo.

Compartilhar este post


Link para o post

jogando Nier Automata, segundo gameplay, indo pra o final B

 

gameplay lindo

4k no pc lindo

tesao de ideias nesse jogo

 

e Taro e genio, consegue fazer vc ter empatia por robos Androids (pense no simbolo do android google mesmo) que se comportam e tem sentimento como humanos

 

as musicas sao magnificas a altura do seu antecessor que e tranquilo top 5 todos os tempos

 

ainda em historia nao tem aquela coisa tao pessoal que Nier original e o quarteto  magnifico de Weiss, Nier, Emil e Kaine

principalmente Weiss, fabulosa a dublagem daquele jogo

 

 

 

aquele boss do circo e um dos meus preferidos, uma robo doente mental com complexo de beleza

 

bacana que os robos emulam os sentimentos de seus ex donos - porem de forma muitas vezes distorcidas, com ate uma certa inocência

um tema bem diferente do Nier original , o que é otimo e da identidade propria a historia desse Automata

 

 

 

In another game, this would be the final boss. In a Yoko Taro game, this is basically a throw-away midboss.

 

jogaço demais

 

 

 

 

 

 

Compartilhar este post


Link para o post

Terminei no Switch a maratona Baldur's Gate, agora o II + Throne of Bhaal.
Mais conteúdo, mais habilidades, história superior, muitas escolhas e ainda mais personagens recheados das mais variadas interações; não surpreende que essa combinação oferece mais de 1.5 milhões de palavras entre tantas variáveis e apesar da linearidade da história central certamente seria possível completar duas partidas bem distintas.
Finalmente oferecem mais de um final mas só veio no ToB.
Meu grupo como sempre esteve composto por Viconia, Edwin e Dorn (gostaria que retornassem em Baldur's Gate 3). Dessa vez completou o time Hexxat (esperava mais dela) e Korgan (ok)=>Sarevok (top).
O vilão do jogo base não empolga.
Dois bugs perigosamente bloquearam o avanço, felizmente havia saves anteriores não muito distantes.

 

Retomei Atelier Ryza no mesmo console, agora já lançou todos os dlcs.

 

Tava mais por jogar RDR2 ou Code Vein no PS4 mas não tá dando oportunidade, portátil tá atendendo bem melhor no momento.

Compartilhar este post


Link para o post

Comecei uma porrada de coisa, mas não termino nada:

 

Tô há meses no sétimo capítulo de Celeste.

 

Comecei o remake de Ni No Kuni e também larguei. Mas querendo continuar.

 

Inside tá na metade e eu estava gostando muito. Também preciso voltar, até pq é curto haha.

 

E ontem fiquei sabendo que Shadow of the Tomb Raider vai sair do Gamepass, então comecei ele e tenho até o dia 15 pra terminar. Galera reclamou, mas estou gostando bastante.

 

Thomas Was Alone joguei umas 60 fases já e essa porra não acaba.

 

É isso.

Compartilhar este post


Link para o post

Terminei Detroit: Became Human.

 

detroit-become-human-3.jpg

 

Coisa linda, sou fã da Quantic Dream, pra mim ta no mesmo nível ou até um pouco acima do Heavy Rain que era o melhor que joguei deles até agora, Beyond eu curti também mas ficou atrás desses 2, tematica muy bacana e os 3 personagens são bem interessantes e se desenvolvem muito bem durante o jogo. Pra mim não tem nada igual ao que a Quantic Dream faz em termos de escolhas e bifurcações que geram consequências, só Mass Effect fez algo assim tão bem.

 

Terminei com o Marcus sendo líder e indo pra guerra com o humanos e conseguindo a liberdade dos androides, o Connor ficou do lado dele e sobreviveu até o final e o mais triste foi que a Kara e a androidezinha não sobreviveram lol, foram pegas na fronteira do Canada, tentei salvar as duas só que o fiscal viu que os androides estavam em guerra e  opinião pública estava muito negativa, ai acabou avisando que eram androides e não sobreviram.

 

Depois jogarei novamente pra fazer outras escolhas.

 

Aguardo demas o próximo deles, espero que anunciem agora que vai sair o ps5.

Compartilhar este post


Link para o post

A reta final da Kara é a mais difícil, tive que refazer pra salvar todo mundo. Detroit é sensacional, um dos meus favoritos da geração.

 

Comecei ontem Tokyo Mirage Seasons Encore. Persona de pobre e com muito glitter, é promissor.

Tenho jogado também Atelier Ryza e Assassins Creed Origins. O primeiro tô só por terminar quando possível, é um jogo repetitivo e precisava de mais bosses pra aproveitar o ótimo sistema de combate, já Origins é um Odyssey menor e um pouco mais simples, contudo tô gostando mais da história.

Compartilhar este post


Link para o post

Comecei a jogar um jogo que obviamente está me deixando com raiva já pelo nome. Command and Conquer: Rivals.

 

É RTS? É. Os gráficos são legaizinhos? São. É Command and Conquer? Nem fodendo.

Compartilhar este post


Link para o post

Estou jogando FFX Remaster. Belo trabalho da Square, melhorou todos os modelos 3D, refez todas as texturas em alta resolução e remasterizou toda a trilha sonora. A princípio torci um pouco o nariz nas músicas, algumas delas deram um boost muito grande com nova instrumentação que achei meio esquisito, mas no geral ficou melhor mesmo.

 

Estou na parte da praia, Crusaders/Al-Bhed vs Sin. Eu joguei FFX em 2003, há 17 anos, e tinha até hoje na minha memória que essa parte era um dos destaques do jogo, e pude agora relembrar o porque. A batalha contra o Sinspawn, a música tensa, e depois que você o derrota há aquela transição de tempo real pra CG com o Sin surgindo na baía, lá atrás, gigantesco. Foda! Essas transições de real-time pra CG eram incríveis mermão! Depois tem novamente a luta contra o Sinspawn, agora com o Seymour no grupo, com uma música fantástica. Putz, isso é Final Fantasy!

 

Eu não me lembrava de como o sistema de batalha era estratégico. Cada personagem tem seu ponto forte contra determinado tipo de monstro e isso fica muito claro, de modo que o revezamento de personagens nas batalhas é muito mais utilizado que nos outros jogos da série. Poder trocar de personagem a qualquer momento, dentro da batalha, sem ônus algum, foi uma grande adição. No geral parece que as lutas são um pouco mais desafiadoras do que no original, mas pode ser só impressão minha.  Mas nem tudo são flores e ainda acho o Sphere Grid muito bagunçado, entendo que podia ser mais seccionado. Estou tentando focar a evolução de cada personagem em uma especialidade, mas o sistema praticamente te força a misturar tudo.

 

Estou gostando muito de rever a história, é séria e direta. A narrativa em primeira pessoa (a história é contado pelo Tidus) é muito bem feita, o texto é bom e a dublagem é excelente. Inclusive, uma das maiores críticas do jogo na época era de ser totalmente linear, sem mapa mundi pra explorar, etc, mas eu acredito que esse aspecto fortalece a narrativa, a torna mais imersa. Afinal, é uma peregrinação, templo a templo, sem tempo pra olhar pra trás.

 

Enfim, grande jogo, está subindo ainda mais no meu conceito.

Editado por Cecil

Compartilhar este post


Link para o post
7 horas atrás, Cecil disse:

Eu não me lembrava de como o sistema de batalha era estratégico. Cada personagem tem seu ponto forte contra determinado tipo de monstro e isso fica muito claro, de modo que o revezamento de personagens nas batalhas é muito mais utilizado que nos outros jogos da série.

 

Pena que isso não dura o jogo todo. No final, há bizarrices do tipo Lulu dando ataque físico de 999,999 (ou algo do tipo), sendo que o que acaba contando mesmo é quem tem o multi-hit limit/overdrive capaz de tirar o máximo de dano de cada hit. Personagens, portanto, que só tem overdrive de 1 ou 2 hits acabam ficando à margem, enquanto outros com múltiplos hits, como Waka e Tidus, vão se tornando mais imprescindíveis, especialmente se você está jogando pra terminar tudo mesmo.

Compartilhar este post


Link para o post
4 horas atrás, Seth disse:

Um dos meus top 5 de todos os tempos. 

 

Narrativa em primeira pessoa, não?

 

Lol, corrigi chapa.

 

25 minutos atrás, Seth Angel disse:

 

Pena que isso não dura o jogo todo. No final, há bizarrices do tipo Lulu dando ataque físico de 999,999 (ou algo do tipo), sendo que o que acaba contando mesmo é quem tem o multi-hit limit/overdrive capaz de tirar o máximo de dano de cada hit. Personagens, portanto, que só tem overdrive de 1 ou 2 hits acabam ficando à margem, enquanto outros com múltiplos hits, como Waka e Tidus, vão se tornando mais imprescindíveis, especialmente se você está jogando pra terminar tudo mesmo.

 

Pois é, por isso acho que o Sphere Grid de alguma forma deveria ser seccionado. Lulu por exemplo, que tem pré-disposição pra Black Magic e pouca força física, deveria ter um Grid voltado pra magia negra e fortalecimento de pontos de Magia, MP, etc. Não precisava impedir que pudesse aprender White Magic, mas devia ter algum ônus.

 

E o Overdrive é confuso, confesso que não entendi até hoje como faz pra conseguir novas habilidades.

 

 

Compartilhar este post


Link para o post

Eu acho que eu tô confundindo: Overdrive é o nome do Limit Break da Rikku, mas eu quis dizer o Limit Break individual de cada um deles.

Já faz muito anos. Mesmo tendo jogado o HD remake, esqueci os nomes dos golpes, hahaha.

Compartilhar este post


Link para o post

Crie uma conta ou entre para comentar

Você precisar ser um membro para fazer um comentário

Criar uma conta

Crie uma nova conta em nossa comunidade. É fácil!

Crie uma nova conta

Entrar

Já tem uma conta? Faça o login.

Entrar Agora

  • Visualizando este tópico:   0 membros online

    Nenhum usuário registrado visualizando esta página.

×

Informação Importante

Ao utilizar este site, você está automaticamente concordando com os nossos Termos de Uso e regras..